Tag

#oscar2018

Receita da semanaTemperos

Sopa de Rã

Postado porTemperos de Cinema 9 de março de 2018 0 Comentários

No último programa apresentamos uma entrada fria, o blinis, como primeiro prato do nosso Jantar do Oscar. Hoje trazemos a receita da entrada quente, a segunda entrada, também inspirada no filme A Festa de Babette: uma Sopa de Rã.
Aproveite o nosso prato da semana, por que essa sopa é divina.

Receita da Sopa de Rã

Ingredientes
350 grs de rã
Alho
Cebola
Ervas
Salsão
Loro
300grs de batata
200grs de cenoura
1 clice de vinho branco
1 xícara de manteiga
1 cálide creme de leito fresco
Caldo e legumes
Preparo
Sela a rã no azeite já quente
Coloca o alho, a cebola e todos os temperos , inclusive as ervas.
Coloca a cenoura
Mistura bem,
Coloca a batata
Depois coloca o vinho branco
Acrescenta o caldo de legumes, sal e pimenta branca a gosto
Tampa e deixa cozinhar por 20 minutos , ou até os ingredientes ficarem bem macios.
Separa a carne e desossa com bastante cuidado para não ficar osso no caldo, desfia e separa
tambémas ervas do caldo.
Processo o caldo ( sem a carne e sem ar ervas) .
Depois de processado coloca novamente no fogo para esquentar, e coloca a manteiga e o
creme de leite.
Depois de pronto coloca um pouco a carne desfiada.
Está pronta para servir.

CinemaMoviecomarte

Lady Bird, A Hora de Voar, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 5 de março de 2018 0 Comentários

Com 5 indicações importantes e sendo um dos favoritos do público, “Lady Bird: A Hora de Voar” não levou nenhum Oscar – o que é normal nesse tipo de premiação, ainda mais em um ano com tantos filmes bons na briga.


Dirigido por Greta Gerwig, “Lady Bird” é daqueles filmes que a gente assiste como se estivesse sentado nas nuvens. É um filme adolescente com todos os clichês típicos mas que se torna especial pelos desfechos surpreendentes para cada situação.

As relações humanas e a incrível descoberta do “mundo adulto”, são o centro desta comédia emocionante, delicada e crua sobre uma jovem não muito convencional, com uma personalidade mais forte que a média e a turbulenta relação com sua mãe, uma obstinada que trabalha incansavelmente para manter sua família.


Outro ponto alto do filme é a atuação brilhante de Saoirse Ronan. No papel da adolescente problemática que dá título ao filme, Saoirse ganhou um Globo de Ouro, um Gotham, o título de melhor atriz do último Festival de Toronto, foi indicada para o Bafta e para o prêmio do Sindicato de Atores.
De quebra a jovem atriz de 22 anos ganhou também sua terceira indicação ao Oscar. Não levou mas só essa indicação deixa bem claro que essa garota promete.

Este é o filme da semana no Moviecom Arte e você poderá assistí-lo nos dias 10 e 11 de março às 11 horas e no dia 13 de março às 14 horas.

Ficha Tecnica
Nome: Lady Bird – A hora de voar
Nome Original: Lady Bird
Cor filmagem: Colorida
Origem: EUA
Ano de produção: 2017
Gênero: Comédia, Drama
Duração: 93 min
Classificação: 14 anos
Direção: Greta Gerwig
Elenco: Saoirse Ronan, Laurie Metcalf, Tracy Letts
Distribuição: Universal Pictures

CinemaMoviecomarteMoviecomarte

O Insulto no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 28 de fevereiro de 2018 0 Comentários

“O Insulto” é o primeiro filme libanês a concorrer ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, o que em si representa um fato extremamente importante e político, posto que a obra do diretor Ziad Doueri tem seu foco nas tensões políticas mesmo sem ser um filme panfletário.
Aliás, o filme começa com um aviso estatal informando ao público que as visões expressas no filme são de responsabilidade exclusiva dos responsáveis pela obra, não representando os ideais do governo libanês.


O roteiro provocativo escrito por Ziad Doueri e Joelle Touma mostra como um pequeno desentendimento entre dois cidadãos comuns assume, à medida em que se espalha, proporções inimagináveis e incontroláveis, promovendo o caos graças à mídia e um povo que incapaz de refletir antes de assumir um posicionamento.


