Tag

moviecom arte

CinemaMoviecomarteMoviecomarte

Infiltrado na Klan, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 7 de dezembro de 2018 0 Comentários

“Infiltrado na Klan” marca o retorno do cultuado diretor norte-americano Spike Lee aos grandes filmes que marcaram sua trajetória no cinema.
Com roteiro desenvolvido pelo próprio Lee junto com Charlie Wachtel, David Rabinowitz e Kevin Willmott, a partir do livro escrito por Ron Stallworth, este filme é uma homenagem a Blacksploitation – um movimento cinematográfico dos EUA que surgiu na década de 70, quando diretores e atores negros começaram a produzir uma série de filmes..


A trama se passa em 1978 e conta a real história de Ron Stallworth (John David Washington), um policial negro do Colorado que conseguiu se infiltrar na Ku Klux Klan, organização extremista e reacionária que defende temas como a supremacia branca, o nacionalismo branco, a anti-imigração, historicamente expressos através do terrorismo voltado contra negros, judeus e católicos.


Por ser negro obviamente Ron não participava das reuniões do grupo pessoalmente. Quem se apresentava em seu lugar nessas reuniões era seu parceiro e também policial Flip Zimmerman (Adam Driver). Os dois chegam aos níveis mais altos da organização.


A obra está recheada de cenas onde o preconceito é representado de uma maneira caricata, mas o que parece loucura é um retrato cada vez mais próximo e fiel da nossa realidade atual e isso faz de “Infiltrado na Klan” um dos filmes mais importantes do ano e foi o vencedor do Grande Prêmio do Juri no Festival de Cannes.
Não recomendado para menores de 14 anos.

Ficha Técnica
Título: Infiltrado na Klan
Título original: BlacKkKlansman
Nacionalidade: EUA
Gêneros: Biografia, Comédia, Policial
Ano de produção: 2018
Duração: 2h 15 min
Direção: Spike Lee
Elenco: John David Washington, Adam Driver, Laura Harrier
Roteiro: Spike Lee, David Rabinowitz, Charlie Wachtel, Kevin Willmott. Baseado no livro escrito por Ron Stallworth
Trilha sonora: Terence Blanchard
Direção de fotografia: Chayse Irvin
Design de produção: Curt Beech
Direção de arte: Marci Mudd
Decoração de set: Cathy T. Marshall
Figurino: Marci Rodgers
Distribuição: Universal Pictures

CinemaMoviecomarteMoviecomarte

Museu, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 29 de novembro de 2018 0 Comentários

Na noite de natal de 1985, 140 peças de valor incalculável foram roubadas do Museu Nacional de Antropologia do Cidade do México. Considerado como o roubo do século, o crime foi atribuído inicialmente a uma quadrilha de experientes ladrões de arte, de tão audacioso e bem executado.
O que ninguém jamais poderia imaginar é que os ladrões eram na verdade dois garotos suburbanos de classe média, estudantes de veterinária.


Trazendo o galã mexicano Gael García Bernal em uma de suas melhores performances o longa “Museu”, do diretor Alonso Ruizpalacios, abre a programação de dezembro do Moviecom Arte reconstruindo essa história de forma bem humorada para levantar uma discussão sobre os valores (simbólicos e materiais) do que é histórico e cultural.


Gael interpreta Juan Núñes, um jovem frustrado e revoltado com seu contexto familiar. É dele a ideia e os planos para roubar o Museu. Para isso convida seu amigo, o atrapalhado Benjamin Wilson, personagem interpretado pelo também brilhante Leonardo Ortizgris.


As trapalhadas dos dois jovens os tornam tão engraçados e tão adoráveis que é impossível não torcer por eles no decorrer da trama. Em vários momentos é impossível não lebrar dos personagens Pink & Cérebro, da animação criada por Steven Spielberg e Tom Ruegger.


O roteiro foi premiado com o Urso de Prata no Festival de Berlim deste ano e aborda assuntos “polêmicos” como os males causados pelo colonialismo e pelo capitalismo aos bens culturais e questiona a função social dos museus.
“Museu” será exibido no Moviecom Arte nos dias 01 e 02 de dezembro às 11 horas, e no dia 04 de dezembro às 14 horas.
Não recomendado para menores de 16 anos.

