Tag

#moviecom

CinemaFilmes da semanaMoviecomarte

Em Pedaços, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 6 de Abril de 2018 0 Comentários

Escrito e dirigido por Faith Akin, “Em Pedaços” foi selecionado para representar a Alemanha no Oscar 2018 mas ficou fora da lista final de indicados ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.


Com inspiração hollywodiana este drama cheio de reviravoltas começa com o casamento de um presidiário, o traficante Nuri (Numan Acar) e a jovem Katja (Diane Kruger). Um salto no tempo e encontramos o casal com um filho, vivendo como uma família comum, estabelecida e feliz..
Tudo muda quando Katja perde o marido e o filho em um atentado terrorista. Em uma atuação que lhe valeu o prêmio de melhor atriz no Festival de Cannes, Diane Kruger imprime tanta veracidade à sua interpretação que é impossível não sofrer junto com a personagem nesse momento de dor.


E quando tudo parece girar em torno do sofrimento e a necessidade de recomeçar da personagem, a discussão sobre o atentado assume o primeiro plano e o filme se volta para a bordagem de temas como a intolerância racial, questões políticas e sociais. Em mais uma reviravolta na trama, a personagem vai fazer justiça pelas próprias mãos.
Este é o filme da semana no Moviecom Arte, projeto exclusivo do Moviecom Cinemas do Maxi Shopping Jundiaí, que abre espaço para o cinema independente e de arte. Você poderá vê-lo nos dias 07 e 08 de abril às 11 horas e no dia 10 de abril às 14 horas.

Ficha Técnica
Título: Em Pedaços
Titulo Original: Aus dem Nichts
Nacionalidades: Alemanha, França
Gêneros: Drama, Suspense
Ano de produção: 2017
Duração: 1h 46 minutos
Direção: Fatih Akın
Roteiro: Fatih Akin, Hark Bohm
Elenco: Diane Kruger, Numan Acar, Ulrich Tukur
Produção: Fatih Akin, Mélita Toscan du Plantier, Ann-Kristin Hofmann, Nurhan Sekerci-Porst
Música: Josh Homme
Fotografia: Rainer Klausmann
Edição: Andrew Bird
Produção de Design: Tamo Kunz
Direção de arte: Seth Turner
Figurino: Katrin Aschendorf
Estúdio: Bombero International, Macassar Productions
Distribuição: Imovision 

 

CinemaFilmes da semanaMoviecomarte

Os Filmes de Fevereiro no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 2 de Fevereiro de 2018 0 Comentários

.A vida é feita do cotidiano. De sonhos, lembranças, alegrias, de desafios, de superações, tristezas… Daquilo que pensamos, construímos ou simplesmente vivemos. A vida, sobretudo, é feita da vida. E às vezes esquecemos disso.
O cinema tem esse dom de nos chamar à reflexão, nos levando às vezes para lugares, situações e histórias que nunca pensamos vivenciar. isso nos permite entender melhor o outro e muitas vezes descobrimos que, de alguma forma, também vivemos um pouco daquila história.
O Moviecom Arte de fevereiro traz 4 belíssimos filmes sobre a vida de personagens tão próximos de nós, mesmo que pareçam distantes do nosso cotidiano.

MV5BYWM1MmFjYjktZjcwZi00OGQyLTk0NTYtZTJhZGM0MjUzOWYwXkEyXkFqcGdeQXVyMTA2ODMzMDU___V1_SY1000_CR02C02C14602C1000_AL_

Dias 03 e 04 de fevereiro – 11horas – dia 06 – 14horas
120 BATIMENTOS POR MINUTO
O cinema ativista às vezes pode ser bem chato, principalmente quando se torna um discurso militante e esquece de ser um filme. Não é o caso de “120 Batimentos Por Minuto”, de Robin Campillo, que aborda diversas questões contemporâneas a partir do cotidiano dos membros de um grupo que, nos anos 90, lutava para que o governo francês e a indústria farmaceutica agissem de forma mais efetiva em relação à AIDS.
O diretor Robin Campillo fez parte deste grupo e usa sua própria experiência para abordar questões como a homossexualidade na França e no mundo, as questões políticas que envolvem a indústria farmaceutica, a militância e a cultura gay que inclui as festas de música eletrônica.
O título “120 BPM”, aliás, vem exatamente dos batimentos cardiacos nas pistas de dança mas é uma analogia também à adrenalina necessária para enfrentar as questões abordadas no filme.
Não recomendado para menores de 16 anos

