Tag

Museu

CinemaMoviecomarteMoviecomarte

Museu, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 29 de novembro de 2018 0 Comentários

Na noite de natal de 1985, 140 peças de valor incalculável foram roubadas do Museu Nacional de Antropologia do Cidade do México. Considerado como o roubo do século, o crime foi atribuído inicialmente a uma quadrilha de experientes ladrões de arte, de tão audacioso e bem executado.
O que ninguém jamais poderia imaginar é que os ladrões eram na verdade dois garotos suburbanos de classe média, estudantes de veterinária.


Trazendo o galã mexicano Gael García Bernal em uma de suas melhores performances o longa “Museu”, do diretor Alonso Ruizpalacios, abre a programação de dezembro do Moviecom Arte reconstruindo essa história de forma bem humorada para levantar uma discussão sobre os valores (simbólicos e materiais) do que é histórico e cultural.


Gael interpreta Juan Núñes, um jovem frustrado e revoltado com seu contexto familiar. É dele a ideia e os planos para roubar o Museu. Para isso convida seu amigo, o atrapalhado Benjamin Wilson, personagem interpretado pelo também brilhante Leonardo Ortizgris.


As trapalhadas dos dois jovens os tornam tão engraçados e tão adoráveis que é impossível não torcer por eles no decorrer da trama. Em vários momentos é impossível não lebrar dos personagens Pink & Cérebro, da animação criada por Steven Spielberg e Tom Ruegger.


O roteiro foi premiado com o Urso de Prata no Festival de Berlim deste ano e aborda assuntos “polêmicos” como os males causados pelo colonialismo e pelo capitalismo aos bens culturais e questiona a função social dos museus.
“Museu” será exibido no Moviecom Arte nos dias 01 e 02 de dezembro às 11 horas, e no dia 04 de dezembro às 14 horas.
Não recomendado para menores de 16 anos.

Ficha Técnica
Título original: Museo
Nacionalidade: México
Gêneros: Comédia dramática, Crime
Ano de produção: 2018
Estréia: 8 de novembro de 2018 (Brasil)
Duração: 2h 06min
Direção: Alonso Ruizpalacios
Roteiro: Alonso Ruizpalacios, Manuel Alcalá
Elenco: Gael García Bernal, Leonardo Ortizgris, Alfredo Castro
Produção: Gael García Bernal, Manuel Alcalá, Patricio Braun, Moisés Cosío, Brian Cox, Maria Jose Cuevas, Gerardo Gatica, Robert Lantos, Alberto Muffelmann, Jose Nacif, Jacobo Nazar, Renato Ornelas,Mariana Rodriguez Cabarga, Ramiro Ruiz, Anant Singh
Trilha sonora: Tomás Barreiro
Direção de fotografia: Damián García
Edição: Yibran Asuad
Design de produção: Sandra Cabriada
Figurino: Malena De la Riva
Estúdios: Detalle Films, Distant Horizon, Panorama Global
Distribuição: Supo Mungam Films

Cinema

The Square, A Arte da Discórdia

Postado porTemperos de Cinema 25 de março de 2018 0 Comentários

O poeta russo Vladimir Maiakóvski disse que “A arte não é um espelho para refletir o mundo, mas um martelo para forjá-lo”, no entanto, muitas vezes o reflexo no espelho da arte é fundamental para perceber o que e o quanto é necessário mudar.
E é isso o que mostra e faz o filme “The Square, A Arte da Discórdia”, do sueco Ruben Östlund, expondo de forma brilhante, cruel e realista a hipocrisia da sociedade, tomando como ponto de partida a arte contemporânea e seu papel dentro dessa sociedade.

the-squre-05
O filme se passa na Suécia, país nórdico conhecido pela qualidade de vida, pelo alto nível cultural, pela educação de seu povo, pela ausência de preconceitos… sim, só que não. Para quem pensa que é só aqui no 3º mundo que as pessoas são capazes de apedrejar museus, “The Square” mostra que a hipocrisia e a ignorância é uma epidemia de proporções globais.
Destruindo aquela imagem vendida de país onde tudo é perfeito, esta obra mostra ainda as diferenças sociais, a violência e o preconceito que também existem na Suécia. As cenas dos moradores de rua e as que se passam nos subúrbios de Estocolmo são reveladoras. Como disse o nosso poeta Arnaldo Antunes, “miséria é miséria em qualquer canto”.