Ficha Técnica
Título original: Museo
Nacionalidade: México
Gêneros: Comédia dramática, Crime
Ano de produção: 2018
Estréia: 8 de novembro de 2018 (Brasil)
Duração: 2h 06min
Direção: Alonso Ruizpalacios
Roteiro: Alonso Ruizpalacios, Manuel Alcalá
Elenco: Gael García Bernal, Leonardo Ortizgris, Alfredo Castro
Produção: Gael García Bernal, Manuel Alcalá, Patricio Braun, Moisés Cosío, Brian Cox, Maria Jose Cuevas, Gerardo Gatica, Robert Lantos, Alberto Muffelmann, Jose Nacif, Jacobo Nazar, Renato Ornelas,Mariana Rodriguez Cabarga, Ramiro Ruiz, Anant Singh
Trilha sonora: Tomás Barreiro
Direção de fotografia: Damián García
Edição: Yibran Asuad
Design de produção: Sandra Cabriada
Figurino: Malena De la Riva
Estúdios: Detalle Films, Distant Horizon, Panorama Global
Distribuição: Supo Mungam Films

CinemaMoviecomarteMoviecomarte

Confira os filmes do mês no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 28 de novembro de 2018 0 Comentários

DIAS 01, 02 E 04 DE DEZEMBRO
MUSEU
de Alonso Ruizpalacios

Trazendo o galã mexicano Gael García Bernal em uma de suas melhores performances o longa “Museu”, do diretor Alonso Ruizpalacios, abre a programação de dezembro do Moviecom Arte.
Gael interpreta Juan Núñes, um tolo e jovem funcionário do Museu Nacional de Antropologia da Cidade do México. De tanto fotografar as relíquias milenares e de valor incalculável do museu, Juan acaba tendo a ideia de roubar algumas delas e convida para tal façanha seu amigo e também atrapalhado Benjamin Wilson, personagem interpretado élo também brilhante Leonardo Ortizgris.
Baseado em fatos reais o filme recria a história de um crime que se deu na noite de Natal de 1985. Os dois jovens invadem o prédio e roubam 140 peças pré-hispânicas de suas vitrines, como a máscara do Rei Pakal. Após o improvável mas bem sucedido roubo eles fogem buscando um comprador para peças tão raras.
A dupla de atrapalhados ladrões é tão adorável que é impossível não torcer por eles no decorrer da trama. A sensibilidade de Alonso Ruizpalacios e o belo roteiro escrito por Manoel Alcalá, constroem com delicadeza o universo do personagem, um rapaz de classe média que mora em uma cidade satélite da Cidade do México.
O roteiro foi premiado com o Urso de Prata no Festival de Berlim deste ano e aborda assuntos “polêmicos” como os males causados pelo colonialismo e pelo capitalismo aos bens culturais e questiona a função social dos museus.
Não recomendado para menores de 16 anos

DIAS 08, 09 E 11 DE DEZEMBRO
INFILTRADO NA KLAN
de Spike Lee

“Infiltrado na Klan” marca o retorno do cultuado diretor norte-americano Spike Lee aos grandes filmes que marcaram sua trajetória no cinema.
Com roteiro desenvolvido pelo próprio Lee junto com Charlie Wachtel, David Rabinowitz e Kevin Willmott, a partir do livro escrito por Ron Stallworth, este filme é uma homenagem a Blacksploitation – um movimento cinematográfico dos EUA que surgiu na década de 70, quando diretores e atores negros começaram a produzir uma série de filmes.,
A trama se passa em 1978 e conta a real história de Ron Stallworth (John David Washington), um policial negro do Colorado que conseguiu se infiltrar na Ku Klux Klan, organização extremista e reacionária que defende temas como a supremacia branca, o nacionalismo branco, a anti-imigração, historicamente expressos através do terrorismo voltado contra negros, judeus e católicos.
Por ser negro obviamente Ron não participava das reuniões do grupo pessoalmente. Quem se apresentava em seu lugar nessas reuniões era seu parceiro e também policial Flip Zimmerman (Adam Driver). Os dois chegam aos níveis mais altos da organização
A obra está recheada de cenas onde o preconceito é representado de uma maneira caricata, mas o que parece loucura é um retrato cada vez mais próximo e fiel da nossa realidade atual e isso faz de “Infiltrado na Klan” um dos filmes mais importantes do ano e foi o vencedor do Grande Prêmio do Juri no Festival de Cannes.
Não recomendado para menores de 14 anos.

DIAS 15, 16 E 18 DE DEZEMBRO
EM CHAMAS
de Chang-Dong Lee

O diretor sul-coreano Chang-Dong Lee é um dos mais aclamados pela crítica e presença obrigatória nos mais importantes festivais de cinema.
O mais recente trabalho do diretor é “Em Chamas”, um drama psicológico de suspense, que se desenvolve em torno de um misterioso desaparecimento e possível assassinato da namorada de um rapaz humilde de uma região rural do país.
O cinema de crime faz parte da carreira do diretor Chang-dong, mas em “Em Chamas” é a possibilidade de ter existido ou não um crime que move a narrativa que nos leva aos limites da certeza para então revelar aspectos que mudam completamente a história.
Em Chamas tem todas as qualidades de um bom suspense. A trama é lenta mas envolve o público desde o início, graças também à excelente interpretação de seu trio de protagonistas, especialmente Yoo Ah-in, numa interpretação perfeita em seu caráter dúbio; e também do carismático Steven Yeun, grande chamariz internacional do filme.
Com sua narrativa profunda e propositalmente inócua, diferente da escola de thrillers sul-coreanos, “Em Chamas” é menos tensão e mais reflexão.
Não recomendado para menores de 14 anos.