No velho estilo “quem conta um conto aumenta um ponto”, o pequeno incidente vai parar nos tribunais e gera uma crise que atinge até o presidente da república. O mais interessante é que a câmera de Doueri ganha vida própria e muda seu foco conforme cada personagem, nos obrigando a refletir à partir do ponto de vista de cada um deles.
“O Insulto” aborda ainda temas fortes e muito atuais como a ética, o racismo e os limites para a liberdade de expressão, o que o torna universal. Aliás presenciamos recentemente no Brasil vários acontecimentos parecidos…

Ficha Técnica
Título: O Insulto
Título original: L’insulte
Gênero: Drama
Diretor: Ziad Doueiri
Roteiro: Ziad Doueiri Joelle Touma
Elenco: Adel Karam, Kamel El Basha, Camille Salameh, Diamand Bou Abboud, Rita Hayek, Talal Jurdi, Christine Choueiri, Julia Kassar, Rifaat Torbey e Carlos Chahine.
Duração: 82 min
País: Líbano, França, Bélgica, Chipre, EUA
Música: Éric Neveux
Fotografia: Tommaso Fiorilli
Classificação Indicativa: Não remodendado para menores de 16 anos
Distribuição: Imovision

CinemaMoviecomarte

O Red Carpet do Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 27 de fevereiro de 2018 0 Comentários

Março é o mês do Oscar no Moviecom Arte.
Preparamos para você uma seleção de 5 grandes filmes que concorrem à mais cobiçada estatueta do cinema.
São eles:

Dias 03 e 04 – 11 horas
Dia 06 – 14 horas
O INSULTO


Nomeado para o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro
Essa é a primeira vez que um filme libanês é nomeado para o Oscar. E não é para menos. Neste filme assumidamente político o diretor Ziad Doueri permite que sua câmera ajuste automaticamente o foco sobre cada personagem, como que para nos fazer entender o ponto de vista de cada um deles dentro da trama. E nos faz refletir.
O roteiro provocativo escrito por Ziad Doueri e Joelle Touma mostra como um pequeno desentendimento entre dois cidadãos comuns vai tomando vulto à medida que se espalha, até chegar a um tribunal e ganhar a mídia, gerando uma crise que chega ao Presidente da República.
Longe de ser um filme panfletário, a trama de “O Insulto” aborda temas fortes e muito atuais como a ética, o racismo e os limites para a liberdade de expressão, o que o torna universal. Aliás presenciamos no Brasil vários acontecimentos parecidos…

Dias 10 e 11 – 11 horas
Dia 13 – 14 horas
LADY BIRD


Nomeado para o Oscar de Melhor Filme
Com 5 nomeações para o Oscar, “Lady Bird” divide opiniões mas sem dúvida é um dos melhores filmes na disputa. Dirigido por Greta Gerwig, este é daqueles filmes que a gente assiste como se estivesse sentado nas nuvens.
É um filme adolescente com todos os clichês típicos mas o que o torna especial é como a trama apresenta desfechos surpreendentes para cada situação, transformando-o em um filme sobre as relações humanas e a incrível descoberta do “mundo adulto”.
Outro ponto alto do filme é a atuação brilhante de Saoirse Ronan. No papel da adolescente problemática que dá título ao filme, Saoirse ganhou um Globo de Ouro, um Gotham, o título de melhor atriz do último Festival de Toronto, foi indicada para o Bafta e para o prêmio do Sindicato de Atores. De quebra a jovem atriz de 22 anos ganha também sua terceira indicação ao Oscar.

