Tag

#frança

CinemaFilmes da semana

120 BPM no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 2 de Fevereiro de 2018 0 Comentários

O cinema ativista às vezes pode ser bem chato, principalmente quando se torna um discurso militante e esquece de ser um filme. Não é o caso de “120 Batimentos Por Minuto”, de Robin Campillo, que aborda diversas questões contemporâneas a partir do cotidiano dos membros de um grupo que, nos anos 90, lutava para que o governo francês e a indústria farmacêutica agissem de forma mais efetiva em relação à AIDS.

120-batimentos-por-minuto (1)
Esse grupo existe até hoje e chama-se Act Up. Ele foi criado em 1987 na cidade de Nova York, quando a AIDS ganhou a mídia e a ignorância sobre o assunto expôs mundialmente a incapacidade dos governos e a falta de escrúpulos da industria farmacêutica. Um de seus principais fundadores e maior ativista, o dramaturgo Larry Kramer, é o autor da peça auto-biográfica “Normal Heart” 91985), transformada em filme em 2014 pela HBO e estrelado por Mark Ruffalo e Jim Parsons, entre outros.

MV5BYWM1MmFjYjktZjcwZi00OGQyLTk0NTYtZTJhZGM0MjUzOWYwXkEyXkFqcGdeQXVyMTA2ODMzMDU___V1_SY1000_CR02C02C14602C1000_AL_
O Act Up se multiplicou por várias cidades e países do mundo. O diretor Robin Campillo fez parte deste grupo em Paris e usa sua própria experiência para abordar questões como a homossexualidade na França e no mundo, as questões políticas que envolvem a indústria e o comércio de remédios, a militância e a cultura gay que inclui as festas de música eletrônica.

bpmbeatsp_f04cor_2017110451
Capillo foca seu filme nos membros do Act Up Paris, ao qual pertenceu, e descorre temas como a questão homossexual na França (e no mundo); o posicionamento e a militância política, a questão das indústria farmacêutica e o mercado de remédios e a cultura gay, da qual fazem parte as grandes festas de música eletrônica.
O título “120 BPM”, aliás, vem exatamente dos batimentos cardiacos nas pistas de dança mas é uma analogia também à adrenalina necessária para enfrentar a urgência de jovens lutando pela sobrevivência.

Este é o filme que o Moviecom Arte exibe neste final de semana, dias 03 e 04 de fevereiro, sempre às 11 horas, no Moviecom cinemas do Maxi Shopping Jundiaí.

3432071
Ficha Técnica:
Título original: 120 battements par minute
Título em inglês: BPM
Nacionalidade: França
Gênero: Drama
Ano de produção: 2017
Estréia: 4 de janeiro de 2018 (Brasil)
Duração: 144 minutos
Classificação: 16 anos
Direção: Robin Campillo
Roteiro: Robin Campillo, Philippe Mangeot
Produção: Hugues Charbonneau, Marie-Ange Luciani
Música: Arnaud Rebotini
Fotografia: Jeanne Lapoirie
Edição: Robin Campillo, Stephanie Leger, Anita Roth
Figurino: Isabelle Pannetier
Estúdios: Les Films de Pierre, France 3 Cinéma,Page 114, Memento Films Production, FD Production
Distribuição: Imovision

sobrenatural---destino-de-uma-nação728x90

CinemaFilmes da semana

A Trama, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 30 de novembro de 2017 0 Comentários


A juventude é um objeto de estudo significativo para entender o momento histórico em que estamos inseridos. Em “A Trama” o diretor francês Laurent Cantet, conhecido por seus filmes críticos sobre a política de seu país, acompanha sete jovens que buscam adentrar o mercado de trabalho fazendo uma oficina com uma renomada escritora em uma pequena e decadente cidade praiana.

A-trama
Um dos jovens se destaca por seu comportamento agressivo que destoa dos outros que estão participando dessa mesma oficina, chamando a atenção da escritora, criando um clima tenso entre todo o grupo.
Nesse macrocosmo a arte e a política estão interligadas. Quando Antoine, por exemplo, sugere histórias violentas, ele é questionado se tem consciência das implicações políticas que uma obra com essas características pode representar. E, ao mesmo tempo em que se diz apolítico, o jovem apresenta uma conexão com amigos e certos ideais associados a extrema direita.

MV5BMjE3MDU2ODM2Nl5BMl5BanBnXkFtZTgwMjgwNzIzMjI@._V1_SX1500_CR0,0,1500,999_AL_
“A Trama” fechou a 41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e é o filme da semana no Moviecom Arte, com exibições nos dias 02 e 03 de dezembro às 11 horas e no dia 05 de dezembro às 14 horas.