DIAS 22, E 23 DE DEZEMBRO
PO
de John Asher

Duas histórias paralelas, intrinsecamente ligadas e influenciando uma à outra. Um garoto autista que cada vez mais se fecha em seu próprio mundo, e seu pai David, que acaba de perder sua esposa e enfrenta o medo de tudo o que vem pela frente.
Essa é a trama de “Po”, o premiado drama dirigido por John Asher.
A dificuldade dos dois personagens em lidar com o mundo à sua volta nos leva a uma profunda reflexão sobre a importância dos vínculos familiares. Uma história triste e repleta de clichês mas também carregada de delicadezas e aprendizado, tornando impossível passar por ela sem se envolver profundamente.
O autismo sempre recebe tratamentos redutivos e condescendentes no cinema, com crianças prodigiosas exibindo excentricidades adoráveis, gênios matemáticos ou musicais deslumbrantes.. “Po” evita essas armadilhas. E é bem realista ao mostrar o pesadelo burocrático, sistemas escolares sobrecarregados, múltiplos terapeutas, a luta com o seguro de saúde e até a insensibilidade dos patrões.
O papel do garoto autista é interpretado pelo ator Julian Feder, em um desempenho que desde o começo cativa até os mais durões dos expectadores, o que lhe rendeu os prêmios de Melhor Ator no Young Artist Awards, WorldFest Houston e Albuquerque Film & Music Experience.
“Po” conta ainda com uma belíssima trilha assinada por ninguém menos que Burt Bacharach, que há 17 anos não compunha uma trilha original para o cinema.


DIAS 29 E 30
O QUEBRA CABEÇAS
de Marc Turtletaub

Baseado no filme Rompecabezas, dirigido pela cineasta argentina Natalia Smirnoff em 2009, “O Quebra Cabeça” é o segundo longa do diretor Marc Turtletaub, mais conhecido por seu trabalho como produtor em filmes como “A Pequena Miss Sunshine” e “Loving”.
O roteiro assinado por Oren Moverman conta a história de uma meticulosa e obcecada dona de casa suburbana, religiosa, dedicada a cuidar da organização e limpeza de seu lar, além de alimentar pontualmente marido e filhos.
Interpretada por Kelly Macdonald, Agnes é uma personagem em busca de um elo de ligação entre a lógica e a emoção. E isso acontece quando em seu aniversário de 40 anos ganha um quebra-cabeças de mil peças e descobre, enfim, seu grande talento matemático e geométrico, que a possibilita resolver rapidamente o desafio.
Isso provoca uma grande reviravolta em sua vida e em seus sentimentos. atingindo seu casamento, o relacionamento com os filhos e a amizade com Robert (Irrfan Khan), aspirante a montador profissional de quebra-cabeças que procura por uma parceira de jogo.
Quando a personagem resolve sair de sua estagnante rotina e ir em direção ao seu sonho, percebe que as peças do seu quebra-cabeças pessoal estavam todas soltas e não mais se encaixavam naquele cenário de antes.
Não recomendado para menores de 12 anos

Atenção nos dias 25 de dezembro e 01 de janeiro não haverá sessão do Moviecom Arte

________________________________________

O Moviecom Arte é um projeto da publicitária e produtora Fátima Augusto em parceria com o Moviecom Jundiaí, que há 1o anos traz para a cidade filmes de arte e que não entram no circuito comercial.

Com um horário alternativo dentro da programação do cinema, o Moviecom Arte acontece todos os sábados e domingos às 11 horas e tem ingressos a R$ 10,50 e R$ 5,25.

O Moviecom Jundiaí fica no Maxi Shopping – Av. Antônio Frederico Ozanan, 6000 – Vila Rio Branco, Jundiaí – SP

CinemaMoviecomarteMoviecomarte

Museu e Juliet Nua e Crua no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 24 de novembro de 2018 0 Comentários

Além da estreia de “Museu”, do diretor mexicano do diretor Alonso Ruizpalacios, que é o filme da semana no Moviecom Arte (clique aqui para ver o trailer e ler nosso comentário),  teremos a reapresentação de  “Juliet, Nua e Crua”, uma comédia romântica de Jesse Peretz,  estrelada por Rose Byrne, Chris O’Dowd e Ethan Hawke.


Relacionamentos que chegam ao fim, reflexão existencial e aprofundamento de personagens – tudo interligado por uma forte paixão musical, norteiam o roteiro adaptado a três mãos por Jim Taylor, Tamara Jenkins e Evgenia Peretz.
Rose Byrne interpreta uma mulher que está saindo de um relacionamento de 15 anos e busca um recomeço.