Dias 17 e 18 – 11 horas
Dia 20 – 14 horas
TRAMA FANTASMA


Nomeado para o Oscar de Melhor Filme
Com seis indicações ao Oscar o drama dirigido por Paul Thomas Anderson tem como pano de fundo o mundo da alta moda e aborda o potencial destrutivo de um relacionamento onde o amor, a admiração e o companheirismo estão em constante conflito com ódio, o ciúme e a inveja.
Na trama, o estilista Reynolds Woodcock (Daniel Day-Lewis) e sua musa Alma (Vicky Krieps), se amam e se odeiam profundamente, vivendo em uma guerra crescente e cruel, mascarada pela hipocrisia e pelo universo do luxo. Essa relação intensa e doentia, onde a essência e aparência são completamente divergentes, tem na moda seu paralelo perfeito.
Este também pode ser o último filme de Daniel Day-Lewis que anunciou sua aposentadoria após “Trama Fantasma” e a intenção de dedicar-se exclusivamente à família. Se assim for, o astro se despede das telonas em grande estilo e com sua sexta indicação para o Oscar de Melhor Ator.

Dias 24 e 25 – 11 horas
Dia 27 – 14 horas
MUDBOUND, LÁGRIMAS SOBRE O MISSISSIPI


Nomeado para o Oscar de Melhor Roteiro Adaptado
Aclamado no Festival de Sundance, “Mudbound, Lágrimas Sobre o Mississipi” tem 4 indicações ao Oscar, incluindo o de melhor atriz (pela magnífica atuação de Mary J. Blige) e o de melhor fotografia (pelo excepcional trabalho de Rachel Morrison).
Dirigido por Dee Rees, que também assina o roteiro ao lado de Virgil Williams, “Mndbound, Lágrimas Sobre o Mississipi” é uma obra primorosa, uma das críticas mais ferozes à questão racial nos Estados Unidos.
A trama se passa durante a Segunda Guerra Mundial, que serve de paralelo para o clima tenso e a guerra que se dá entre os membros de duas famílias, uma branca e a outra negra, ambas vivendo em uma propriedade no interior do Mississipi, estado que ficou conhecido e marcado pelo racismo e a violência contra os negros.

Dias 31 de março e 01 de abril – 11 horas
Dia 03 de abril – 14 horas
ME CHAME PELO SEU NOME


Nomeado para o Oscar de Melhor Filme
O jornal El País disse que o Oscar não está preparado para um filme como “Me Chame Pelo Seu Nome”, de Luca Guadagnino. Mesmo tendo em seu histórico outros filmes com temática gay, como “O Segredo de Brokeback Mountain” e “Moonlight”, que alcançaram a premiação máxima, os centenários e conservadores membros da Academia ainda não conseguem absorver uma história de amor entre um adolescente de 17 anos e um jovem de 28, durante um verão no norte da Itália.
Com 4 indicações para o Oscar e uma carreira de sucesso construída nos mais importantes festivais mundo a fora, o que chama a atenção em “Me Chame Pelo Seu Nome” é que ele é muito mais que uma história de amor gay e passa longe do estereótipo de uma relação marcada pela dor, pelo medo e pela opressão.
Com roteiro adaptado por ninguém menos que James Ivory, à partir de um romance do egípcio André Aciman, este filme é um registro sensível do processo de descoberta de um sentimento entre duas pessoas que também estão a se descobrirem uma na outra.

 

__________________________________________

O Moviecom Arte é um projeto da publicitária e produtora Fátima Augusto em parceria com o Moviecom Jundiaí, que há 1o anos traz para a cidade filmes de arte e que não entram no circuito comercial.

Com um horário alternativo dentro da programação do cinema, o Moviecom Arte acontece todos os sábados e domingos às 11 horas e tem ingressos a R$ 10,50 e R$ 5,25.

O Moviecom Jundiaí fica no Maxi Shopping – Av. Antônio Frederico Ozanan, 6000 – Vila Rio Branco, Jundiaí – SP

CinemaMoviecomarte

Corpo E Alma no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 14 de fevereiro de 2018 0 Comentários

O hungaro “Corpo e Alma”, de Ildikó Enyedi, figura entre os mais belos filmes de 2017. Ganhador do cobiçado prêmio de melhor filme no Festival de Berlim, foi também escolhido para representar a Hungria no Oscar 2018, concorrendo ao prêmio de Melhor Filme Estrangeiro.