harry-dean-stanton-lucky (1)
Dias 10 e 11 – 11horas – dia 13 – 14horas

LUCKY
Falecido recentemente, Harry Dean Stanton é uma verdadeira lenda do cinema independente. Com personagens memoráveis como no cult “Paris, Texas” e no icônico “Twin Peaks”, esta é a última oportunidade de vê-lo atuando e justamente em um filme que é uma poética homenagem a ele.
O personagem é um velho ateu, aos 90 anos, vivendo seus dias à espera da morte, em uma inóspita e desinteressante cidadezinha no deserto. Embora pareça, não há nada de baixo-astral nisso. “Lucky” é uma exaltação à consicência, ao prazer da independência na última idade.
Falta beleza e há vários momentos de tédio absoluto no filme. Tudo sugere que o estreante diretor John Carroll Lynch se deixou influenciar demais por outros cult movies feitos no deserto mas, como poderiamos imaginar que a vida para um homem de 90 anos em um lugar como esse pudesse ser diferente.
Não recomendado para menores de 16 anos

cor01
Dias 17 e 18 – 11horas – dia 20 – 14horas
CORPO E ALMA
O hungaro “Corpo e Alma”, de Ildikó Enyedi, figura entre os mais belos filmes de 2017. Escolhido como melhor filme no Festival de Berlim, trata-se de uma incrível jornada sobre o amor em uma maravilhosa história contruída através de sonhos.
O filme conta a história de Endre (Géza Morcsányi), um burocrara e portador de uma deficiência no braço, que durante uma sessão com uma psicóloga chamada para auxiliar a empresa que trabalha, descobre que seus sonhos se completam com os mesmos sonhos de uma nova funcionária da empresa chamada Mária (Alexandra Borbély). Assim, se encontrando quase sempre nos sonhos mas sem muita aproximação na vida real, resolvem embarcar nessa história onde buscam a todo instante entender melhor sobre o amor e sobre essa situação totalmente inusitada que é o fato de se ligarem por um sonho.
Impossível falar de “Corpo e Alma” sem citar a lentidão e os longos silêncios essenciais na construção da história, usando a realidade vazia e feia como uma moldura para os momentos de beleza e magia que se dão durante os sonhos.
Não recomendado para menores de 18 anos

photo
Dias 24 e 25 de fevereiro – 11horas – dia 27 – 14horas
LOLA PATER
A vida como ela é, sem retoques, sem caricaturas e sem hipervalorizar as decepções. Lola Pater, do francês Nadir Moknèche, fala sobre escolhas, do medo do inusitado e das descobertas em uma relação, salientando a importância do respeito e da tolerância.
“Lola Pater” conta a história de um encontro entre pai e e filho, após muitos anos de uma separação inexplicada. Zino, um motoqueiro de 27 anos que trabalha em uma Paris, após a morte de sua mãe, resolve sair em busca de seu desconhecido de seu pai Farid, que há anos teria abandonado a família para regressar a seu país de origem, a Argélia.
Nessa busca Zino descobre que Farid nunca voltou ao país natal, não se divorciou de sua mãe (que sempre soube de tudo) e se tornou uma mulher transexual, a professora de dança Lola, (maravilhosamente interpretada por Fanny Ardant).
A reconexão de pai e filho obedece a passagens obrigatórias (rejeição, negação e aceitação), mas é terna. Zino e Lola se reconhecem, com um pouco de dor, sem sobressaltos ou histrionismos, e se aceitam, sem a obrigação de entender o outro.
Não recomendado para menores de 14 anos

_____________________________________________________________________

Moviecom Arte é um projeto da publicitária e produtora Fátima Augusto em parceria com o Moviecom Jundiaí, que há 1o anos traz para a cidade filmes de arte e que não entram no circuito comercial.

Com um horário alternativo dentro da programação do cinema, o Moviecom Arte acontece todos os sábados e domingos às 11 horas e tem ingressos a R$ 10,50 e R$ 5,25.