Curiosamente, começará um romance com o ídolo do seu ex-marido, o rockstar Tucker Crowe (interpretado por Ethan Hawke), que já não faz mais tanto sucesso. O papel do fã traído fica com Chris O’Dowd.


Ao contrário do que se pode esperar de uma comédia romântica, a trama foca na história de cada um dos 3 personagens e se mostra muito mais propensa a discutir os reveses da vida e as frustrações dos relacionamentos, do que contar uma história de amor.
Baseado no livro homônimo de Nick Hornby.  “Juliet Nua e Crua” é um filme singelo e agridoce e você poderá ver ou rever no Moviecom Arte dos dias 01 e 02 às 11:10 horas e no dia 04 às 14:10 horas.

Ficha Técnica:
Título: Juliet, Nua e Crua
Título original: Juliet, Naked
Nacionalidades: EUA, Reino Unido
Gêneros: Drama, Romance
Ano de produção: 2018
Estréia: 4 de outubro de 2018 (Brasil)
Duração: 1h 45min
Classificação: 12 anos
Direção: Jesse Peretz
Roteiro: Evgenia Peretz, Jim Taylor, Tamara Jenkins. Baseado no livro de Nick Hornby
Trilha sonora: Nathan Larson
Direção de fotografia: Remi Adefarasin
Edição: Sabine Hoffman, Robert Nassau
Design de produção: Sarah Finlay
Direção de arte: Caroline Barclay
Decoração de set: Ellie Pash
Figurino: Lindsay Pugh
Estúdios: Los Angeles Media, Rocket Science, Bona Fide Productions, Apatow Productions, Turnlet Films, Ingenious Media
Distribuição: Diamond Films

Extras

Festa a Fantasia no Yellow Pub

Postado porTemperos de Cinema 19 de novembro de 2018 0 Comentários

Com o tema “Cinema, a melhor fantasia”, a festa temática do Moviecom Arte / Temperos de Cinema realizada no Yellow Pub no dia 26 de outubro foi um grande sucesso.
Com tapete vermelho na entrada, luzes e estatueta do Oscar, o Yellow Pub recebeu os 220 participantes que capricharam na fantasia e abrilhantaram essa festa que teve sua renda em benefício do grupo Faz Bem Fazer o Bem.
Além de muito divertida, como você pode ver nas fotos oficiais da festa que você pode ver aqui neste post, ficamos muito felizes em informar que o valor arrecadado possibilitou a compra de 35 cestas básicas que farão a alegria de muitas pessoas carentes neste final de ano.
E já estamos ansiosos pela festa do ano que vem!

 

 

CinemaMoviecomarteMoviecomarte

A Ilha dos Cachorros, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 14 de novembro de 2018 0 Comentários

Um dos mais badalados cineastas europeus da atualidade, Wes Anderson construiu sua carreira sempre fiel a seu estilo marcado pelo visual excêntrico e um estilo de narrativa próprio.
Não por acaso, Anderson se tornou o queridinho das grandes estrelas e também das grandes grifes, dirigindo filmes para a Prada, Sony, AT&T e outras.


Em “A Ilha dos Cachorros” Wes Anderson criou um simpático elenco de caninos para abordar temas como xenofobia, polarização e militarização. Temas cada vez mais recorrentes no cinema contemporâneo.
Usando uma técnica de animação que evoluiu de seu trabalho anterior, o “Grand Hotel Budapest”, este filme é visualmente impecável e com uma estética ultra moderna.


“A Ilha dos Cachorros” vem carregado de referências bem ao estilo de Anderson que desta vez mostra uma nítida influência da cultura japonesa e nos filmes de animação de Hayao Miyazaki.
Na trama, o prefeito de Megasaki resolve banir todos os cães dessa cidade fictífica japonesa. Tirânico e fã de gatos, ele envia os cachorros para uma ilha cheia de lixo. Segundo ele, o objetivo é evitar que o surto de gripe canina prejudique os humanos.


O sobrinho órfão do político não gosta da ideia de perder seu animal de estimação. Então, o garoto de 12 anos sai em busca de seu cachorro Spots, acompanhado de outros cães da ilha.
Outro detalhe curioso do filme é a personagem chamada Yoko Ono e que é dublada pela própria Yoko Ono. Dando suas vozes aos persoNAgens de animação estão também: F. Murray Abraham, Scarlett Johansson, Tilda Swinton e Akira Ito, entre muitas outras celebridades do cinema.
Você não pode perder “A Ilha dos Cachorros”, de Wes Anderson, no Moviecom, dias 17 e 18 às 11 horas e no dia 20 às 14 horas.

