Tag

moviecom cinemas

Moviecomarte

De Quem É O Sutiã, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 12 de março de 2020 0 Comentários

Nurlan é um maquinista de trem que vive sua rotina pacata numa aldeia. Diariamente, ele conduz o gigante de ferro pelo subúrbio da cidade, passando rente às casas, ocupando momentaneamente um espaço utilizado cotidianamente pelos moradores como extensões de suas residências, com direito à disposição de mesas, varais e afins.

Prestes a se aposentar, especificamente no seu último dia de labuta, ele nota que um delicado sutiã azul ficou preso no maquinário do trem. Então, parte numa busca pela dona da peça e, talvez, de quebra, pela conquista de um grande amor.
O espectador que chegar desavisado a uma sessão da comédia De Quem É O Sutiã deve se deparar com algumas surpresas.

Primeiro, após alguns sorrisos e rostos carrancudos, percebe-se que os personagens não falam – o diretor Veit Helmer aposta num raro humor de gestos e gags, sem uma única linha de diálogo. Por isso, os atores se tornam mais expressivos, com olhos arregalados e gestos amplos, alguns graus acima do realismo.

Segundo, a trama se passa numa cidadezinha onde o trem passa a pouco metros das casas. Como os trilhos servem de quintal e de rua aos moradores, eles precisam abandonar várias vezes ao dia as partidas de xadrez e tirar as roupas do varal para permitir a passagem do veículo gigantesco. Com qual intuito exatamente se desloca este trem sem cargas nem passageiros, não se sabe. Estamos no terreno da fábula lúdica, que dispensa explicações verossímeis.

O Moviecom Arte exibe De Quem É O Sutiã nos dias 14 e 15 de março às 11 horas e no dia 17 às 14 horas.

Trailer:

Ficha Técnica
Título: De quem é o sutiã?
Título Original: The Bra
País de Origem: Alemanha
Ano de produção: 2018
Gênero: Comédia
Duração: 90 min
Direção: Veit Helmer
Elenco: Miki Manojlovic, Paz Vega, Chulpan Khamatova
Distribuição: Pandora Filmes

Moviecomarte

Programação de Março no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 6 de março de 2020 0 Comentários

DIAS 07, 08 , 10
MEU NOME É SARA


Sara Góralnik é uma polonesa, judia, cuja família foi morta por nazistas quanto ela tinha apenas 13 anos. Depois de fugir para a Ucrânia, usando a identidade roubada de uma amiga, ela é acolhida por um casal de fazendeiros em uma pequena vila. Até aí, tudo parece correr bem, mas ela descobre que seus novos amigos possuem seus próprios segredos sombrios.
Com uma trama instigante, Meu Nome É Sara, do diretor Steven Oritt, é um drama baseado em fatos reais, feito para emocionar e com boas doses de suspense e controvérsias.
O grande destaque do filme é a atuação de Zuzanna Surowy (seu primeiro trabalho como atriz em um longa-metragem), impecável e com bastante intensidade, fruto da uma boa direção de Oritt, que conduz bem seus personagens.
O casal, vivido por Eryk Lubos e Michalina Olszanska, também atinge um nível excelente de interpretação. O estranho e quase existente triângulo amoroso entre eles se torna a chama que mantém a história viva por mais tempo e o elenco possui uma ótima química em cena.
Além das boas atuações, a direção de arte, sempre complicada em um filme de época, cumpre a função de imergir o espectador na ambientação da trama.
Meu Nome É Sara abre a programação de Março do Moviecom Arte e será exibido nos dias 07 e 08 às 11 horas, e no dia 10 às 14 horas.

Trailer:

DIAS 14, 15 E 17
DE QUEM É O SUTIÃ


Nurlan é um maquinista de trem que vive sua rotina pacata numa aldeia. Diariamente, ele conduz o gigante de ferro pelo subúrbio da cidade, passando rente às casas, ocupando momentaneamente um espaço utilizado cotidianamente pelos moradores como extensões de suas residências, com direito à disposição de mesas, varais e afins. Prestes a se aposentar, especificamente no seu último dia de labuta, ele nota que um delicado sutiã azul ficou preso no maquinário do trem. Então, parte numa busca pela dona da peça e, talvez, de quebra, pela conquista de um grande amor.
O espectador que chegar desavisado a uma sessão da comédia De Quem É O Sutiã deve se deparar com algumas surpresas. Primeiro, após alguns sorrisos e rostos carrancudos, percebe-se que os personagens não falam – o diretor Veit Helmer aposta num raro humor de gestos e gags, sem uma única linha de diálogo. Por isso, os atores se tornam mais expressivos, com olhos arregalados e gestos amplos, alguns graus acima do realismo. Segundo, a trama se passa numa cidadezinha onde o trem passa a pouco metros das casas. Como os trilhos servem de quintal e de rua aos moradores, eles precisam abandonar várias vezes ao dia as partidas de xadrez e tirar as roupas do varal para permitir a passagem do veículo gigantesco. Com qual intuito exatamente se desloca este trem sem cargas nem passageiros, não se sabe. Estamos no terreno da fábula lúdica, que dispensa explicações verossímeis.