O Moviecom Jundiaí fica no Maxi Shopping – Av. Antônio Frederico Ozanan, 6000 – Vila Rio Branco, Jundiaí – SP

sobrenatural---destino-de-uma-nação728x90

Extras

O Destino de uma Nação, no Moviecom

Postado porTemperos de Cinema 10 de Janeiro de 2018 0 Comentários

De tempos em tempos grandes personagens da história parecem “ressuscitar”, como que para inspirar com seus pensamentos e atitudes o momento atual. É o caso de Winston Churchill que recentemente teve grande destaque na série “The Crow” interpretado por John Lithgow e uma cinebiografia dirigida por Jonathan Teplitzky.

O-Destino-de-Uma-Nação-trailer
Agora o controverso Primeiro-Ministro britânico é o personagem central de “O Destino de uma Nação”, que estreia amanhã (11/01) no Moviecom Cinemas e é forte candidato ao Oscar 2018 em pelo menos 3 categorias: Melhor Diretor, Filme e Ator.
Com uma carreria militar brilhante, escritor laureado com o Nobel de Literatura, historiador, artista plástico e um dos maiores estadistas de todos os tempos, Winston Churchill (1874-1965) foi duas vezes Primeiro-Ministro do Reino Unido e teve papel decisivo durante a Segunda Guerra Mundial.

DARKEST HOUR
Em um drama espetacular, o filme “O Destino de uma Nação”, dirigido por Joe Wright, de “Orgulho e Preconceito” e “Anna Karenina”, retrata exatamente esse momento da história, quando a força e liderança de Churchill foi decisiva para garantir a segurança e a paz dos ingleses quando as forças nazistas varriam toda a Europa.

O-Destino-de-Uma-Nação-trailer-2
O roteiro é assinado por o Anthony McCarten (de A Teoria de Tudo) e não esconde o dilema de Churchill dividido entre a pressão para firmar um tratado de paz com a Alemanha Nazista e o desejo de lutar pelos ideais de liberdade de sua nação.
Interpretando o grande líder temos o cultuado ator Gary Oldman (ganhador do Globo de Ouro 2018) e no elenco outros grandes nomes como Stephen Dillane, John Hurt, Lily James, Ben Mendelsohn e Kristin Scott Thomas.

O-Destino-de-uma-Nação_29

Outro grande destaque de “O Destino de Uma Nação” é a direção de arte de Sarah Greenwood, que recria com precisão a Londres pré-Elizabethana, em um momento de grandes mudanças mundiais interferindo drasticamente em uma das culturas mais tradicionalistas do mundo.

Confira os horários na programação do Moviecom Maxi Shopping Jundiaí.

1451307.jpg-r_648_960-f_jpg-q_x-xxyxx

sobrenatural---destino-de-uma-nação728x90

CinemaFilmes da semana

Victoria e Abdul no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 7 de dezembro de 2017 0 Comentários


O diretor inglês Stephen Frears fez uma longa carreira na TV inglesa antes de chegar aos cinemas, fato que se deu nos anos 80 quando integrou o grupo de cineastas do novo cinema britânico junto com Derek Jarman e Mike Leigh, entre outros.
Desta época são alguns de seus filmes mais icônicos: “Minha Adorável Lavanderia” (1985), “O Amor Não Tem Sexo” (1987) e “Sammy and Rose Get Laid” (1987). Filmes que o levariam a Hollywood e ao Oscar com o grande sucesso de “Ligações Perigosas” (1988) e “Os Imorais” (1990).
O sucesso no entanto não subiu à cabeça de Frears e ele optou por voltar para o cinema inglês e continuar a trabalhar sem a pressão dos grandes estúdios e manter-se fiel a seu estilo. Sua produção intensa é marcada por obras primas como “A Van” (1996), “Alta Fidelidade” (2000), “Coisas Belas e Sujas” (2003), “A Rainha” (2006) e “Florence: Quem é Essa Mulher?” (2016), que você viu recentemente aqui no Moviecom Arte.

anglo_2000x1125_victoriaandabdul-2
Agora Stephen Frears volta à nossa programação com uma história baseada em fatos reais, que inspiraram o livro escrito por Shrabani Basu, sobre a amizade da Rainha Victoria e e um serviçal indiano e muçulmano de nome Abdul.  Uma amizade apagada dos livros de história após a morte da rainha, como se essa relação pudesse manchar a imagem da soberana.  
“Victoria e Abdul, O Confidente da Rainha” nos revela o que a verdadeira amizade supera barreiras políticas, culturais, raciais e sociais. E também as polêmicas, é claro.

p05f6f9p
Frears adora uma trama de época e sabe como poucos dosar elementos para obter resultados suaves e ao mesmo tempo contundentes, sempre com muita classe. Em “Victoria e Abdul…” ele consegue fazer o público chorar e rir ao mesmo tempo. Ao invés de transformar a obra em um filme panfletário, Frears limita-se a contar a história e nos mostra como qualquer discussão política sobre o assunto é infinitamente menor que o valor da verdadeira amizade.