Ficha Técnica

Título no Brasil; Ilha dos Cachorros
Título original: Isle of Dogs
Gênero: Animação Comédia Aventura Drama Ficção Fantasia
Duração: 105 min
País: EUA
Diretor: Wes Anderson
Roteirista: Wes Anderson, Roman Coppola, Jason Schwartzman e Kunichi Nomura
Elenco: Bryan Cranston, Edward Norton, Bill Murray, Jeff Goldblum, Kunichi Nomura, Ken Watanabe, Greta Gerwig, Frances McDormand, Courtney B. Vance, Fisher Stevens, Nijiro Murakami, Harvey Keitel, Koyu Rankin, Liev Schreiber, Bob Balaban, Scarlett Johansson, Tilda Swinton, Akira Ito, Akira Takayama, F. Murray Abraham, Yojiro Noda, Mari Natsuki, Yoko Ono e Frank Wood
Fotografia: Tristan Oliver
Trilha Sonora: Alexandre Desplat
Montagem: Edward Bursch, Ralph Foster, Andrew Weisblum
Design de Produção: Paul Harrod, Adam Stockhausen
Distribuição: Fox Film do Brasil

CinemaMoviecomarteMoviecomarte

Programação de Novembro no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 31 de outubro de 2018 0 Comentários

Filmes com conteúdo político dominam a cena independente. Os recentes acontecimentos históricos e as consequências deles na sociedade contemporânea são abordados de diversas formas pelos mais importantes cineastas do momento.
O cinema cumpre seu papel na preservação de nossa história e trazendo elementos importantes no processo da nossa construção como cidadãos políticos.
A programação de novembro traz 3 brilhantes trabalhos de alguns dos mais cultuados diretores da atualidade e que seguem o viés político. E traz também uma comédia romântica, super despretenciosa e divertida.


Dias 03, 04 e 06 de novembro
“Primavera em Casablanca”
de Nabil Ayouch

Ambientado na mítica cidade de Casablanca o filme estabelece um poderoso retrato histórico do Marrocos nos últimos 40 anos. Mas os sentimentos personificados por seus personagens, bem como os problemas que eles vivem, surgem muito familiares a todos nós.
Nabil Ayouch dirige com incrível sensibilidade o roteiro escrito a quatro mãos com sua esposa e atriz Maryam Touzani, protagonista do filme. Juntos eles descrevem a vida de cinco personagens enfrentando conflitos como o aborto, o machismo, a prostituição, as drogas, a violência doméstica, o preconceito contra artistas, a desigualdade social, os conflitos raciais, as manifestações políticas, a brutalidade policial, a desilusão dos idosos, a cegueira dos adultos, a indiferença dos jovens…
Tudo isso no entanto não é retratado de modo panfletário ou monolítico. Muito menos se propõe a oferecer soluções para problemas tão complexos. “Primavera em Casablanca” fala de forma muito poética sobre vidas humanas que se misturam a um panorama político. E o pensar político começa em compreender as histórias das pessoas atingidas por ela.
Tão maravilhoso quanto necessário, “Primavera em Casablanca”, de Nabil Ayouch, será exibido nos dias 03 e 04 de novembro às 11 horas e no dia 06 de novembro às 14 horas.

Dias 10, 11 e 13 de novembro
“Uma Noite em 12 Anos”
de Álvaro Brechner

Relembrar o passado para que o futuro não mais se corrompa, esta é a proposta de “Uma Noite em 12 Anos”, do diretor uruguaio Álvaro Brechner.
O filme conta a história de três jovens, líderes de um grupo que se opunha ao governo militar no Uruguai, os escritores e jornalistas Eleuterio Fernández Huidobro e Mauricio Rosencof, e o agricultor e político José Alberto Mujica Cordano, que mais tarde se tornou presidente do Uruguai. Eles foram presos e violentamente torturados durante 4.500 dias.
Trata-se de um drama bastante pesado e tudo fica ainda mais intenso ao sabermos que as situações reproduzem fatos reais, ocorridos em um passado não muito distante, aqui mesmo pertinho da gente.
O elenco é liderado por 3 grandes atores sul americanos: Alfonso Tort, Chino Darín e Antonio de la Torre. Eles se submetem a severas transformações físicas para dar ainda mais veracidade à narrativa.
Essencial inclusive para nos ajudar a preservar o nosso presente, este é o fime que o Moviecom Arte apresenta nos dias 10, 11 e 13 de novembro.


