Tag

#filme

CinemaMoviecomarteMoviecomarte

O Amante Duplo, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 11 de agosto de 2018 0 Comentários

François Ozon é um diretor que trabalha loucamente, lançando praticamente um filme por ano a mais de 20 anos. Aclamado como um dos nomes mais importantes do cinema francês contemporâneo, seus filmes geralmente trazem uma abordagem psicanalítica sobre as relações humanas.


“O Amante Duplo”, é um filme ousado desde a primeira cena que mostra em um close impactante um exame ginecológico. A trama conta a história de uma relação amorosa anti-ética e políticamente incorreta entre um psicanalista e uma jovem ex-paciente, e ganha corpo quando surge um irmão gêmeo e também psicanalista mas de temperamento agressivo.


Em uma interessante homenagem ao diretor norte-americano Brian de Palma, Ozon constrói um thriler erótico e de suspense que prende a atenção do começo ao fim, manipulando o público com um roteiro inteligente onde as revelações nunca são suficientes para desvendar o mistério.
Você não pode perder “O Amante Duplo”, a mais recente obra François Ozon, que o Moviecom Arte exibe nos dias 11 e 12 de agosto às 11 horas e no dia 14 de agosto às 14 horas.

Ficha Técnica

Título: O Amante Duplo
Título original: L’Amant Double
Nacionalidades: França, Bélgica
Gêneros: Suspense, Drama, Erótico
Ano de produção: 2017
Estréia: 21 de junho de 2018 (Brasil)
Duração: 1h 47min
Classificação: 18 anos
Direção: François Ozon
Roteiro: François Ozon, Joyce Carol Oates, Philippe Piazzo
Produção: Eric Altmayer, Nicolas Altmayer
Trilha sonora: Philippe Rombi
Direção de fotografia: Manuel Dacosse
Edição: Laure Gardette
Design de produção: Sylvie Olivé
Direção de arte: Lilith Bekmezian
Decoração de set: Julien Tesseraud
Figurino: Pascaline Chavanne
Estúdios: Mandarin Films, FOZ, Mars Films, Playtime, France 2 Cinéma, Canal+,France Télévisions
Distribuição: California Filmes

ConfrariaConfraria

Jantar da Confraria Temperos de Cinema em Casablanca

Postado porTemperos de Cinema 2 de agosto de 2018 0 Comentários

No dia 27 de julho realizamos mais um jantar da Confraria Temperos de Cinema e, desta vez, a inspiração foi o filme Casablanca, um clássico do cinema que sobrevive ao tempo e sempre será um filme magnífico.

A realização desse jantar transformou o Condomínio Jatobás na cidade marroquina que dá nome ao filme. E não faltaram muitas Ingrid Bergmans e Humphrey Bogarts, pois o membros dessa confraria leva nossos jantares temáticos muito a sério.

Casablanca é um importantíssimo porto da África e uma cidade muito generosa e acolhedora, assim como o Rui e a Fátima que recebem os confrades para os jantares da Confraria.
O filme “Casablanca”, ambientado e lançado no auge da Segunda Guerra Mundial, mostra que sair de lá era um problema, principalmente se você fosse procurado pelos nazistas. Já do nosso jantar inspirado em “Casablanca”, é difícil sair, principalmente se você gosta de uma boa mesa, pois o cardápio da Sandra Romansini e a carta de vinhos prendem do começo ao fim.
Nesse jantar memorável a entrada foi uma deliciosa salada de morangos e kiwi, sobre um cama de cuscus marroquino, com molho de iogurte, a entrada quente foi uma sopa de frango e castanha de caju, na sequência o prato principal, arroz marroquino com um espeto de carne, e um espeto de camarão, e a sobremesa, como no filme onde sempre teremos Paris, foi um creme brûlée com frutas e limão kafir.
Tudo servido ao som de “As Times Goes By”, a icônica canção tema do filme.
Seguem algumas fotos para conferir.

Receita da semanaTemperos

Alichela e Sardela para O Poderoso Chefão

Postado porTemperos de Cinema 16 de junho de 2018 0 Comentários

Aclamado como um dos mais importantes filmes da história do cinema, a trilogia “O Poderoso Chefão”, de Francis Ford Copolla, inspira a nova série de receitas do Temperos de Cinema.