1_KccrLZ4xteqpOwZIxXuJ6Q
Esta é a décima vez que o cinema hungaro chega à cerimônia do Oscar e o país conta 2 estatuetas na categoria com “Mephisto” de István Szabó em 1982 e “O Filho de Saul” de László Nemes em 2016.
“Corpo e Alma” concorre com mais 4 filmes geniais: O russo “Sem Amor” de Andrey Zvyagintsev, o libanês “O Insulto” de Ziad Doueiri, o chileno “Uma Mulher Fantástica” de Sebástian Lelio, e o grande favorito “The Square – A Arte da Discórdia” do sueco Ruben Ostlund.

tumblr_owy1kpOyXo1tw3kfno5_1280
Contemporâneo e atemporal, “Corpo e Alma” trata de uma incrível jornada sobre o amor em uma maravilhosa história contruída através de sonhos de personagens desajustados. No centro da trama estão Endre (um burocrara e portador de uma deficiência no braço) e Mária (uma funcionária do matadouro onde trabalha).
Eles se encontram quase sempre nos sonhos mas não têm muita aproximação na vida real. Resolvem então embarcar nessa história onde buscam a todo instante entender melhor sobre o amor e sobre essa situação totalmente inusitada que é o fato de se ligarem por um sonho.

s5BvDOLava3Z8NjAOnT0Xe96iLS
Impossível falar de “Corpo e Alma” sem citar a lentidão e os longos silêncios essenciais na construção da história, usando a realidade feia e cruel de um matadouro como uma moldura para os momentos de beleza e magia que se dão durante os sonhos.
Este é o filme da semana no Moviecom Arte, que você poderá assistir nos dias 17 e 18 de fevereiro, às 11 horas, no Moviecom Cinemas do Maxi Shopping Jundiaí.

Ficha Técnica
Título: Corpo e Alma
Título original: Teströl és Lélekröl
Nacionalidade: Hungria
Gênero: Drama
Ano de produção: 2017
Duração: 1h 56 minutos
Classificação: 18 anos
Direção: Ildiko Enyedi
Roteiro: Ildikó Enyedi
Produção: Ernö Mesterházy, András Muhi, Mónika Mécs
Música: Adam Balazs
Fotografia: Máté Herbai
Produção de Design: Imola Láng
Figurino: Judit Sinkovics
Distribuição: Imovision

1080x1620_1513716442

PanteraNegra-728x90

CinemaMoviecomarte

120 BPM no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 2 de fevereiro de 2018 0 Comentários

O cinema ativista às vezes pode ser bem chato, principalmente quando se torna um discurso militante e esquece de ser um filme. Não é o caso de “120 Batimentos Por Minuto”, de Robin Campillo, que aborda diversas questões contemporâneas a partir do cotidiano dos membros de um grupo que, nos anos 90, lutava para que o governo francês e a indústria farmacêutica agissem de forma mais efetiva em relação à AIDS.

120-batimentos-por-minuto (1)
Esse grupo existe até hoje e chama-se Act Up. Ele foi criado em 1987 na cidade de Nova York, quando a AIDS ganhou a mídia e a ignorância sobre o assunto expôs mundialmente a incapacidade dos governos e a falta de escrúpulos da industria farmacêutica. Um de seus principais fundadores e maior ativista, o dramaturgo Larry Kramer, é o autor da peça auto-biográfica “Normal Heart” 91985), transformada em filme em 2014 pela HBO e estrelado por Mark Ruffalo e Jim Parsons, entre outros.

MV5BYWM1MmFjYjktZjcwZi00OGQyLTk0NTYtZTJhZGM0MjUzOWYwXkEyXkFqcGdeQXVyMTA2ODMzMDU___V1_SY1000_CR02C02C14602C1000_AL_
O Act Up se multiplicou por várias cidades e países do mundo. O diretor Robin Campillo fez parte deste grupo em Paris e usa sua própria experiência para abordar questões como a homossexualidade na França e no mundo, as questões políticas que envolvem a indústria e o comércio de remédios, a militância e a cultura gay que inclui as festas de música eletrônica.

bpmbeatsp_f04cor_2017110451
Capillo foca seu filme nos membros do Act Up Paris, ao qual pertenceu, e descorre temas como a questão homossexual na França (e no mundo); o posicionamento e a militância política, a questão das indústria farmacêutica e o mercado de remédios e a cultura gay, da qual fazem parte as grandes festas de música eletrônica.
O título “120 BPM”, aliás, vem exatamente dos batimentos cardiacos nas pistas de dança mas é uma analogia também à adrenalina necessária para enfrentar a urgência de jovens lutando pela sobrevivência.