Dias 17, 18 e 20 de novembro
“Juliet, Nua e Crua”
de Jesse Peretz

Estrelada por Rose Byrne, Chris O’Dowd e Ethan Hawke, “Juliet, Nua e Crua” é uma comédia romântica baseada no livro homônimo de Nick Hornby.
Rose Byrne interpreta uma mulher que está saindo de um relacionamento de 15 anos e busca um recomeço. Curiosamente, começará um romance com o ídolo do seu ex-marido, o rockstar Tucker Crowe (interpretado por Ethan Hawke), que já não faz mais tanto sucesso. O papel do fã traído fica com Chris O’Dowd.
Ao contrário do que se pode esperar de uma comédia romântica, a trama foca na história de cada um dos 3 personagens e se mostra muito mais propensa a discutir os reveses da vida do que contar uma história de amor.
Você poderá ver “Juliet, Nua e Crua” no Moviecom Arte dos dias 17 e 18 às 11 horas e no dia 20 às 14 horas.


Dias 24, 25 e 27 de novembro
“A Ilha dos Cachorros”
de Wes Anderson

Um dos mais badalados cineastas europeus da atualidade, Wes Anderson criou um simpático elenco de caninos para abordar temas como xenofobia, polarização e militarização.
Visualmente impecável e com uma estética ultra moderna, “A Ilha dos Cachorros” vem carregado de referências bem ao estilo de Anderson que desta vez mostra uma nítida influência da cultura japonesa e nos filmes de animação de Hayao Miyazaki.
Na trama, o prefeito de Megasaki resolve banir todos os cães dessa cidade fictífica japonesa. Tirânico e fã de gatos, ele envia os cachorros para uma ilha cheia de lixo. Segundo ele, o objetivo é evitar que o surto de gripe canina prejudique os humanos.
O sobrinho órfão do político não gosta da ideia de perder seu animal de estimação. Então, o garoto de 12 anos sai em busca de seu cachorro Spots, acompanhado de outros cães da ilha.
Outro detalhe curioso do filme é a personagem chamada Yoko Ono e que é dublada pela própria Yoko Ono. Dando suas vozes aos persoNAgens de animação estão também: F. Murray Abraham, Scarlett Johansson, Tilda Swinton e Akira Ito, entre muitas outras celebridades do cinema.
Você não pode perder “A Ilha dos Cachorros”, de Wes Anderson, no Moviecom, dias 24 e 25 às 11 horas e no dia 27 às 14 horas.PROGRAMAÇÃO, NOVEMBRO, POLÍTICA,

_________________

O Moviecom Arte é um projeto da publicitária e produtora Fátima Augusto em parceria com o Moviecom Jundiaí, que há 1o anos traz para a cidade filmes de arte e que não entram no circuito comercial.

Com um horário alternativo dentro da programação do cinema, o Moviecom Arte acontece todos os sábados e domingos às 11 horas e tem ingressos a R$ 10,50 e R$ 5,25.

O Moviecom Jundiaí fica no Maxi Shopping – Av. Antônio Frederico Ozanan, 6000 – Vila Rio Branco, Jundiaí – SP

CinemaMoviecomarteMoviecomarte

Limites, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 19 de outubro de 2018 0 Comentários

Por várias razões o cinema independente adora um road movie, histórias que se desenvolvem durante viagens. A cineasta e roteirista norte americana Shana Feste usa vários clichês dos cult movies americanos para construir uma história delicada sobre uma conturbada relação entre pai e filha em “Limite”. E a fórmula dá super certo.


Estrelado por dois grandes nomes do cinema contemporâneo, Christopher Plummer e Vera Farmiga, “Limites” segue a viagem de uma família composta por dois personagens divergentes e conflitantes mas que se completam em essência.
Laura (Vera Farmiga) é uma mulher que busca viver uma vida tranquila e que faz o possível para ajudar as pessoas. Sua bondade e generosidade são colocadas em teste quando ela precisa levar seu pai, Jack (Christopher Plummer), a uma viagem de carro do Texas até a Califórnia.


O pai Jack é uma figura difícil. Ele foi expulso do asilo onde morava por criar uma estufa de mudas de maconha e Laura tem que se desdobrar para encontrar outro lugar para ele. A partir daí, tudo o que ele faz é contar mentiras e enganá-la a fim de entregar seu estoque de drogas por grande parte dos Estados Unidos.


Nesta viagem está também Henry (Lewis MacDougall), filho de Laura. Juntos eles vão aprender da maneira mais confusa e difícil o que significa ser uma família.


Terceiro filme na programação de agosto do Moviecom Arte, “Limites” é um filme despretensioso mas que pode surpreender e encantar..
Ele será exibido neste final de semana no Moviecom Arte, dias 20 e 21 e outubro, às 11 horas. Na terça-feira tem reprise às 14 horas. Não recomendado para menores de 16 anos.