E as primeiras receitas são dois clássicos da cozinha italiana: A Sardela e a Alichela. Duas sugestões que, acompanhadas de um bom pão italiano, são perfeitas como entradas.


É claro que a maravilhosa culinária italiana domina esta nova série de receitas. “O Poderoso Chefão” conta a hstória da máfia italiana nos Estados Unidos. Estrelado por verdadeiras lendas do cinema como por Marlon Brando, Al Pacino, James Caan, Richard Castellano, Robert Duvall, Richard Conte e Diane Keaton, o filme foi lançado em 1972 e teve suas continuações em 1974 e 1990.
Este é um filme obrigatório para todos os cinéfilos e a chef Sandra Romansini nos ensina a preparar pratos obrigatórios da cozinha italiana para os amantes da boa gastronomia.

Receita de Sardela

Ingredientes:
150 ml de azeite de oliva
3 dentes de alho espremidos
4 pimentões vermelhos grandes em rodelas
100 g de filés de aliche em conserva de óleo escorridos e picados
1 colher (sopa) de orégano desidratado
1 colher (sobremesa) rasa de pimenta calabresa seca
Sal

Modo de preparo:
Obs.: Esta receita requer 12 horas de repouso.
Aqueça o azeite e refogue o alho até começar a dourar. Adicione o pimentão e refogue por 15 minutos ou até ficar al dente. Deixe amornar.
Bata o refogado no liquidificador com o aliche, o orégano e a pimenta calabresa, ajuste o sal e leve ao fogo novamente, mexendo de vez em quando, até ficar mais encorpado.
Deixe esfriar e leve à geladeira até o dia seguinte. Sirva fria ou em temperatura ambiente, acompanhada de torradinhas ou pão italiano.

Receita de Alichela

Ingredientes:
1 xícara de chá de azeite
2 xícaras de chá de salsa bem picada
1 xícara de chá de cebolinha
1/2 xícara de chá de azeitonas picadas
3 dentes de alho amassados inteiros
120 g de aliche picado
1 folha de louro
1 colher de sobremesa de pimenta calabresa desidratada
1 colher de sopa de orégano
3 colheres de alcaparras cortadas ao meio
1/2 xícara de chá de óleo de canola ou milho

Modo de preparo:
Aqueca o azeite em fogo medio e frite o alho, acrescente o aliche, mexa um pouco e adicione o restante dos ingredientes – exceto o óleo – e deixe cozinhar uns 2 minutos somente
Desligue o fogo e prove o sal, geralmente nao precisa adicionar mais pois o aliche, a azeitona e a alcaparra tem bastante sal
Quanto esfriar transfira para um pote bonito de vidro e acrescente o oleo de milho até cobrir tudo
Guarde o pote bem tampado na geladeira por até 1 mês
Pode ser servido acompanhado com pão, como molho para uma bela macarronada ou ainda para enriquecer saladas e legumes

Sem categoria

Uma Espécie de Família

Postado porTemperos de Cinema 6 de maio de 2018 0 Comentários

Quanto vale um bebê? Quais os limites para o amor de uma mãe? É sobre essas questões tão delicadas que fala o filme “Uma Espécie de Família”, do argentino Diego Lerman, exibido da 41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e que você pode assistir agora na Sala Cult do Paineiras Shopping.


“Uma Espécie de Família” conta a história de uma mulher que vai até a pequena cidade rural de Misiones, na fronteira da Argentina e do Brasil, para acompanhar o parto do filho que adotará. Quem vai dar à luz é uma moça sem condições para criar mais um filho. Tudo já estava combinado mas nesse meio tempo a família passa a pedir US$ 10 mil para concluir a adoção.

uma-especie-de-familia-sala-cult-2
Co uma bela fotografia e roteiro muito eficiente, “Uma Espécie de Família” prende o expectador a um estado de tensão do começo ao fim e toca em pontos importantes como a enorme burocracia que envolve os processos de adoção, o que acaba muitas vezes levando os envolvidos à ilegalidade.

uma-especie-de-familia-sala-cult-3
Sem colocar a mãe biológica e a mãe adotiva nos papéis de vilã ou heroína, o filme mostra mulheres que, movidas pelo instinto e amor materno, são capazes de qualquer coisa para proteger seus filhos, mesmo que isso às vezes signifique entregá-los à outras famílias ou lutar contra toda a sociedade.