Victoria and Abdul Judi Dench (left) as Queen Victoria and Ali Fazal (right) as Abdul Karim


Interpretando a Rainha Victória temos a grande dama do cinema britânico, Judi Dench, simplesmente soberana aos 82 anos. Esta não é a primeira vez que a diva trabalha com Frears, ela estrelou “Sra. Henderson Apresenta” (2005). E também não é a primeira vez que ela é escolhida para ser a Rainha Victória em suas relações com serviçais, ela já o fez em “Sua Majestade, Mrs. Brown” 91998), de John Madden, que fala sobre a amizade da rainha com o mais fiel serviçal do finado príncipe Albert.

victoria-and-abdul-judi-dench-sitting-room
“Victoria e Abdul, O Confidente da Rainha”, é o filme da semana no Moviecom Arte, com exibição nos dias 09 e 10 de dezembro às 11 horas e no dia 12 de dezembro às 14 horas.

victoria-abdul-poster
Ficha Técnica:
Título: Victoria e Abdul, O Confidente da Rainha
Tílulo Original: Victoria and Abdul
Gênero: Drama
Origem: Reino Unido
Direção: Stephen Frears
Distribuidor: Universal Pictures
Ano: 2017
Elenco: Judi Dench, Ali Fazal, Michael Gambon, Olivia Williams, Eddie Izzard, Adeel Akhtar

star-wars-extraordinário728x90f

CinemaFilmes da semana

As Faces de Uma Mulher no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 13 de junho de 2017 0 Comentários

O título em português do novo drama do diretor Arnaud des Pallières entrega o que a trama revelaria aos poucos. “Faces de Uma Mulher” conta 4 histórias de mulheres em idades diferentes, sendo que todas elas são, na verdade, uma única pessoa.
Sem uma sequência cronológica, o filme ressalta múltiplos aspectos da condição feminina, tais como a exploração, submissão, abandono e abusos. A trama fica ainda mais intrigante com as repetições de figuras masculinas estabelecendo um link entre as diferentes histórias.

20170522-orpheline-papo-de-cinema-2-600x338
Assim como tantas outras mulheres, a personagem principal é uma mulher que conviveu desde sempre com a violência e os traumas que marcaram seu passado ou suas outras vidas, cada uma delas interpretadas por atrizes diferentes, o que deixa claro que as histórias poderiam acontecer com qualquer mulher.
Faces de uma Mulher extrapola os limites que a imagem pode impor aos fatos, de modo que a essência jamais poderia se limitar a um único rosto ou a complexidade e dissonâncias dentro de uma única pessoa.

faces-de-uma-mulher-crítica-2
Ficha Técnica
Título: Faces de Uma Mulher
Título Original: Orphelinne
País de Origem: França
Ano: 2016
Gênero: Drama
Direção: Arnaud des Pallières
Roteiro: Christelle Berthevas, Arnaud des Pallières
Elenco: Adèle Haenel, Adèle Exarchopoulos, Solène Rigot, Vega Cuzytek, Jalil Lespert, Gemma Arterton, Nicolas Duvauchelle, Sergi López, Karim Leklou, Robert Hunger-Bühler, Edéa Darcque, Laurent Delbecque, Rayan Rabia, Emilie Gavois-Kahn, Alexis Manenti, Maximilien Seweryn, Rami Kabteni
Distribuição: Mares Filmes.