O Moviecom Arte exibe De Quem É O Sutiã nos dias 14 e 15 de março às 11 horas e no dia 17 às 14 horas.

Trailer:

 

DIAS 21, 22 e 24
FRANKIE


Frankie, o novo filme de Ira Sachs indicado à Palma de Ouro no Festival de Cannes, nos apresenta Isabelle Huppert como uma famosa atriz francesa que descobre ter apenas alguns meses de vida. Para construir memórias afetivas ela convida a família e alguns amigos a passar uma temporada na cidade portuguesa de Sintra.
O longa acompanha um dia na vida da artista. Mesmo assim é tempo suficiente para conhece-la. Frankie é a estrela de seu sistema solar. Ela gosta de ter a família rodando ao seu redor para que possa determinar o que acontece com cada um deles. Seja por isso, seja pelo câncer da matriarca, as relações entre os personagens são difíceis e um tanto estremecidas.
Ainda que o objetivo da viagem seja criar memórias felizes, Frankie não é muito bem-sucedida no projeto. O estágio terminal da doença faz com que ela não tenha tempo para sutilezas. Essa reunião é sua última oportunidade para dar as diretrizes finais de como cada um deve continuar vivendo após sua morte. Tal necessidade de controle transparece nos tons azuis que a circundam no figurino e no cenário.
Todo filmado em longos planos, o título resume-se a pessoas conhecidas encontrando-se aleatoriamente e conversando em lugares bonitos. Tal recurso, aliado ao fato das pessoas caminharem sem rumo certo, transforma a narrativa em pequenas esquetes reunidas sem um propósito claro.
Com cenas faladas em inglês, francês e português, a produção possui certo caráter internacional. Essa salada cultural rende alguns momentos cômicos, bem aproveitados pela montagem. Curiosamente, na única cena em que todos os personagens se encontram não há diálogos. A essa altura, a narrativa já transmitiu todas as suas mensagens ao público, que então se admira com o belo cenário da locação e o impacto das palavras não ditas.
Frankie será exibido no Moviecom Arte nos dias 21 e 22 de março às 11 horas e no dia 24 às 14 horas.

Trailer:

 

DIAS 28, 29, E 31
CICATRIZES


Ana convive com o trauma de ter perdido o filho recém-nascido, vinte anos atrás. Apesar de o marido e a filha mais velha terem aceitado os fatos, ela preserva a esperança de que a criança não tenha morrido de fato, mas tenha sido entregue ilegalmente a outra família. Enfrentando a polícia, os amigos e familiares, ela continua buscando indícios de que sua versão da história está correta.
Cicatrizes é um filme ditado pela espera. A primeira imagem apresenta um muro vazio, durante longos segundos, sem qualquer personagem ou ruído – ou seja, a espera inicial é aquela fornecida ao espectador. Em seguida, Ana (Snezana Bogdanovic) aguarda pacientemente a chegada de um carro, e observa uma mulher à distância, em silêncio. Quando é abordada pela polícia e colocada durante horas numa sala vazia, Ana não reclama: “Estou acostumada a esperar”. A filha se indaga sobre os motivos de ver a mãe sempre perto da janela, e expressa sua preocupação: “Você está sempre esperando alguma coisa”.
O roteiro demora a explicar ao espectador o que exatamente ocupa os dias desta mulher. Sabemos que ela guarda um segredo, percebemos a existência de um tabu em família, no entanto o diretor Miroslav Terzic prefere entregar informações a conta-gotas. Entendemos a relação com uma criança, percebemos que o hospital desempenhou uma participação importante no trauma. Seria uma criança perdida? Morta? Em que circunstâncias? Por que Ana não aceita o que aconteceu quase duas décadas atrás? Ao deixar diversas lacunas em aberto, o projeto permite que o espectador projete seus próprios medos, conecte com histórias mais próximas de sua vivência. Afinal, o dilema deste núcleo sérvio poderia ser compreendido em qualquer cultura – como não se identificar com a perda de um filho, independentemente das circunstâncias?
O filme Cicatrizes traz história de um bebê desaparecido na Sérvia sem seguir a linha filme-denúncia O longa do diretor Miroslav Terzié tem quase o formato de thriller, leva o mistério e a dúvida até a última cena.
O Moviecom Arte exibirá Cicatrizes nos dias 28 e 29 às 11 horas e no dia 31 às 14 horas, fechando a nossa programação de Março.