39169_43_TheSquare__AlamodeFilm__1_
Mas o foco principal de Ruben Östlund é a burguesia pseudo civilizada e culta. E ele não poupa ninguém. Mostra o papel da publicidade na propagação da cultura da violência, a imbecilidade dos novos profissionais de imprensa e a deturpação da informação, a mediocridade das classes sociais pretensamente culta e educadas mas que também são capazes de muitas violências, inclusive a violência da omissão.

the-squre-03
Há cenas hilárias, como uma que mostra os convidados de uma vernissage desesperados para atacar o buffet; cenas emblemáticas, como a da ativista no centro de Estocolmo perguntando aos pedestres se eles querem salvar uma vida, ao que eles respondem negativamente; e algumas cenas antológicas, como a cena do casal que briga pela posse do preservativo cheio de esperma após o sexo.

The-Square-O-Quadrado-2017-de-Ruben-Östlund
O ponto alto do filme, no entanto é a performance de um artista durante um elegante jantar oferecido aos mantenedores de um importante museu de arte contemporânea. Ele representa uma mistura do Incrível Hulk (versão nórdica) com um troglodita e promove ataques cada vez mais violentos aos convidados. A tensão da cena vai crescendo vertiginosamente, deixando os presentes encurralados, com medo, de cabeça baixa e em silêncio tentando não chamar a atenção do selvagem. Quando a situação foge completamente ao controle dos organizadores e o artista parece ter sido dominado pelo personagem, a performance alcança seu objetivo: revelar os trogloditas disfarçados sob smokings e vestidos de seda.

Essa cena (inspirada em uma performance real do artista Oleg Kulik em 1990) é também uma profunda reflexão sobre os limites da arte. E depois de assisti-la confirmo minha convicção de que a arte não pode ter limites, principalmente porque a nossa hipocrisia não tem limites.
Qualquer pessoa com o mínimo de coerência e bom senso, sai do cinema com um reforçado sentimento de vergonha do alheio e de si próprio. Estamos todos nós ali representados em nossa mesquinhez, nossa pequenez e nossa hipocrisia.


A proposta do diretor ao nos colocar de frente para esse espelho é nos obrigar a reconhecer isso, assim como faz o personagem principal, o diretor do museu (brilhantemente interpretado pelo charmoso Claes Bang), que ao final da história assume e se desculpa por sua própria mediocridade.
Indicado ao Oscar 2018 de Melhor Filme Estrangeiro e ganhador da Palma de Ouro em Cannes, “The Square” é um filme obrigatório para os dias de hoje, sobretudo no Brasil onde a mediocridade e a hipocrisia nem mais se disfarçam.

(Resenha por Marco Antonio Andre)

Este é o filme que você pode assistir no Sala Cult nos dias 25 de março às 16 e 19 horas, 29 e 30 de março às 19 horas, e 31 de março às 16 e 19 horas.

O Sala Cult é um espaço no Paineiras Shopping, em Jundiaí, para o cinema independente, com curadoria de Fátima Augusto.

thesquare_a5_cmyk

Ficha Tecnica

  • Titulo original: The Square
  • Nacionalidades: Suécia, Alemanha, Dinamarca, França
  • Gênero: Comédia dramática
  • Ano de produção: 2017
  • Duração: 2h 22 minutos
  • Classificação: 14 anos
  • Direção: Ruben Östlund
  • Roteiro: Ruben Östlund
  • Produção: Katja Adomeit, Philippe Bober, Tomas Eskilsson, Dan Friedkin, Erik Hemmendorff, Agneta Perman, Bradley Thomas
  • Fotografia: Fredrik Wenzel
  • Edição: Jacob Secher Schulsinger, Ruben Östlund
  • Design de produção: Josefin Åsberg
  • Figurino: Sofie Krunegård
  • Estúdios: Plattform Produktion, Arte France Cinéma, Coproduction Office, Det Danske Filminstitut, Essential Filmproduktion GmbH, Film i Väst
  • Distribuição: Pandora Filmes