Faces_de_uma_mulher_filme_em_cartaz

Cinema

Outubro: Mês dos Grandes Diretores no Moviecom ARTE

Postado porTemperos de Cinema 26 de setembro de 2016 0 Comentários

Dispensando qualquer tipo de apresentação, Woody Allen abre a Programação de Outubro do Moviecom ARTE com a sua mais recente obra prima, “Café Society”, que estreou em Cannes como atração da abertura do festival.
Esta mais recente obra prima de Woody Allen é uma comédia deliciosa e elegante, que resgata o glamour dos anos 30, tem um elenco recheado de estrelas e até figurinos desenhados pela própria Coco Chanel.

cafe-society-jesse-eisenberg-kristen-stewart

SINOPSE E DETALHES

Anos 1930. Bobby (Jesse Eisenberg) é um jovem aspirante a escritor, que resolve se mudar de Nova York para Los Angeles. Lá ele deseja ingressar na indústria cinematográfica com a ajuda de seu tio Phil (Steve Carell), um produtor que conhece a elite da sétima arte. Após um bom período de espera, Bobby consegue o emprego de entregador de mensagens dentro da empresa de Phil. Enquanto aguarda uma oportunidade melhor, ele se envolve com Vonnie (Kristen Stewart), a secretária particular de seu tio. Só que ela, por mais que goste de Bobby, mantém um relacionamento secreto.

Filme: Café Society, de Woody Allen

Dias 01 e 02 de Outubro – Às 11 horas

Não recomendado para menores de 12 anos

cafe_society_posterint
Na sequência, teremos um clássico moderno do cinema latino-americano, “A Passageira”. Baseado no livro homônimo de Alonso Cueto, este filme dirigido por Salvador del Solar fez parte da seleção da 39ª Mostra Internacional de Cinema, no ano passado, e estreou no circuito de arte de São Paulo e Rio em 22 de setembro último.

a-passageira

SINOPSE E DETALHES

A vida monótona de Magallanes é virada de cabeça para baixo no dia em que embarca em seu táxi Celina, uma mulher que ele conheceu nos violentos anos em que foi um soldado do Exército peruano e lutou contra o Sendero Luminoso. Este reencontro inesperado com o passado sombrio que os une, depois de 25 anos, fará o homem se jogar em um plano arriscado para tentar ajudar Celina a arrecadar dinheiro e talvez assim encontrar uma forma de se redimir pelo seu passado. Estreia na direção do ator Salvador del Solar.

Filme: A Passageira, de Salvador del Solar

Dias 08 e 09 de Outubro – Às 11 horas

Classificação Indicativa: 14 anos.

a-passageira_final4
“Lembranças de Um Amor Eterno” é o terceiro filme de outubro e traz o aclamado diretor italiano Giuseppe Tornatore (Cinema Paradiso, Malena e Sempre Aos Domingos, entre outros), com um romance dramático e de suspense, que mostra um casal super apaixonado, vivido Jeremy Irons e Olga Kurylenko, mas que se relaciona apenas virtualmente.

lembrancas-de-um-amor-eterno

SINOPSE E DETALHES

A estudante universitária Amy (Olga Kurylenko) leva uma vida de excessos. Trabalhando como dublê, ela faz acrobacias cheias de suspense e perigo, durante cenas de ação. A jovem passa seu tempo livre trocando mensagens com seu namorado, o professor de astrofísica Edward (Jeremy Irons), pelo computador. Após ele negar se encontrar com Amy, ela irá escobrir um triste segredo de seu amado.

Filme: Lembranças de Um Amor Eterno, de Giuseppe Tornatore

Dias 15 e 16 de outubro – Às 11 horas

Não recomendado para menores de 12 anos

168113
Nos dias 22 e 23 de  outubro teremos “Belas Famílias”, o mais recente filme de Jean-Paul Rappeneau, o diretor do inesquecível “Cyrano de Bergerac”. Com elenco de grandes nomes e belíssima fotografia, “Belas Famílias” é uma comédia dramática com roteiro assinado pelo próprio diretor.

belas-familias05-770x494

SINOPSE E DETALHES

Há mais de dez anos, Jérôme Varenne (Mathieu Amalric) deixou a França para viver na China. Quando uma viagem de negócios ao lado de sua noiva (Gemma Chan) impõe uma passagem pela Europa, ele aproveita para visitar a mãe (Nicole Garcia) e o irmão (Guillaume de Tonquédec) em Paris. Logo descobre que a casa de sua infância é objeto de uma grande disputa, já que a segunda esposa de seu pai (Karin Viard) alega que ele teria deixado o local para ela. Jérôme volta à cidadezinha na esperança de resolver o caso, mas ao chegar conhece Louise (Marine Vacth), a filha de sua “rival”, e por ela se apaixona.