Trailer:

Moviecomarte

Os Miseráveis, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 13 de fevereiro de 2020 0 Comentários

Do clássico de Victor Hugo, o estreante diretor Ladj Ly pegou o título, a ambientação nos suburbios de Paris, a desigualdade social, a miséria decorrente e o conflito na relação com o Estado, seja pela ação arbitrária da policia ou pela atitude dos revolucionários exigindo justiça.


Mas Os Miseráveis de Ly é um filme contemporâneo, mostrando os problemas sociais que a França enfrenta. O roteiro assinado por Ladj Ly, Alexis Manenti e Giordano Gederlini nos insere em uma caótica espiral, com uma história cheia de viravoltas e obstinada em apresentar temas variados.


Um dos grandes méritos do filme é modo como explora a complexidade étnica da França atual: negros, mestiços, árabes e brancos se combinam num registro que, pela própria seleção do elenco do filme, já denota uma urgência de pontos de vista conflitantes.
No centro da trama está um trio de policiais, um deles em seu primeiro dia de trabalho, transitando pelo suburbio e desencadeando uma série de acontecimentos que se transformam em uma iminente tragédia.
Dividindo com o brasileiro Bacurau o Prêmio do Juri no Festival de Cannes, Os Miseráveis traz a urgência da discução que a luta de classes ainda suscita em pleno século XXI e é um dos filmes que concorreram ao Oscar 2020 de Melhor Filme Internacional.


Você não pode perder! Os Miseráveis de Ladj Ly será exibido no Moviecom Arte nos dias 14 e 15 às 11 horas e no dia 17 de fevereiro às 14 horas.

Trailer:

Ficha Técnica
Título: Os miseráveis
Título Original: Les misérables
Direção: Ladj Ly
Roteiro: Alexis Manenti, Giordano Gederlini, Ladj Ly
Elenco: Abdelkader Hoggui, Al-Hassan Ly, Alexis Manenti, Almamy Kanouté, Damien Bonnard, Diego Lopez, Djibril Zonga, Issa Perica, Jaihson Lopez, Jeanne Balibar, Lucas Omiri, Luciano Lopez, Nizar Ben Fatma, Omar Soumare, Raymond Lopez, Rocco Lopez, Sana Joachaim, Steve Cauret, Steve Tientcheu, Zordon Cauret
Ano de produção: 2029
Gênero: Drama
Origem: França
Distribuidora: Diamond Filmes

Moviecomarte

Judy: Muito Além do Arco-Íris, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 7 de fevereiro de 2020 0 Comentários

O filme que deu a Renée Zellweger o Oscar de Melhor Atriz na premiação de 2020 da Academia.

Focada nos últimos anos de vida de uma das mais icônicas estrelas de Hollywood, Judy: Muito Além do Arco-Íris é uma cinebiografia muito mais emocional do que factual.


Renée Zellweger interpreta Judy Garland e essa foi uma das grandes sacadas do diretor Rupert Goold. Assim como Judy, Renée também sabe o peso da pressão pública sobre a própria imagem de uma estrela.
Não deu outra, Renée foi agraciada recentemente com o Globo de Ouro de Melhor Atriz por seu trabalho em Judy: Muito Além do Arco-Íris e é a grande favorita para o Oscar 2020.


O roteiro assinado por Peter Quilter e Tom Edge nos mostra a turnê de Judy Garland pelo Reino Unido em 1968, quando ela já era uma estrela em decadência.


Considerada um investimento de risco pelos grandes estúdios, Garland tinha esperança de reerguer sua carreira nos palcos de Londres, deixando tudo para trás, inclusive seus filhos.


As canções do filme falam muito mais sobre a diva do que o próprio texto. E elas ganham uma versão cativante na interpretação de Renéé, principalmente em Somewhere Over the Rainbow.


Com baixo orçamento este filme é uma das gandes surpresas da temporada e você poderá conferir nas exibições do Moviecom Arte nos dias 08 e 09 de fevereiro às 11 horas e no dia 11 às 14 horas.