Estrelado por Bárbara Lennie, Daniel Aráoz, Claudio Tolcachir, Yanina Ávila e a brasileira Paula Cohen, “Uma Espécie de Família” foi premiado no Festival Internacional de Chicago (melhor filme) e no Festival de San Sebástian (melhor roteiro).

“Uma Espécie de Família” será exibido nos dias 06, 10, 11 e 12 de maio, na Sala Cult do Paineiras Shopping, com sessões às 19 horas às quintas e sextas-feiras e às 16 e 19 horas aos sábados e domingos.

Ficha Técnica
Título:Uma Espécie de Família
Título Original: Una Especie de Familia
Gênero: Drama
Duração: 90 min
País: Argentina, Brasil, França, Polônia, Alemanha, Dinamarca
Idioma Original: Espanhol
Diretor: Diego Lerman
Roteiro: Diego Lerman María Meira
Fotografia: Wojciech Staroń
Elenco: Bárbara Lennie, Daniel Aráoz, Claudio Tolcachir, Yanina Ávila e Paula Cohen
Distribuição: Pandora Filmes

uma-especie-de-familia-sala-cult-poster

Cinema

The Square, A Arte da Discórdia

Postado porTemperos de Cinema 25 de março de 2018 0 Comentários

O poeta russo Vladimir Maiakóvski disse que “A arte não é um espelho para refletir o mundo, mas um martelo para forjá-lo”, no entanto, muitas vezes o reflexo no espelho da arte é fundamental para perceber o que e o quanto é necessário mudar.
E é isso o que mostra e faz o filme “The Square, A Arte da Discórdia”, do sueco Ruben Östlund, expondo de forma brilhante, cruel e realista a hipocrisia da sociedade, tomando como ponto de partida a arte contemporânea e seu papel dentro dessa sociedade.

the-squre-05
O filme se passa na Suécia, país nórdico conhecido pela qualidade de vida, pelo alto nível cultural, pela educação de seu povo, pela ausência de preconceitos… sim, só que não. Para quem pensa que é só aqui no 3º mundo que as pessoas são capazes de apedrejar museus, “The Square” mostra que a hipocrisia e a ignorância é uma epidemia de proporções globais.
Destruindo aquela imagem vendida de país onde tudo é perfeito, esta obra mostra ainda as diferenças sociais, a violência e o preconceito que também existem na Suécia. As cenas dos moradores de rua e as que se passam nos subúrbios de Estocolmo são reveladoras. Como disse o nosso poeta Arnaldo Antunes, “miséria é miséria em qualquer canto”.

39169_43_TheSquare__AlamodeFilm__1_
Mas o foco principal de Ruben Östlund é a burguesia pseudo civilizada e culta. E ele não poupa ninguém. Mostra o papel da publicidade na propagação da cultura da violência, a imbecilidade dos novos profissionais de imprensa e a deturpação da informação, a mediocridade das classes sociais pretensamente culta e educadas mas que também são capazes de muitas violências, inclusive a violência da omissão.

the-squre-03
Há cenas hilárias, como uma que mostra os convidados de uma vernissage desesperados para atacar o buffet; cenas emblemáticas, como a da ativista no centro de Estocolmo perguntando aos pedestres se eles querem salvar uma vida, ao que eles respondem negativamente; e algumas cenas antológicas, como a cena do casal que briga pela posse do preservativo cheio de esperma após o sexo.

The-Square-O-Quadrado-2017-de-Ruben-Östlund
O ponto alto do filme, no entanto é a performance de um artista durante um elegante jantar oferecido aos mantenedores de um importante museu de arte contemporânea. Ele representa uma mistura do Incrível Hulk (versão nórdica) com um troglodita e promove ataques cada vez mais violentos aos convidados. A tensão da cena vai crescendo vertiginosamente, deixando os presentes encurralados, com medo, de cabeça baixa e em silêncio tentando não chamar a atenção do selvagem. Quando a situação foge completamente ao controle dos organizadores e o artista parece ter sido dominado pelo personagem, a performance alcança seu objetivo: revelar os trogloditas disfarçados sob smokings e vestidos de seda.