Filme: Belas Famílias, de Jean-Paul Rappenau]

Dias 22 e 23 de outubro – Às 11 horas

Não recomendado para menores de 12 anos

belas-familias

Já aclamado como um dos melhores filmes do ano, “A Comunidade”, do badalado diretor dinamarquês  Thomas Vinterberg, fecha em grande estilo a programação de outubro do Moviecom Arte. Este filme é uma viagem aos anos 70, em clima de paz e amor,  liberação política e afetiva, tudo ao som de Elton John. O filme foi um dos grandes destaques do Festival de Berlim e acabou de estrear no circuito de arte de São Paulo.

the-commune-07

SINOPSE E DETALHES

Na década de 1970, Erik (Ulrich Thomsen) e Anna (Trine Dyrholm) são um casal de acadêmicos cheio de sonhos. Junto com a filha, Freja, eles montam uma comuna em um elegante bairro de Copenhague para dividir a casa e viver em conjunto com outras pessoas. Querendo estar no centro da história e realizar o sonho de viver em grupo, eles realizam jantares, reuniões e festas. Levados pelo mesmo sonho, um caso de amor abala a pequena comunidade, fazendo com que esse grupo de sonhadores e idealistas acordem para a realidade.

Filme: A Comunidade, de  Thomas Vinterberg

Dias 29 e 30 de outubro – Às 11 horas

Não recomendado para menores de 14 anos

049139

 

O Moviecom Arte é um projeto da publicitária e produtora Fátima Augusto em parceria com o Moviecom Jundiaí, que há 1o anos traz para a cidade filmes de arte e que não entram no circuito comercial.

Com um horário alternativo dentro da programação do cinema, o Moviecom Arte acontece todos os sábados e domingos às 11 horas e tem ingressos a R$ 10,50 e R$ 5,25.

O Moviecom Jundiaí fica no Maxi Shopping – Av. Antônio Frederico Ozanan, 6000 – Vila Rio Branco, Jundiaí – SP

Extras

“AQUARIUS”, Traz Sônia Braga Em Grande Performance

Postado porTemperos de Cinema 20 de setembro de 2016 0 Comentários

Aquarius, segundo longa-metragem de ficção de Kleber Mendonça Filho (O Som ao Redor), entra em cartaz no Moviecom na próxima quinta. O filme teve sua estreia mundial na França, como parte da seleção oficial competitiva do festival de Cannes e ganhou recentemente o prêmio de melhor filme no Festival de Cinema de Sydney, na Austrália.

thumb
“Aquarius” conta a história de Clara (Sonia Braga), uma escritora e jornalista aposentada, moradora do edifício Aquarius, último de estilo antigo na beira mar do bairro de Boa Viagem, no Recife. Dona de um apartamento repleto de discos e livros, o último ocupado em todo o prédio, ela resiste às investidas de uma construtora que pretende demolir o prédio para a construção de um novo empreendimento.

543652-970x600-1
No elenco temos ainda: Maeve Jinkings (O Som ao Redor), Irandhir Santos (O Som ao Redor), Humberto Carrão, Zoraide Coleto, Carla Ribas (A Casa de Alice), Paula de Renor, Fernando Teixeira (Baixio das Bestas), Barbara Colen, Daniel Porpino, Julia Bernat (Aspirantes) e Pedro Queiroz, entre outros.
Com quase 2 e meia de duração, Aquarius é um filme marcante, com excelente técnica de filmagem e que, segundo a crítica, põe novamente Sônia Braga no lugar que lhe pertence: o centro dos holofotes.


O diretor e roteirista recifense Kleber Mendonça Filho começou sua carreira como crítico de cinema e responsável da área na Fundação Joaquim Nabuco.
Como realizador, iniciou com a produção de documentários e clipes em vídeo nos anos 90, passando para o digital e o 35mm na década de 2000. Sua filmografia em curta metragem é a mais premiada do Brasil, com cerca de 120 prêmios para os filmes como A Menina do Algodão (co-dirigido por Daniel Bandeira, 2003), Vinil Verde (2004), Eletrodoméstica (2005), Noite de Sexta Manhã de Sábado (2006), Crítico (2008) e Recife Frio (2009). Seu último curta metragem é A Copa do Mundo no Recife (2015), feito sob encomenda para a casa de Cinema de Porto Alegre e o canal Sport TV.
Sua primeira experiência no longa metragem é o documentário Crítico (2008), realizado ao longo de nove anos. O Som ao Redor (2012) foi seu primeiro longa-metragem de ficção, exibido em mais de 100 festivais internacionais, lançado comercialmente em 14 países, o filme foi o representante brasileiro no Oscar 2014 e considerado “Um dos 10 Melhores Filmes do ano” pelo jornal The New York Times. O Som ao Redor foi visto por 100 mil espectadores no seu lançamento nos cinemas brasileiros.