Ficha Técnica
Título: Limites
Título original: Boundaries
Ano: 2018
Gênero: Comédia Drama
País: Canadá, EUA
Direção: Shana Feste
Roteiro: Shana Feste
Elenco: Vera Farmiga, Christopher Plummer, Lewis MacDougall, Bobby Cannavale, Kristen Schaal, Peter Fonda, Christopher Lloyd, Dolly Wells, Yahya Abdul Mateen II, Ryan Robbins.
Trilha sonora: Michael Penn
Direção de fotografia: Sara Mishara
Design de produção: Page Buckner
Direção de arte: Brad Karsgaard
Figurino: Ariana Preece
Distribuição: Sony Pictures Brasil

CinemaMoviecomarteMoviecomarte

Filmes de Outubro no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 4 de outubro de 2018 0 Comentários

O Moviecom Arte faz uma verdadeira festa do cinema neste mês de Outubro, com uma programação super rica. São 4 filmes incríveis, que você não pode perder, começando pelo elogiadíssimo filme brasileiro “Benzinho”, que pode vir a representar o Brasil no Oscar 2019.
Temos também o último filme dos italianos Irmãos Taviani. “Uma Questão Pessoal”, o derradeiro trabalho de Vittorio Taviani, falecido em Abril .

Veja a Programação Completa e reserve uma data na sua agenda!

DIAS 06, 07 E 09 DE OUTUBRO
BENZINHO, de Gustavo Pizzi
O filme começa mostrando uma mãe e seus filhos trancada dentro de casa e sendo obrigada a pular a janela para sair. Esta cena ilustra bem a história cheia de obstáculos, físicos e emocionais, que a personagem terá que vencer. E ela o fará com muita doçura.
“Benzinho”, do diretor e roteirista brasileiro Gustavo Pizzi, brilhou no 46° Festival de Gramado (2018), premiado como melhor filme pelo júri popular e pela crítica, além dos prêmios de melhor atriz e atriz coadjuvante.

O título do filme vem da forma como a personagem central trata todas as pessoas de seu pequeno universo. A trama gira em torno de uma mãe e dona de casa de classe média, que dedica sua vida para cuidar de 4 filhos, do marido em crise e da irmã recém-saída de uma relação complicada. Tudo muda quando o primogênito é convidado para jogar handebol na Alemanha.

Sucesso de crítica, “Benzinho” também fez bonito no Sundance Festival deste ano e é um dos fortes candidatos a representar o Brasil no Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2019.

“Benzinho” é estrelado por Karine Teles, Otávio Müller e Adriana Esteves e abre a programação de outubro do Moviecom Arte.

Não recomendado para menores de 12 anos

DIAS 13, 14 E 16 DE OUTUBRO
UMA QUESTÃO PESSOAL, de Paolo e Vittorio Taviani

Os italianos Paolo e Vittorio deixaram a marca dos Irmãos Taviani gravada na história do cinema mundial com filmes como Pai Patrão e César Deve Morrer. A morte de Vittorio aos 88 anos em abril, interrompe mais de 60 anos de trabalho da dupla mais cultuada do cinema europeu.
“Uma Questão Pessoal” é o último trabalho que leva a assinatura dos irmãos Taviani, fechando com chave de ouro uma filmografia recheada com 22 obras primas. Com uma história super simples contada com muita sensibilidade e pouquíssimas falas, o filme estreou no último Festival de Toronto e chega agora ao Moviecom Arte.
A trama mostra um jovem membro da Resistência Italiana que decide cruzar a região de Langhe, durante a Segunda Guerra Mundial, para investigar o paradeiro de uma antiga namorada. Ao descobrir o possivel envolvimento de sua amada com seu melhor amigo, o rapaz se vê envolvido com marcas do passado e tenta resolver suas questões.

Não recomendado para menores de 14 anos

DIAS 20, 21 E 23 DE OUTUBRO
LIMITES, de Shana Feste

Por várias razões o cinema independente adora um road movie, histórias que se desenvolvem durante viagens. A cineasta e roteirista norte americana Shana Feste usa vários clichês dos cult movies americanos para construir uma história delicada sobre uma conturbada relação entre pai e filha em “Limite”. E a fórmula dá super certo.
Estrelado por dois grandes nomes do cinema contemporâneo, Christopher Plummer e Vera Farmiga, “Limites” segue a viagem de uma família composta por dois personagens divergentes e conflitantes mas que se completam em essência.
Laura (Vera Farmiga) é uma mulher que busca viver uma vida tranquila e que faz o possível para ajudar as pessoas. Sua bondade e generosidade são colocadas em teste quando ela precisa levar seu pai, Jack (Christopher Plummer), a uma viagem de carro do Texas até a Califórnia.
Nesta viagem está também Henry (Lewis MacDougall), filho de Laura. Juntos eles vão aprender da maneira mais confusa e difícil o que significa ser uma família.
Terceiro filme na programação de agosto do Moviecom Arte, “Limites” é um filme despretensioso mas que pode surpreender e encantar..
Não recomendado para menores de 16 anos

