Tag

janeiro

Moviecomarte

O Último Amor de Casanova, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 23 de janeiro de 2020 0 Comentários

A vida aventureira e os incontáveis amores do lendário Giacomo Girolamo Casanova já inspiraram dezenas de filmes mas o diretor francês Benoît Jacquot, desenvolveu o roteiro de “O Ùltimo Amor de Casanova”, em parceria com Jérôme Beaujour e Chantal Thomas, focando no única mulher que ele amou e que foi também a única a resistir a seus flertes.


Ao se concentrar nesta história pouco conhecida, o cineasta mergulha em um mundo de desejos frustrados, de amor versus paixão, de conquista e possessão, além de uma interessante inversão de gêneros nas relações entre homem e mulher, num contexto particular da Europa do Século XVIII.


Neste filme, Casanova é apresentado já sexagenário, escrevendo e narrando uma de suas aventuras mais marcantes, vivida 30 anos antes, quando se refugiou em Londres depois de ter sido exilado.


Bernoit Jacquot nos mostra um outro Casanova nesta versão interpretada por Vincent Lindon. Trata-se de um homem triste, muito mais procurado pelas mulheres do que as procura, completamente apaixonado por uma jovem prostituta, Marianne de Charpillon, que o provoca e repele de forma sádica.


Invertendo a história, a interpretação de Bernoit Jacquot: traz o empoderamento feminino na personagem Marianne de Charpillon (Stacy Martin) que utiliza seu poder de sedução para aprisionar homens incapazes de controlar seus desejos.
“O Ùltimo Amor de Casanova” fecha a programação de Janeiro do Moviecom Arte, com exibição nos dias 25 e 26, às 11 horas. Um filme imperdível.

Ficha Técnica
Direção: Benoît Jacquot
Roteiro: Benoît Jacquot, Chantal Thomas, Giacomo Casanova, Jérôme Beaujour
Produção: Jean-Pierre Guérin, Kristina Larsen
Fotografia: Christophe Beaucarne
Trilha Sonora: Bruno Coulais
Montador: Julia Gregory
País: França
Gênero: Drama
Ano de produção: 2019
Elenco: Anna Cottis, Anne-Fanny Kessler, Audrey Quoturi, Catherine Bailey, Christian Erickson, Hayley Carmichael, Jesuthasan Antonythasan, Julia Roy, Michèle Clément, Nancy Tate, Nathan Willcocks, Olivia Ross, Pauline Nyrls, Stacy Martin, Valeria Golino, Vincent Lindon
Distribuição: Califórnia Filmes

 

Moviecomarte

PROGRAMAÇÃO DE JANEIRO NO MOVIECOM ARTE

Postado porTemperos de Cinema 3 de janeiro de 2020 0 Comentários

A programação 2.020 do Moviecom Arte começa quente como o verão, com sessões aos sábados e domingos, sempre às 11 horas. Lembrando que no mês de Janeiro, não teremos sessões às terças-feiras. Venha aproveitar os melhores filmes da temporada no Moviecom Arte. O ar condicionado é por nossa conta!

