Tag

#presente

Moviecomarte

Programação de Dezembro no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 6 de dezembro de 2019 0 Comentários

Dezembro chega para fechar mais um ano de ótios filmes exibidos no Moviecom Arte.
E a programação deste mêstão especial é um verdadeiro presente para os cinéfilos fãs do cinema independente.

DIAS 07, 08 e 10
PARASITA
De Bong Joon-ho

Mais que uma comédia dramática, “Parasita”, o mais recente trabalho do premiado diretor sul coreano Bong Jonn-ho, é perturbador, perigoso e aclamado como melhor filme de 2.019.
A trama, conduzida com agilidade e perfeição pelo diretor, gira em torno da família Kim, estacionada nos degraus mais baixos da sociedade coreana e que consegue inserir-se, como um vírus, no coração da família Park, representante da elite endinheirada do país.
Os Kim vivem resolutos em sua pobreza. O pai, Ki-Taek (Kang-Ho Song), está desempregado e não parece disposto a mover um músculo para sair dessa condição. Ele conseguiu, aos trancos e barrancos, uma casa para a família – um cubículo abaixo do nível do asfalto, em que a única janela mal alcança a rua e os bêbados que insistem em ali se aliviar, aumentando a sensação de sujeira e degradação.
As coisas parecem mudar quando um colega deixando o país indica o caçula, Ki-Woo (Choi Woo-shik) como tutor da filha do milionário Donk-Ik Park. Sua irmã, Ki-Jung (Park So-Dam), forja os documentos que comprovam uma faculdade e é indicada como professora de arte do filho mais novo dos Park.
Não demora para eles ejetarem o motorista e a governanta dos ricaços e colocarem seus pais nessas funções.
A primeira metade de Parasita sugere uma comédia nervosa em que os pobres, uma vez insinuados na vida dos ricos, percebem que talvez eles pertençam àquele lugar. A sensação é ampliada quando os Park viajam para o campo em um fim de semana, deixando os impostores experimentando a boa vida.
Quando Parasita apresenta pessoas num nível ainda mais baixo que os Kim, o filme dá uma guinada nervosa para mostrar até onde um indivíduo é capaz de ir para manter o sentimento de pertencer, de ser visto, de ser alguém – mesmo que seja em uma estrutura baseada em mentiras.
“Parasita” abre a programação de dezembro do Moviecom Arte e será exbido nos dias 07 e 08 às 11 horas e no dia 10 às 14 horas.

DIAS 14, 15 e 17
A ODISSEIA DOS TONTOS
de Sebastián Borensztein

Nós somos fãs de Ricardo Darin, o ator, diretor e produtor argentino famoso por seu talento e também por suas escolhas. Seu nome no cartaz é praticamente uma garantia de que o filme é muito bom.
A Odisseia dos Tontos é mais um grande trabalho na vasta filmografia de Darin.
A trama conta a história de uma pequena vila em Buenos Aires, onde um grupo de amigos e vizinhos decidem reunir a quantia necessária para comprar alguns silos abandonados em uma propriedade de agroindústria.
Antes de iniciar o projeto, sofrem um golpe e acabam perdendo todo o dinheiro e decidem reagir diante da injustiça.
Baseado no livro de Eduardo Sacheri, La Noche de la Usina, o filme tem a assinatura do diretor Sebastian Borensztein, que assina também o roteiro.
Ambientado na época da grave crise econômica que atingiu a Argentina em 2001, o roteiro mostra a política da época e traz críticas voltadas para a forma que os bancos lidam com as pessoas que possuem pouco dinheiro.
“A Odisséia Dos Tontos” será exibido no Moviecom Arte nos dias 14 e 15 às 11 horas e no dia 17 às 14 horas.

DIAS 21, 22 3 24
A CAMAREIRA
de Lila Avilés

A Camareira, da estreante Lila Avilés, olha para as pessoas com os olhos da personagem Eve (Gabriela Cartol), a humilde funcionária de um hotel luxuoso na Cidade do México.
Com uma câmera que nos mantém próximos à protagonista, Avilés faz o espectador tornar-se íntimo da camareira e de seu dia-a-dia limpando e arrumando os quartos de seu pequeno e desejado “feudo” no 21º andar do hotel.
Vemos seu cuidado e sua eficiência em seu trabalho, vemos como ela lida com as mais esdrúxulas situações com os clientes, como a mulher argentina que transforma Eve em uma babá ou o cliente judeu que, obedecendo estritamente o sabá, pede para ela apertar o botão para chamar o elevador ou, ainda, o hóspede que tem alguma tara pelas amenidades oferecidas, como os frasquinhos de xampu e creme e toalhas.
Também vemos seus desejos, que vão do vestido vermelho deixado na seção de Achados e Perdidos até a chance de trabalhar no ponto alto da carreira de uma camareira desse hotel: o 42º andar, com seus quartos que mais parecem pequenas mansões.
E tudo isso o roteiro que Avilés escreveu com Juan Carlos Marquéz passa com uma primorosa economia de palavras e uma perfeita fluidez narrativa que faz a navegação pela história muito fácil de se acompanhar, por vezes até emprestando à fita um tom documental.
A delicadeza e a simplicidade de “A Camareira”, carregado nas costas por um impressionante trabalho de Gabriela Cartol e por uma direção precisa de Avilés, é um daqueles filmes que é feito para encantar na mesma medida que para incomodar. E ele cumpre sua função com louvor ao nos forçar a ver os seres humanos invisíveis que estão ao nosso redor.
E você poderá assistir “A Camareira” no Moviecom Arte, dias 21 e 22 às 11 hs e dia 24 de dezembro às hs.