Essa cena (inspirada em uma performance real do artista Oleg Kulik em 1990) é também uma profunda reflexão sobre os limites da arte. E depois de assisti-la confirmo minha convicção de que a arte não pode ter limites, principalmente porque a nossa hipocrisia não tem limites.
Qualquer pessoa com o mínimo de coerência e bom senso, sai do cinema com um reforçado sentimento de vergonha do alheio e de si próprio. Estamos todos nós ali representados em nossa mesquinhez, nossa pequenez e nossa hipocrisia.


A proposta do diretor ao nos colocar de frente para esse espelho é nos obrigar a reconhecer isso, assim como faz o personagem principal, o diretor do museu (brilhantemente interpretado pelo charmoso Claes Bang), que ao final da história assume e se desculpa por sua própria mediocridade.
Indicado ao Oscar 2018 de Melhor Filme Estrangeiro e ganhador da Palma de Ouro em Cannes, “The Square” é um filme obrigatório para os dias de hoje, sobretudo no Brasil onde a mediocridade e a hipocrisia nem mais se disfarçam.

(Resenha por Marco Antonio Andre)

Este é o filme que você pode assistir no Sala Cult nos dias 25 de março às 16 e 19 horas, 29 e 30 de março às 19 horas, e 31 de março às 16 e 19 horas.

O Sala Cult é um espaço no Paineiras Shopping, em Jundiaí, para o cinema independente, com curadoria de Fátima Augusto.

thesquare_a5_cmyk

Ficha Tecnica

  • Titulo original: The Square
  • Nacionalidades: Suécia, Alemanha, Dinamarca, França
  • Gênero: Comédia dramática
  • Ano de produção: 2017
  • Duração: 2h 22 minutos
  • Classificação: 14 anos
  • Direção: Ruben Östlund
  • Roteiro: Ruben Östlund
  • Produção: Katja Adomeit, Philippe Bober, Tomas Eskilsson, Dan Friedkin, Erik Hemmendorff, Agneta Perman, Bradley Thomas
  • Fotografia: Fredrik Wenzel
  • Edição: Jacob Secher Schulsinger, Ruben Östlund
  • Design de produção: Josefin Åsberg
  • Figurino: Sofie Krunegård
  • Estúdios: Plattform Produktion, Arte France Cinéma, Coproduction Office, Det Danske Filminstitut, Essential Filmproduktion GmbH, Film i Väst
  • Distribuição: Pandora Filmes
moviecom-arte-trama-fantasma-filme
CinemaMoviecomarteMoviecomarte

Trama Fantasma no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 15 de março de 2018 0 Comentários

Com seis indicações ao Oscar, incluindo o de Melhor Filme, “Trama Fantasma” é o filme da semana no Moviecom Arte.
Ganhador do Oscar de Melhor Figurino, o drama dirigido por Paul Thomas Anderson tem como pano de fundo o mundo da alta moda e aborda o potencial destrutivo de um relacionamento onde o amor, a admiração e o companheirismo estão em constante conflito com ódio, o ciúme e a inveja.

Na trama, Reynolds Woodcock (Daniel Day-Lewis) é o estilista de celebridades e mulheres muito ricas. Incapaz de entender uma crise que se anuncia sobre sua maison ele vive com sua musa Alma (Vicky Krieps), uma relação de amor e ódio profundos, que desencadeia homeopaticamente uma guerra crescente e cruel, mascarada pela hipocrisia e pelo universo do luxo.

indicado-oscar-melhor-filme
Para entender melhor o perfil dos personagens é importante situá-los no tempo. A história se passa na glamurosa Londres dos anos 50, em um cenário de profundas mudanças principalmente no mundo da moda. O “new look” de Dior levava o luxo a um outro patamar, antecipando a grande revolução que viria com Mary Quant e a mini-saia.

indicado-oscar-melhor-filme
Essa obsessão do estilista pela manutenção de seu universo é descarregada na relação tão intensa quanto tóxica que mantém com sua esposa, um casamento onde a essência e aparência são completamente divergentes.