DIAS 04 e 05
A VIDA INVISÍVEL
de Karim Aïnouz

Conhecido pelo cultuado e premiado filme “Madame Satã”, de 2002, o diretor e roteirista brasileiro Karim Aïnouz retoma a cena carioca da década de 1920 em “A Vida Invisível”, que fala de amor familiar, questões de gênero, opressão e resistência através do afeto.
Cotado para representar o Brasil no Oscar 2.020, “A Vida Invisível” é uma adaptação do livro A vida Invisível de Eurídice Gusmão, de Martha Batalha (Companhia das Letras).
Estrelado pelas atrizes Carol Duarte, Julia Stockler e Fernanda Montenegro, conta a trajetória e o amor de duas irmãs, Eurídice (vivida por Duarte, na juventude, e por Montenegro, na velhice) e Guida Gusmão (Stockler), filhas de uma família imigrante portuguesa patriarcal e conservadora que se separam depois que Guida foge para viver um amor (frustrado), retorna grávida para casa e é expulsa pelo pai.
A partir desse trauma, ambas passarão a vida se buscando, sempre tão longe e tão perto. Enquanto Guida se reconstrói como mãe solo e pobre, operária, que encontra apoio e afeto na amiga Filomena (vivida por Bárbara Santos), Eurídice tenta conciliar o sonho de ser uma grande pianista com a vida de uma mulher casada dos anos 1950.
Em “A Vida Invisível”, o lugar social e tradicional da família é posto em xeque a todo momento. Se, por um lado, está o amor incondicional entre duas irmãs, por outro está a rejeição paterna, as relações de poder e força física e a imposição de vontades. Isso fica claro, por exemplo, nas cenas de sexo da obra, que são sempre incômodas, por vezes cômicas, mas que também denunciam abusos.
Estruturalmente denso e cromaticamente arrojado, este filme já rendeu ao diretor o importante prêmio Um Certo Olhar, no Festival de Cannes 2019. E você poderá vê-lo nos dias 04 e 05 de Janeiro, às 11 horas, no Moviecom Arte.

DIAS 11 e 12
UM DIA DE CHUVA EM NOVA YORK
de Woody Allen

Apesar das controvérsias que envolvem seu nome, Woody Allen é inegavelmente um dos grandes cineastas contemporâneos e, enquanto nada é provado juridicamente, ele segue fazendo seu trabalho de forma impecável, superando os obstáculos profissionais consequentes das denúncias em sua vida pessoal.
“Um Dia de Chuva em Nova York” deveria estrear em 2.018 mas o rompimento de contrato e uma disputa judicial com a Amazon Filmes, retardaram a exibição. Aqui no Brasil ele chegou apenas em 21 de novembro de 2019.
A trama gira em torno dos personagens de Timothée Chalamet (Gatsby) e de Elle Fanning (Ashleigh), um casal de namorados sem muita sintonia, ele parece não saber muito bem o que quer da vida, enquanto ela é uma dedicada estudante de jornalismo para quem surge a oportunidade de entrevistar em Nova York um importante diretor de cinema, Roland Pollard (Liev Schreiber).
O jovem casal planeja então um final de semana perfeito e romântico na Big Apple. Mas os planos não saem como combinado e cada um vai para um lado, abrindo possibilidades para que surjam diversos floreios narrativos típicos da obra de Allen, como a possibilidade do adultério e a sátira dos costumes cosmopolitas.
Em uma sucessão deliciosa de encontros e desencontros, Ashleigh e Gatsby vão descobrir novos sentidos para as suas vidas e reavaliar suas escolhas atuais para ter o futuro que buscam e merecem.
Bem ao estilo de Allen, há também em “Um Dia de Chuva Em Nova York” um quê de provocação ao atual clima na indústria cinematográfica pós #MeToo
Venha conferir o mais recente trabalho deste icônico diretor norte americano nos dia 11 e 12 de Janeiro, às 11 horas, no Moviecom Arte.

DIAS 18 e 19
Papicha
de Mounia Meddour

Chamado de “Bacurau argelino” pelo crítico João de Oliveira, o drama “Papicha” é o longa de estreia da cineasta Mounia Meddour e mostra a luta da arte contra o obscurantismo fundamentalista.
Ambientado nos anos 90, marcados como a década negra pelos conflitos acirrados entre o governo da Argélia e grupos islâmicos, o filme conta a trajetória de Nedjma (Lyna Khoudri), uma estudante de moda que luta para reafirmar suas posições em um país transformado pela Guerra Cívil e atentados terroristas.
O obstinado exercício de sua arte é a maneira que Nedjma encontra de reafirmar seus valores e de empoderar suas amigas. A resistência de seu discurso bate de frente com o sofrimento que a cerca.
“Papicha” nos apresenta um lado pouco conhecido dos mulçumanos, mostrando pessoas comuns, opostas ao estereótipo ocidental que nos é passado. A diretora coloca em cena pessoas que sonham e que sofrem com a falta de liberdade e a tirania ignorantes extremistas.
“Papicha” é um drama intenso, cheio de reviravoltas de tirar o fôlego e uma simbologia desconcertante. Não perca este filme que será exibido no Moviecom Arte dos dias 21 e 22 de Janeiro, às 11 horas.