DIAS 27, 28 e 30 DE OUTUBRO
ESCOBAR, A TRAIÇÃO – de Fernando León de Aranoa

Não é por acaso que a vida do traficante colombiano Pablo Escobar já inspirou diversas produções. É inegável o fascínio que os grandes vilões exercem sobre nós. Reais ou fictícios, eles mexem com o imaginário de roteiristas, diretores e também do público.
Em “Escobar, A Traição”, o premiadíssimo diretor espanhol Fernando León de Aranoa mostra o narco-traficante mais rico do mundo sob a perspectiva de sua amante, Virginia Valejo, jornalista que relatou sua relação com o criminoso no livro ‘Amando Pablo, Odiando Escobar’.
Estrelado por Javier Bardem e Penélope Cruz, este filme mostra a transição de Escobar de “Robin Hood Sul-Amerciano” em um monstro sanguinário lutando para manter o poder.
“Escobar, A Traição” encerra a programação de outubro do Moviecom Arte e é um filme imperdível!
Não recomendado para menores de 16 anos

___________________

O Moviecom Arte é um projeto da publicitária e produtora Fátima Augusto em parceria com o Moviecom Jundiaí, que há 1o anos traz para a cidade filmes de arte e que não entram no circuito comercial.

Com um horário alternativo dentro da programação do cinema, o Moviecom Arte acontece todos os sábados e domingos às 11 horas e tem ingressos a R$ 10,50 e R$ 5,25.

O Moviecom Jundiaí fica no Maxi Shopping – Av. Antônio Frederico Ozanan, 6000 – Vila Rio Branco, Jundiaí – SP

CinemaMoviecomarteMoviecomarte

Egon Schiele no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 26 de setembro de 2018 0 Comentários

David Bowie era um apaixonado estudioso e colecionador de arte. Entre seus artistas favoritos estava Egon Schiele. Exceto os mais profundos estudiosos e apreciadores de arte, poucas pessoas já ouviram falar de Egon Schiele, um pintor do começo do século passado, apadrinhado por Gustav Klint e tido como o pai do expressionismo austríaco.
Schiele teve uma vida e carreira breves. Ele morreu aos 28 anos, 3 dias após a morte de sua esposa que estava no sexto mês de gravidez. Ambos vítimas da terrível gripe espanhola.


Mas ele não passou por este mundo sem fazer barulho. Muito barulho. Seu trabalho fortemente marcado pelo erotismo, foi tachado como pornográfico, transformando-o em um artista maldito e ao mesmo tempo uma celebridade, uma espécie pop star com seguidores fervorosos.


Em “Egon Schiele: Morte e Donzela”, o diretor e roteirista austríaco Dieter Berner faz um interessante estudo sobre o artista, sua vida e obra, ambas tão emblemáticas, que até hoje divide opiniões e provoca controvérsias.
Berner conta a história de Schiele a partir das suas 5 principais modelos, que marcam os diferentes estágios de seu trabalho e de sua vida, começando por sua irmã Gerti (sua primeira modelo ainda criança), até Edith, a esposa.


Por ter um roteiro assumidamente didático e abrandar alguns pontos polêmicos da vida de Egon Schiele, o filme parece uma encomenda para celebrar o centenário da morte do pintor (ele morreu em 31 de outubro de 1918). Mas isso não tira os méritos do trabalho de Dieter Berner.


“Egon Schiele: Morte e Donzela”, além de uma justa homenagem a esse importante artista, nos coloca diante de uma época de grandes transformações que foi a primeira década do século XX e amplia o debate sobre a liberdade de expressão e a tolerância no universo das artes.
Esta não é a primeira cinebiografia deste artista polêmico. Em 1980 tivemos “Excessos e Punição”, de Herbert Vesely, que também merece ser visto.
“Egon Schiele: Morte e Donzela”, é o filme da semana no Moviecom Arte e você poderá assistí-lo nos dias 29 e 30 de setembro às 11 horas e no dia 02 de outubro às 14 horas, no Moviecom Cinemas do Maxi Shopping Jundiaí.

Ficha Técnica
Título: Egon Schiele: Morte e Donzela
Título Original: Egon Schiele: Tod und Mädchen
Gêneros: Drama, Biografia, Histórico
País de Origem: Áustria e Luxemburgo
Ano de produção: 2016
Estréia: 19 de julho de 2018 (Brasil)
Duração: 1h 49min
Classificação: 14 anos
Direção: Dieter Berner
Roteiro: Dieter Berner, Hilde Berger
Elenco: Noah Saavedra, Maresi Riegner, Valerie Pachner
Trilha sonora: André Dziezuk
Direção de fotografia: Carsten Thiele
Edição: Robert Hentschel
Design de produção: Götz Weidner
Direção de arte: Peter Ackermann, Hucky Hornberger
Decoração de set: Hans Wagner
Figurino: Uli Simon
Distribuição: Cineart Filmes