indicado-oscar-melhor-filme
Este também pode ser o último filme de Daniel Day-Lewis que anunciou sua aposentadoria após “Trama Fantasma” e a intenção de dedicar-se exclusivamente à família. Se assim for, o astro se despede das telonas em grande estilo e com sua sexta indicação para o Oscar de Melhor Ator.
“Trama Fantasma” será exibido no Moviecom Arte nos dias 17 e 18 às 11 horas e dia 20 às 14 horas

Ficha Tecnica
Nome: Trama fantasma
Nome Original: Phantom thread
Direção: Paul Thomas Anderson
Elenco: Daniel Day-Lewis, Lesley Manville, Vicky Krieps, Camilla Rutherford
Roteiro: Paul Thomas Anderson
Música: Jonny Greenwood
Fotografia: Paul Thomas Anderson
Direção de arte: Chris Peters, Denis Schnegg, Adam Squires
País de Origem: EUA
Ano de produção: 2017
Gênero: Drama
Duração: 130 min
Classificação: 14 anos
Distribuidora: Universal Pictures

indicado-oscar-melhor-filme

Extras

O Destino de uma Nação, no Moviecom

Postado porTemperos de Cinema 10 de janeiro de 2018 0 Comentários

De tempos em tempos grandes personagens da história parecem “ressuscitar”, como que para inspirar com seus pensamentos e atitudes o momento atual. É o caso de Winston Churchill que recentemente teve grande destaque na série “The Crow” interpretado por John Lithgow e uma cinebiografia dirigida por Jonathan Teplitzky.

O-Destino-de-Uma-Nação-trailer
Agora o controverso Primeiro-Ministro britânico é o personagem central de “O Destino de uma Nação”, que estreia amanhã (11/01) no Moviecom Cinemas e é forte candidato ao Oscar 2018 em pelo menos 3 categorias: Melhor Diretor, Filme e Ator.
Com uma carreria militar brilhante, escritor laureado com o Nobel de Literatura, historiador, artista plástico e um dos maiores estadistas de todos os tempos, Winston Churchill (1874-1965) foi duas vezes Primeiro-Ministro do Reino Unido e teve papel decisivo durante a Segunda Guerra Mundial.

DARKEST HOUR
Em um drama espetacular, o filme “O Destino de uma Nação”, dirigido por Joe Wright, de “Orgulho e Preconceito” e “Anna Karenina”, retrata exatamente esse momento da história, quando a força e liderança de Churchill foi decisiva para garantir a segurança e a paz dos ingleses quando as forças nazistas varriam toda a Europa.

O-Destino-de-Uma-Nação-trailer-2
O roteiro é assinado por o Anthony McCarten (de A Teoria de Tudo) e não esconde o dilema de Churchill dividido entre a pressão para firmar um tratado de paz com a Alemanha Nazista e o desejo de lutar pelos ideais de liberdade de sua nação.
Interpretando o grande líder temos o cultuado ator Gary Oldman (ganhador do Globo de Ouro 2018) e no elenco outros grandes nomes como Stephen Dillane, John Hurt, Lily James, Ben Mendelsohn e Kristin Scott Thomas.

O-Destino-de-uma-Nação_29

Outro grande destaque de “O Destino de Uma Nação” é a direção de arte de Sarah Greenwood, que recria com precisão a Londres pré-Elizabethana, em um momento de grandes mudanças mundiais interferindo drasticamente em uma das culturas mais tradicionalistas do mundo.

Confira os horários na programação do Moviecom Maxi Shopping Jundiaí.

1451307.jpg-r_648_960-f_jpg-q_x-xxyxx

sobrenatural---destino-de-uma-nação728x90

Cinema

Programação de Março no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 2 de março de 2017 0 Comentários

A seleção de filmes para o mês de março no Moviecom Arte traz temas polêmicos na visão de diretores consagrados. Confira a programação e anote em sua agenda.