DIAS 25 e 26
O ÚLTIMO AMOR DE CASANOVA
de Benoît Jacquot

A vida aventureira e os incontáveis amores do lendário Giacomo Girolamo Casanova já inspiraram dezenas de filmes mas o diretor francês Benoît Jacquot, desenvolveu o roteiro de “O Ùltimo Amor de Casanova”, em parceria com Jérôme Beaujour e Chantal Thomas, focando no única mulher que ele amou e que foi também a única a resistir a seus flertes.
Ao se concentrar nesta história pouco conhecida, o cineasta mergulha em um mundo de desejos frustrados, de amor versus paixão, de conquista e possessão, além de uma interessante inversão de gêneros nas relações entre homem e mulher, num contexto particular da Europa do Século XVIII.
Neste filme, Casanova é apresentado já sexagenário, escrevendo e narrando uma de suas aventuras mais marcantes, vivida 30 anos antes, quando se refugiou em Londres depois de ter sido exilado.
Bernoit Jacquot nos mostra um outro Casanova nesta versão interpretada por Vincent Lindon. Trata-se de um homem triste, muito mais procurado pelas mulheres do que as procura, completamente apaixonado por uma jovem prostituta, Marianne de Charpillon, que o provoca e repele de forma sádica.
Invertendo a história, a interpretação de Bernoit Jacquot: traz o empoderamento feminino na personagem Marianne de Charpillon (Stacy Martin) que utiliza seu poder de sedução para aprisionar homens incapazes de controlar seus desejos.
“O Ùltimo Amor de Casanova” fecha a programação de Janeiro do Moviecom Arte, com exibição nos dias 25 e 26, às 11 horas. Um filme imperdível.

Moviecomarte

A Vida em Si, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 4 de janeiro de 2019 0 Comentários

As relações humanas são uma eterna fonte de inspiração para a literatura, teatro e cinema, pois é dentro das nossas relações que expressamos e exercemos as nossas singularidades.


Dan Fogelman tem se aprofundado nesse tema. Criador da série This is Us, que aborda as dificuldades embutidas nas relações humanas, é ele o diretor de “A Vida em Si”, um drama que parece uma versão para o cinema da série televisiva,
No centro da trama, temos o relacionamento de Will (Oscar Isaac) e Abby (Olivia Wilde), que estão prestes a construir uma família. Mas a história dos dois se desdobra em outras 3, contadas em épocas, lugares, personagens e situações completamente diferentes, todas conectadas através de um evento marcante.


Apesar da duração do filme, “A Vida em Si” se aprofunda em questões que vão além de amor, passando por educação, profissão e cotidiano. O roteiro também assinado por Dan Fogelman consegue desenrolar as particularidades de cada protagonista dentro de situações claramente viáveis no mundo real, que muitos de nós já vivenciamos.
O elenco super vipado traz ainda Antonio Banderas e narração de Samuel L. Jackson.

Assista “A Vida Em Si” no Moviecom Arte do Moviecom Cinemas – Maxi Shopping Jundiaí, nos dias 05 e 06 às 11 horas e no dia 08 às 14 horas.

Ficha Técnica
Título: A Vida Em Si
Título Original: Life Itself
Direção: Dan Fogelman
Roteiro: Dan Fogelman
Fotografia: Brett Pawlak
Trilha Sonora: Federico Jusid
Elenco: Adrian Marrero, Àlex Monner, Annette Bening, Antonio Banderas, Caitlin Carmichael, Charlie Thurston, Gabby Bryan, Isabel Durant, Jake Robinson, Jean Smart, Jordana Rose, Kya Kruse, Laia Costa, Lorenza Izzo, Mandy Patinkin, Olivia Cooke, Olivia Wilde, Oscar Isaac, Samuel L. Jackson, Sergio Peris-Mencheta
Distribuidora: Paris Filmes