Trailer:

Ficha Técnica
Título Original: Judy
Data de Estréia: 30/01/20
País: Reino Unido
Gênero: Drama
Ano de produção: 2019
Direção: Rupert Goold
Roteiro: Peter Quilter, Tom Edge
Elenco: Adrian Lukis, Andy Nyman, Bella Ramsey, Bentley Kalu, Darci Shaw, Fenella Woolgar, Finn Wittrock, Gaia Weiss, Gemma-Leah Devereux, Jessie Buckley, Jodie McNee, John Dagleish, Lewin Lloyd, Lucy Russell, Michael Gambon, Phil Dunster, Philippe Spall, Renée Zellweger, Richard Cordery, Royce Pierreson, Rufus Sewell
Fotografia: Ole Bratt Birkeland
Trilha Sonora: Gabriel Yared
Distribuidora: Paris Filmes

Moviecomarte

Representando o Brasil no Oscar 2020

Postado porTemperos de Cinema 3 de janeiro de 2020 0 Comentários

Conhecido pelo cultuado e premiado filme “Madame Satã”, de 2002, o diretor e roteirista brasileiro Karim Aïnouz retoma a cena carioca da década de 1920 em “A Vida Invisível”, que fala de amor familiar, questões de gênero, opressão e resistência através do afeto.


Cotado para representar o Brasil no Oscar 2.020, “A Vida Invisível” é uma adaptação do livro A vida Invisível de Eurídice Gusmão, de Martha Batalha (Companhia das Letras).


Estrelado pelas atrizes Carol Duarte, Julia Stockler e Fernanda Montenegro, conta a trajetória e o amor de duas irmãs, Eurídice (vivida por Duarte, na juventude, e por Montenegro, na velhice) e Guida Gusmão (Stockler), filhas de uma família imigrante portuguesa patriarcal e conservadora que se separam depois que Guida foge para viver um amor (frustrado), retorna grávida para casa e é expulsa pelo pai.


A partir desse trauma, ambas passarão a vida se buscando, sempre tão longe e tão perto. Enquanto Guida se reconstrói como mãe solo e pobre, operária, que encontra apoio e afeto na amiga Filomena (vivida por Bárbara Santos), Eurídice tenta conciliar o sonho de ser uma grande pianista com a vida de uma mulher casada dos anos 1950.


Em “A Vida Invisível”, o lugar social e tradicional da família é posto em xeque a todo momento. Se, por um lado, está o amor incondicional entre duas irmãs, por outro está a rejeição paterna, as relações de poder e força física e a imposição de vontades. Isso fica claro, por exemplo, nas cenas de sexo da obra, que são sempre incômodas, por vezes cômicas, mas que também denunciam abusos.


Estruturalmente denso e cromaticamente arrojado, este filme já rendeu ao diretor o importante prêmio Um Certo Olhar, no Festival de Cannes 2019. E você poderá vê-lo nos dias 04 e 05 de Janeiro, às 11 horas, no Moviecom Arte.

Ficha Técnica
Título Original: A Vida Invisível
Ano de Produção: 2019
Gênero: Drama Romance
Duração: 139 min
Estreia no Brasil: 31 de Outubro de 2019
Classificação indicativa
País de Origem: Brasil
Direção: Karim Aïnouz
Roteirp: Murilo HauserInés Bortagaray e Karim Aïnouz
Elenco: Fernanda MontenegroCarol DuarteJulia StocklerGregório DuvivierMaria ManoellaCristina PereiraFlavio BauraquiAntónio FonsecaMarcio VitoGillray Coutinho
Distribuição: Sony, Pola Pandora, Vitrine, RT Features

Moviecomarte

Programação de Setembro no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 31 de agosto de 2018 0 Comentários

Setembro marca a chegada da primavera com dias mais quentes, mais iluminados e mais coloridos e a programação do Moviecom Arte traz as mais finas flores da estação na Sétima Arte. Uma seleção de filmes lançados recentemente feita especialmente para você que é apaixonado por cinema.

DIAS 01, 02 E 04 DE SETEMBRO
Título : O ORGULHO
Direção: Yvan Attal
Este filme rendeu a Neïla Salah o César de Melhor Atriz Revelação por sua interpretação da personagem Camélia Jordana, uma moradora do subúrbio de Paris que quer ser advogada e desde o primeiro dia de aula na universidade entra em confronto com um professor veterano arrogante, preconceituoso e famoso por seus ataques explosivos. Filmado pelos alunos fazendo comentários extremamente grosseiros e racistas, ele é desafiado a preparar Neïla para vencer um concurso acadêmico de retórica em troca de uma segunda chance de seus superiores. As diferenças são muitas, assim como é enorme a quantidade de ensinamentos que um pode oferecer ao outro mas há muitas barreiras ente eles a serem vencidas.
‘O Orgulho’ do diretor franco-israelense Yvan Attal, aborda a intolerância e o poder das palavras.