Este é o filme que o Moviecom Arte exibe neste final de semana, dias 03 e 04 de fevereiro, sempre às 11 horas, no Moviecom cinemas do Maxi Shopping Jundiaí.

3432071
Ficha Técnica:
Título original: 120 battements par minute
Título em inglês: BPM
Nacionalidade: França
Gênero: Drama
Ano de produção: 2017
Estréia: 4 de janeiro de 2018 (Brasil)
Duração: 144 minutos
Classificação: 16 anos
Direção: Robin Campillo
Roteiro: Robin Campillo, Philippe Mangeot
Produção: Hugues Charbonneau, Marie-Ange Luciani
Música: Arnaud Rebotini
Fotografia: Jeanne Lapoirie
Edição: Robin Campillo, Stephanie Leger, Anita Roth
Figurino: Isabelle Pannetier
Estúdios: Les Films de Pierre, France 3 Cinéma,Page 114, Memento Films Production, FD Production
Distribuição: Imovision

sobrenatural---destino-de-uma-nação728x90

CinemaMoviecomarte

Verão de 1993 no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 24 de janeiro de 2018 0 Comentários

Representando a Espanha no Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, “O Verão de 1993”, foi um dos grandes destaques do Festival de Cinema do Rio e é o filme da semana no Moviecon Arte.
Escrito e dirigido pela estreante Carla Simón, vem sendo aclamado como uma pequena obra prima do cinema contemporâneo, por seu roteiro brilhante e o incrível trabalho de direção do elenco, sobretudo do núcleo mirim.

Cine_espanol-Isabel_Coixet-Directores_de_cine-Peliculas_del_ano-Cine_272483463_58715263_1706x960
Partindo de uma uma história autobiográfica e misturando a ela memórias afetivas, episódios reais, verdades construídas e muita imaginação, Carla Simón conta a história da pequena Frida (Laia Artigas), uma criança de 6 anos e em crise depois de perder o pais em decorrência da AIDS, uma doença que ela ainda não é capaz de compreender.

Filme_Verao-1993_01 estiu1993
A garota é obrigada a mudar-se de Barcelona para uma cidade no interior da Catalunha, onde vivem seus tios. Apesar do afeto e compreensão da família, Frida manifesta um comportamento agressivo, especialmente com a prima mais nova.
“O Verão de 1993” mostra que só o tempo pode explicar algumas coisas e curar outras.

VErão-1993
Este filme fecha a programação de janeiro do Moviecom Arte e será exibido nos dias 27 e 28, sábado e domingo, sempre as 11 horas no Moviecom Cinemas do Maxi Shopping Jundiaí.


Ficha Técnica:
Título: VERÃO 1993
Título Original: ESTIU 1993
País de Origem: ESPANHA
Ano de Produção: 2017
Direção: CARLA SIMÓN
Roteiro: CARLA SIMÓN
Elenco: LAIA ARTIGAS, PAULA ROBLES, BRUNA CUSÍ, DAVID VERDAGUER, PAULA BLANCO, ETNA CAMPILLO, JORDI FIGUERAS, BERTA PIPÓ, FERMÍ REIXACH, ISABEL ROCATTI, MONTSE SANZ
Distribuição: Supo Mungam Films

0563520

CinemaMoviecomarte

Mulheres Divinas Vão à Luta

Postado porTemperos de Cinema 17 de janeiro de 2018 0 Comentários

O comecinho dos anos 70 foi tudo, menos calmo. No mundo inteiro bombas metafóricas e também as reais explodiam, milhões marchavam em manifestações, muitos enfrentavam violentamente a polícia, gritos nas ruas e no rock’n’roll, gritos nas artes em geral, a contracultura derrubava conceitos, o amor livre decretava a revolução sexual, Stonewall reverberava dando voz e visibilidade à causa gay, a pílula anticoncepcional destruia o mito do sexo com fins reprodutivos… e as mulheres decidiram sair definitivamente das sombras e queimaram sutiãs em praças públicas.