610474-970x600-1
FICHA TÉCNICA

Título: Aquarius
Roteiro e Direção: Kleber Mendonça Filho
Elenco: Sonia Braga, Maeve Jinkings, Irandhir Santos, Humberto Carrão, Zoraide Coleto, Carla Ribas, Paula de Renor, Fernando Teixeira, Barbara Colen, Daniel Porpino, Julia Bernat e Pedro Queiroz.
País: Brasil e França
Ano: 2016
Direção de Fotografia: Pedro Sotero e Fabrício Tadeu
Montagem: Eduardo Serrano
Direção de Arte: Juliano Dornelles e Thales Junqueira
Figurino: Rita Azevedo
Caracterização: Tayce Vale
Som: Ricardo Cutz e Nicolas Hallet
Produção: Saïd Ben Said e Michel Merkt (SBS, França)
Coprodução: Walter Salles (VideoFilmes) e Globo Filmes
Produtor Associado: Carlos Diegues
Produção Executiva: Dora Amorim
Distribuição no Brasil: Vitrine Filmes

aquarius_mog

 

Extras

Moviecom Arte Especial: Era Uma Vez Em Tóquio

Postado porTemperos de Cinema 16 de setembro de 2016 0 Comentários

Neste sábado, 17 de setembro às 11 horas, tem sessão especial do Moviecom Arte fechando a programação do Festival de Cultura Japonesa do Maxi Shopping Jundiaí.
O filme que será exibido é o drama “Era uma vez em Tóquio”, de 1953, considerado um dos 50 melhores filmes de todos os tempos pelo British Film Institute.


Dirigido por Yasujiro Ozu, “Era uma vez em Tóquio” conta a história de um casal de idosos que viaja a Tóquio, para visitar os filhos. Porém, todos são muito atarefados e não tem tempo para dar-lhes atenção. Apenas a nora se preocupa com eles. Quando a mãe fica doente, os filhos saem correndo para vê-la e complexos sentimentos são revelados.

eraumavezemtoquio film-voyage toquio
O Festival de Cultura Japonesa é um evento já tradicional dentro do calendário do Maxi Shopping Jundiaí. Este é o 8º ano do Festival e desde o dia 02 de setembro já atraiu milhares de visitantes fascinados pela beleza, exotismo e mistérios da Terra do Sol Nascente. O Festival termina no domingo, dia 18.

jp4 jp3

O Maxi Shopping Jundiaí fica na Av. Antônio Frederico Ozanam, nº 6000, Vila Rio Branco – Fone: 4523-3333 – www.maxishopping.com.br

CinemaFilmes da semana

Moviecom Arte Apresenta Rock em Cabul

Postado porTemperos de Cinema 25 de julho de 2016 0 Comentários

Politicamente incorreta, essa comédia que estreou no Brasil em junho, é o mais inspirado trabalho de direção de Barry Levinson desde Mera Coincidência (1997), seu último sucesso.

No papel principal, Bill Murray tem um desempenho brilhante, indo muito além de piadas e trapalhadas, como não viamos desde Recrutas da Pesada (1980). Ele garante as risadas da primeira à última cena, mas também dosa bem os elementos de melodrama nas passagens que evidenciam o congraçamento e ao estranhamento cultural.

O filme, é claro, caiu na mira dos patrulheiros politicamente corretos por  desafiar as tradições do Afeganistão e fim de construir uma narrativa hollywoodiana e debochada de redenção. Não foi muito bem recebido pelo público norte americano mas agradou a crítica.