DIAS 08, 09 E 11 DE SETEMBRO
Título : OS 50 SÃO OS NOVOS 30
Direção: Valérie Lemercier
Uma comédia de ficção cheia de realidade. A francesa Valérie Lemercier dirige e atua em “Os 50 São Os Novos 30”, onde ela interpreta Marie-Francine, uma mulher que aos 50 anos está muito velha para o seu emprego e para o marido, que a troca por uma mulher mais nova. Ela volta a morar na casa dos pais, que a tratam de forma infantilizada, e começa a trabalhar em uma pequena loja de cigarros eletrônicos, onde finalmente conhecerá Miguel (Patrick Timsit). Sem admitir, ele está na mesma situação que ela. Com a paixão emergente, eles precisam abrigar o novo amor sem que nenhum dos dois tenha uma casa própria.


DIAS 15, 16 E 18 DE SETEMBRO
PROGRAMAÇÃO ESPECIAL NO DIA 15 – ANIVERSÁRIO DO MOVIECOMARTE
Título : CAFÉ
Direção: Cristiano Bortone
Neste filme o diretor e roteirista italiano Cristiano Bortone conta três histórias em diferentes lugares do mundo, todas ligadas por um elemento simbólico: O café.
Na Bélgica, durante um tumulto, a loja de Iraqi Hamed (Hichem Yacoubi) é saqueada. Seu precioso pote de café é roubado e ao descobrir o responsável ele decide fazer justiça com as próprias mãos. Na Itália, Renzo (Dario Aita), apaixonado barista, se envolve no roubo de uma fábrica e as coisas saem do controle. Na China, Ren Fei (Fangsheng Lu), gerente bem-sucedido, é designado para cuidar de fábrica que ameaça poluir um vale em Yunnan, bela região na fronteira com o Laos.
As tramas vão se alternando ao longo do filme sem confundir o público. A sequência cronológica permite acompanhar cada uma das histórias com a mesma intensidade e envolver-se nas respectivas situações e conflitos. Com um certo tom de suspense em certos momentos, a obra constitui um drama que assim como a bebida pode ser um pouco amargo mas é prazeroso no final.

DIAS 22, 23 E 25 DE SETEMBRO
Título : TROCA DE RAINHAS
Direção: Marc Dugain
O diretor francês Marc Dugain traz o livro de Chantal Thomas para uma produção suntuosa, que recria em detalhes a vida na corte francesa do século XVIII.
A trama se passa em 1721. Para manter a paz entre França e Espanha após anos de guerra, o Regente do Reino da França, Philippe d’Orléans (Olivier Gourmet), propõe uma troca de princesas que resulta no noivado do rei da França, Louis XV com Anna Maria Victoria, então com 11 e 4 anos respectivamente; e do príncipe herdeiro Louis com Louise-Elisabeth d’Orleans, com 11 e 12 anos respectivamente. A chegada das jovens princesas ameaça os jogos de poder na Corte.

DIAS 29 E 30 DE SETEMBRO e 02 DE OUTUBRO
Título : EGON SCHIELE
Direção: Dieter Berner
Talvez voc~e nunca tenha ouvido falar de Egon Schiele, apesar da sua importância para o mundo das artes. Sua vida foi bem curta (morreu com apenas 28 anos, há exatamente um século – em 31 de outubro de 1918) mas ele não passou por este mundo sem fazer barulho. Seu trabalho fortemente marcado pelo erotismo, ainda hoje é tido como pornográfico mas na época foi perseguido e renegado, transformando-o em um artista maldito e ao mesmo tempo uma celebridade, um pop star com seguidores fervorosos.
Em “Egon Schiele: Morte e a Donzela”, o diretor austríaco Dieter Berner faz um interessante estudo sobre o artista, sua vida e obra ambas tão emblemáticas, que até hoje provoca grandes controvérsias.

O Moviecom Arte é um projeto da publicitária e produtora Fátima Augusto em parceria com o Moviecom Jundiaí, que há 1o anos traz para a cidade filmes de arte e que não entram no circuito comercial.

Com um horário alternativo dentro da programação do cinema, o Moviecom Arte acontece todos os sábados e domingos às 11 horas e tem ingressos a R$ 10,50 e R$ 5,25.

O Moviecom Jundiaí fica no Maxi Shopping – Av. Antônio Frederico Ozanan, 6000 – Vila Rio Branco, Jundiaí – SP