Trogen, Appenzell, Schweiz, 30. Maerz 2016 - Die goettliche Ordnung, Standbild Film Szene 66, 78 und 105.
Longe dos grandes centros urbanos essa agitação perdia em intensidade mas não em força. É o que nos mostra a diretora Petra Biondina Volpe em “Mulheres Divinas” que mostra um pequeno e feroz grupo de donas de casa lutando pelo direito ao voto em uma pequena aldeia no interior da Suíça.

aaaa
Lideradas pela jovem Nora (Marie Leuenberger), que até então vivia tranquilamente com seu marido e dois filhos, o pitoresco grupo literalmente causa todas em sua campanha pela igualdade de direitos.

The-Divine-Order-2
“Mulheres Divinas” fala sobre o tema com coerência e sem se tornar um chato e cansativo filme sobre ideologias.
Representante da Suíça para o Oscar 2018 na categoria Filme Estrangeiro, “Mulheres Divinas” é o filme da semana no Moviecom Arte e você poderá assistir nos dias 20 e 21 de janeiro no Moviecom Cinemas do Maxi Shopping Jundiaí, sempre às 11 horas.


Ficha Técnica
Título: Mulheres Divinas
Título Oiginal: Die Gttliche Odnung
Direção: Petra Biondina Volpe
Elenco: Marie Leuenberger, Maximilian Simonischek e Rachel Braunschweig
País: Suíça
Gênero: Dama
Ano de produção: 2017
Distribuição: Mares Filmes

filme 0590045.jpg-r_1200_1764-f_jpg-q_x-xxyxx (1)

sobrenatural---destino-de-uma-nação728x90

Extras

O Destino de uma Nação, no Moviecom

Postado porTemperos de Cinema 10 de janeiro de 2018 0 Comentários

De tempos em tempos grandes personagens da história parecem “ressuscitar”, como que para inspirar com seus pensamentos e atitudes o momento atual. É o caso de Winston Churchill que recentemente teve grande destaque na série “The Crow” interpretado por John Lithgow e uma cinebiografia dirigida por Jonathan Teplitzky.

O-Destino-de-Uma-Nação-trailer
Agora o controverso Primeiro-Ministro britânico é o personagem central de “O Destino de uma Nação”, que estreia amanhã (11/01) no Moviecom Cinemas e é forte candidato ao Oscar 2018 em pelo menos 3 categorias: Melhor Diretor, Filme e Ator.
Com uma carreria militar brilhante, escritor laureado com o Nobel de Literatura, historiador, artista plástico e um dos maiores estadistas de todos os tempos, Winston Churchill (1874-1965) foi duas vezes Primeiro-Ministro do Reino Unido e teve papel decisivo durante a Segunda Guerra Mundial.

DARKEST HOUR
Em um drama espetacular, o filme “O Destino de uma Nação”, dirigido por Joe Wright, de “Orgulho e Preconceito” e “Anna Karenina”, retrata exatamente esse momento da história, quando a força e liderança de Churchill foi decisiva para garantir a segurança e a paz dos ingleses quando as forças nazistas varriam toda a Europa.

O-Destino-de-Uma-Nação-trailer-2
O roteiro é assinado por o Anthony McCarten (de A Teoria de Tudo) e não esconde o dilema de Churchill dividido entre a pressão para firmar um tratado de paz com a Alemanha Nazista e o desejo de lutar pelos ideais de liberdade de sua nação.
Interpretando o grande líder temos o cultuado ator Gary Oldman (ganhador do Globo de Ouro 2018) e no elenco outros grandes nomes como Stephen Dillane, John Hurt, Lily James, Ben Mendelsohn e Kristin Scott Thomas.

O-Destino-de-uma-Nação_29

Outro grande destaque de “O Destino de Uma Nação” é a direção de arte de Sarah Greenwood, que recria com precisão a Londres pré-Elizabethana, em um momento de grandes mudanças mundiais interferindo drasticamente em uma das culturas mais tradicionalistas do mundo.

Confira os horários na programação do Moviecom Maxi Shopping Jundiaí.

1451307.jpg-r_648_960-f_jpg-q_x-xxyxx

sobrenatural---destino-de-uma-nação728x90