1401x788-Rock-Kasbah

No fundo, é sobre alteridade que se fala em Rock em Cabul, ou seja, a estranheza que duas culturas distintas produzem quando aproximadas, sobretudo se a aproximação for forçada e mediada pela arte – no caso, a música. Gaiato como sempre, Murray é Richie Vance, um caça-talentos musicais, dono de uma fama que parece ter sido forjada por ele mesmo, em busca de uma chance de se reinventar no mercado apostando num show no Afeganistão.

02RockemCabul

A “estrela” do show (Zooey Deschanel) acaba amarelando na hora de cantar por lá, deixando-o sem sua matéria-prima de trabalho, sem dinheiro e sem passaporte, na mira de um mercenário sem causa e sem honra, Bombay Brian (Bruce Willis). Mas sua sorte ameaça mudar quando ele encontra uma jovem afegã isolada nas montanhas, Salima (Leem Lubany), cuja garganta de ouro pode levá-la a ser a vencedora de uma espécie de Ídolos afegão. Contudo existem as tradições e o preconceito contra as mulheres, o que pode atrapalhar a jornada da jovem e a volta por cima de Vance, que acaba se metendo numa guerra tribal.

20160531-rock-em-cabul-papo-de-cinema-08

Rock em Cabul será exibido no Moviecom Arte, dias 30 e 31 de julho, às 11h00, no Moviecom Cinemas do Maxi Shopping Jundiaí.

Ficha Técnica

Título: Rock em Cabul

Título Original: Rock in Kasbah

Gênero: Comédia Musical

Direção: Barry Levinson

Roteiro: Mitch Glazer

Elenco: Arian Moayed, Bill Murray, Bruce Willis, Danny McBride, Fahim Fazli, Kate Hudson, Leem Lubany, Sameer Ali Khan, Scott Caan, Zooey Deschanel

País de origem: Estados Unidos

547326.jpg-r_1280_720-f_jpg-q_x-xxyxx

CinemaFilmes da semana

Nós Ou Nada Em Paris

Postado porTemperos de Cinema 19 de julho de 2016 0 Comentários

O Moviecom Arte apresenta nos dias 23 e 24 de julho o primeiro longa de Kheiron, um comediante de stand-up, rapper e ator francês de origem iraniana. Em “Nós Ou Nada Em Paris”, ele dirige, roteiriza e é ator principal de uma comédia dramática que aborda com suavidade temas pesados como a militância política no Iran das décadas de 70/80 e a realidade dos exilados nos subúrbios de Paris.

cena-do-filme-nos-ou-nada-em-paris-1466544064348_956x500

Apesar da temática política, “Nós Ou Nada Em Paris” é um filme sobre a família e sobrevivência, um relato pessoal que faz uma caricatura da realidade dura provavelmente como uma forma de enfrentá-la.

paris05

Os pais do personagem principal são ativistas contra o regime de Reza Pahlevi e do aiatolá Khomeini, durante os anos 70/80, exilados na França a família vai viver no violento e multiétnico subúrbio parisiense de Stains, distante em todos os sentidos da glamurosa e romântica Paris dos cartões postais. Lá se tornaram líderes comunitários.

423601
A aposta de Kheiron foi contar essa história de um modo leve dá uma feição particular à narrativa e gera uma empatia singular com os protagonistas. O filme dividiu a crítica mas faturou um Cesar.

572283.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx_0 nosounada.superbanner

Assista o trailer e reserve já o seu ingresso para o Moviecom Arte.

Ficha Técnica

Título: “Nós Ou Nada Em Paris”

Título Original: “Nous Trois Ou Rien”

Gênero: Comédia Dramática

Direção: Kheiron

Roteiro: Kheiron

Elenco: Adama Bathily, Alexandre Astier, Arsène Mosca, Azize Kabouche, Camélia Jordana, Carole Franck, Eriq Ebouaney, Farida Ouchani, Gérard Darmon, Jonathan Cohen, Kheiron, Khereddine Ennasri, Kyan Khojandi, Leïla Bekhti, Margot Bancilhon, Maryama Soumare, Michel Vuillermoz, Mourad Boudaoud, Sébastien Pouderoux, Soufiane Guerrab, Zabou Breitman

País de Origem: França

Quando: 23 e 24 de julho às 11h00

Onde: Moviecom Arte, Moviecom Cinemas do Maxi Shopping Jundiaí – Avenida Antonio Frederico Ozanam, 6.000, Vila Rio Branco

a23a0ae51427faf30f15028f2734ffcd_XL