Ficha Técnica:
Nome: A trama
Nome Original: L’atelier
Origem: França
Ano de produção: 2017
Gênero: Suspense, Drama
Duração: 113 min
Classificação: 12 anos
Direção: Laurent Cantet
Elenco: Marina Foïs, Matthieu Lucci, Warda Rammach
Distribuição: Esfera Filmes

A trama

 

Promoção-precinho-Star-wars728x90

Cinema

Programação de Setembro do Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 28 de agosto de 2017 0 Comentários

O Moviecom Arte de setembro está com um forte sotaque francês. Dos 5 filmes selecionados, 4 são produções francesas e uma alemã. Conheça aqui o resumo dos filmes que farão os seus finais de semana de setembro muito mais interessantes.

lost_in_paris_still4-h_2016

DIAS 02 e 03 – 11horas
PERDIDOS EM PARIS
Essa suave comédia francesa, dirigida por Fiona Gordon e Dominique Abel, foi o último filme de Emmanuelle Riva, grande estrela de dramas densos como “Hiroshima meu amor” (1959), “A liberdade é azul” (1993) e “Amor” (2012).
Juntos há 35 anos, o casal de diretores se dedica ao gênero clown para falar sobre a falta de jeito dos seres humanos o lado bizarro da vida cotidiana.
Neste filme Emmanuelle Riva é Marta, uma senhora idosa e sozinha que se perde em Paris. O casa de diretores interpretam a sobrinha canadense que vai à Paris para encontrar a tia e um morador mal humorado que se envolve na trama para ajudar.
Aparecendo praticamente como um quarto personagem, a cidade de Paris é mostrada sob uma ótica completamente diferente até mesmo para pontos muito conhecidos como a Torre Eifel e o Rio Sena.
Não recomendado para menores de 12 anos

01TourdeFrance
DIAS 09 E 10 – 11HORAS
TOUR DE FRANCE
Dirigido por Rachid Djaïdani e estrelado por Gérard Depardieu, Sadek e Louise Grinberg, “Tour de France” é um filme sobre a tolerância.
Sadek interpreta Far’Hook, um jovem rapper que se vê obrigado a sair da cena parisiense por uns tempos e vai ao encontro de seu pai, Serge (Depardieu), um homem obstinado a seguir os passos do pintor Joseph Vernet.
A colisão de dois universos tão distintos dá início a uma ligação muito mais forte entre os dois personagens, revelando que o humano sempre se sobressai a todas as outras condições.
Se a xenofobia é um problema que assola toda a Europa e já foi mostrada em diversos filmes, Rachid Djaidani faz um excelente trabalho ao tocar neste tema de forma tão delicada e sensível.

review-bye-bye-alemanha

DIAS 16 E 17 DE SETEMBRO – 11HORAS
BYE BYE ALEMANHA
Um grupo de judeus que viveu os horrores dos campos de concentração e que sonha em ir embora da Alemanha depois da Segunda Guerra Mundial, esse é o enredo da comédia “Bye Bye Alemanha”. Sim, uma comédia!
Dirigido por Sam Garbarski, “Bye Bye Alemanha” vai na contramão de todos os filmes sobre esse período sombrio e mostra momentos cômicos vivido pelo personagem central, Bermann (brilhante atuação de Moritz Bleibtreu), um judeu que vende enxovais para juntar dinheiro e abandonar o país.

Baseado-em-best-seller-Os-Meninos-que-Enganavam-os-Nazistas-ganha-trailer-e-cartaz-nacionais-a
DIAS 23 E 24 DE SETEMBRO – 11 HORAS
OS MENINOS QUE ENGANAVAM NAZISTAS

Adaptação do best-seller “Un sac de billes” – drama autobiográfico de Joseph Joffo que conta a história do autor e de seu irmão, quando tinham 10 e 12 anos, durante a ocupação da França pelos nazistas – este filme do diretor canadense Christian Duguay é super fiel ao livro.
Trata-se de um remake, já que o mesmo livro foi adaptado para o cinema em 1975 pelo diretor francês Jacques Doillon. No entanto, a versão de Christian Duguay registra com mais ternura e humor a epopeia dos irmãos e de sua família por esse período conturbado e faz ainda uma bela reflexão sobre os horrores da guerra ao colocar a narrativa sob o olhar de uma criança.

20170703-saint-amour-papo-de-cinema-banner

DIAS 30 DE SETEMBRO E 01 DE OUTUBRO
SAINT AMOUR – NA ROTA DO VINHO

Escrito e dirigido por Gustave Kervern e Benoît Delépine, “Saint Amour – Na Rota do Vinho”, é mais que um filme sobre a relação de pai e filho ou sobre as vinícolas francesas. Este filme é um verdadeiro acordo de paz dos diretores com seu país, depois de 12 anos atacando o modelo político francês e o comportamento social da burguesia francesa.
Bruno (Benoît Poelvoorde em uma irretocável interpretação) é um alcóolotra, hiperativo e debochado que odeia o pai, Jean (Gérard Depardieu), mas este aproveita o tempo livre durante uma feira de negócios agrícolas em Paris para fazer com ele uma viagem pela região vinícola da França, conduzida pelo taxista Mike (Vincent Lacoste).
Este autêntico “on the road” regado a muito vinho, perrengues, revelações e situações tão constrangedoras quanto engraçadas.

 

12489387_939768412743183_3908654772296939577_o

 

O Moviecom Arte é um projeto da publicitária e produtora Fátima Augusto em parceria com o Moviecom Jundiaí, que há 1o anos traz para a cidade filmes de arte e que não entram no circuito comercial.

Com um horário alternativo dentro da programação do cinema, o Moviecom Arte acontece todos os sábados e domingos às 11 horas e tem ingressos a R$ 10,50 e R$ 5,25.

O Moviecom Jundiaí fica no Maxi Shopping – Av. Antônio Frederico Ozanan, 6000 – Vila Rio Branco, Jundiaí – SP