DIAS 28, 29 e 31
SYNONIMES
de Nadav Lapid

Ganhador do prêmio da crítica no Festival de Berlim, o filme israelense “Synonimes”, dirigido por Nadav Lapid, fala sobre reconstrução de identidade.
De um rigor plástico invejável, expresso em enquadramentos hipnotizantes de Paris, este drama deu ao cinema israelense um reconhecimento estético sonhado há tempos.
Contando a saga, em tons autobiográficos, de um rapaz que deixa seu país para recomeçar a vida na França, sem preservar qualquer laço com suas origens israelenses, tendo como seu mais fiel companheiro um dicionário.
O desempenho de Tom Mercier como Yoav, o sujeito que quer reinventar sua identidade (e custa a se livrar do passado), é impecável. Mas o que pesou mais, ao lado de sua excelência narrativa, é a aposta numa discussão sobre pertencimento.
“Synonimes” é uma jornada de transformação física, mental, existencial, moral, tendo por base o percurso pelas ruas de Paris em busca de palavras com que o personagem se identifique. Mas a identidade israelense está marcada no corpo desse homem, e em suas vivências.
Este filme fecha a nossa programação de 2019 e altíssimo estilo. E você poderá conferir “Synonimes” nos dias 28 e 29 às 11 hs e no dia 31 de dezembro às 14 hs.

Moviecomarte

Um Presente de Natal Para Os Fãs De Cinema

Postado porTemperos de Cinema 22 de dezembro de 2017 0 Comentários


O Moviecom Arte traz um verdadeiro presente de Natal para seu público esta semana, “Human Flow — Não existe lar se não há para onde ir”, do chinês Ai Weiwei é uma verdadeira obra de arte, no sentido mais completo da expressão.
O trabalho meticuloso e primoroso de Ai Weiwei, costura neste documentário imagens incomodamente belas a uma realidade devastadoramente miserável de milhares de seres humanos os mais de 40 campos de refugiados em 23 países que visitou colhendo imagens e depoimentos durante 1 ano.

MV5BZDQ5NDJlMTUtMjAxNi00NzNjLWIyYTQtZTE5Y2U2ZjQzZDIzXkEyXkFqcGdeQXVyMjM4OTI2MTU@._V1_
Em meio a tudo isso, dados estatísticos assustadores (temos hoje 65 milhões de refugiados em todo o mundo) se misturam a frases e versos de escritores e poetas de diferentes gerações e das mais diferentes nacionalidades, culturas e crenças. Entre elas há uma em especial que parece resumir todo o documentário e também a real condição dos refugiados: “Você me matou mas eu esqueci de morrer”, do palestino Mahmoud Darwish.

human-flow
O chinês Ai Weiwei é um artista plural. Designer arquitetônico, artista plástico, pintor, comentarista e cinegrafista, tornou-se mundialmente conhecido e venerado por seu ativismo social e por sua coragem em enfrentar a ditadura comunista chinesa.

9-1507921640-e1507925459145
Com “Human Flow — Não existe lar se não há para onde ir”, Ai WeiWei nos chama à responsabilidade que nos é inerente por sermos humanos. Impossível sair da sala de projeção sem se perguntar onde está a nossa humanidade. E essa reflexão, sobretudo nessa época de Natal, se torna ainda mais forte.
“Human Flow…” foi o grande destaque da 41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que contou com a presença de Ai Weiwei e teve ainda o privilégio da assinatura deste grande artista contemporâneo na criação do cartaz da Mostra.

2-1507921762
Você não pode perder este belíssimo e incisivo documentário que o Moviecom Arte apresenta nos dias 23 e 24 de dezembro às 11 horas e no dia 26 de dezembro às 14 horas.

image11
Ficha Técnica
Título: Human Flow – Não existe lar se não há para onde ir
Título Original: Human Flow
Origem: Alemanha
Ano de produção: 2017
Gênero: Documentário
Direção: Ai Weiwei
Roteiro: Chin-Chin Yap, Tim Finch e Boris Cheshirkov
Distribuição: Paris Filmes

star-wars-extraordinário728x90f