6280_w840h525_1484584811manchester-a

Ganhador do Oscar de Melhor Ator e de Melhor Roteiro Original, “Manchester A Beira Mar” é um belíssimo e comovente drama escrito e dirigido por Kenneth Lonergan e que traz Casey Affleck em uma atuação irretocável.
Partindo de uma situação clichê, o filme conta a história de um homem amargo e introvertido, que à sua cidade natal ao saber do grave estado de saúde do irmão, que vem a falecer, deixando para ele em testamento a guarda de seu sobrinho adolescente. Sufocado com as responsabilidades e perseguido por lembranças de seu passado, ele é obrigado a se confrontar os sentimentos que o fizeram abandonar sua cidade e sua família.

Manchester-à-beira-mar-poster
Super realista e conduzindo o público a uma montanha russa de emoções, “Manchester A Beira Mar”, definitivamente é um dos melhores filmes da temporada e estará em cartaz no Moviecom Arte dias 04 e 05 de fevereiro, às 11 horas.

paradise-rai-venice

O filme russo “Paraíso”, do brilhante diretor Andrei Konchalovsky, ganhou o prêmio de melhor direção no Festival de Veneza 2016.
O filme conta a história de uma aristocrata russa exilada na França durante a Segunda Guerra Mundial e seu relacionamento com um policial francês colaboracionista e um ofcial alemão da SS.

paradise
“Paraíso” surpreende pela ambiguidade explícita na trama onde a vítima não é exatamente um exemplo de conduta e o vilão se apresenta como uma pessoa de princípios e valores. Uma ótica interessante e inédita nos habituais filmes sobre o nazismo e o holocausto.
“Paraíso” é o filme em cartaz no Moviecom Arte, dias 11 e 12 de março, às 11 horas.

19_FHA_rshow_casamentodeverdade

O tabu que envolve as relações homoafetivas, principalmente quando se trata da legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo, é o tema deste drama dirigido por Mary Agnes Donoghue.

images
“Casamento de Verdade” mostra a história de duas mulheres em defesa do direito de construir uma família, em um discurso direcionado principalmente para o público heterossexual. O filme foca sobretudo os pontos de vista das famílias das personagens, em uma abordagem conservadora mas muito sensível e que foge aos clichês.
Assista “Casamento de Verdade” no Moviecom Arte, dias 18 e 19 de março, às 11 horas.

381855
“Marguerite e Julien” é o segundo filme dirigido pela atriz Valérie Donzelli e conta uma história de amor proibido, nos moldes de Romeu e Julieta mas com um agravante, o incesto.
Trata-se de uma adaptação de um roteiro escrito originalmente para o mestre François Truffaut por Jean Gruault. O sentimento entre o casal de irmãos, manifestado desde a infância, leva os pais a separá-los mandando o menino para estudar em um lugar distante. Quando os irmãos se reencontram anos mais tarde continuam a se amar intensamente e decidem correr o risco de viver esse amor proibido.

6ed7afe8a68e7e34cb5f2708c77d75f7_XL
O destaque do filme são as interpretações de Anaïs Demoustier e Jérémie Elkaïm para o casal de irmãos, demonstrando uma química que arrebata a platéia a ponto de nos fazer esquecer que se trata de uma relação incestuosa.
“Marguerite e Julien” será exibido no Moviecom Arte dias 25 e 26 de março, às 11 horas.

 

12489387_939768412743183_3908654772296939577_o

 

O Moviecom Arte é um projeto da publicitária e produtora Fátima Augusto em parceria com o Moviecom Jundiaí, que há 1o anos traz para a cidade filmes de arte e que não entram no circuito comercial.

Com um horário alternativo dentro da programação do cinema, o Moviecom Arte acontece todos os sábados e domingos às 11 horas e tem ingressos a R$ 10,50 e R$ 5,25.

O Moviecom Jundiaí fica no Maxi Shopping – Av. Antônio Frederico Ozanan, 6000 – Vila Rio Branco, Jundiaí – SP

 

Receita da semanaTemperos

Prato da Semana: Bouef Bourguignon de Julie e Julia

Postado porTemperos de Cinema 28 de outubro de 2016 0 Comentários

Na grande maioria dos filmes sempre há pelo menos uma cena envolvendo gastronomia. Em alguns ela chega a ocupar maior espaço na trama mas poucos são filmes onde ela ocupa papel de destaque, como personagem principal. Esse é o caso de “Julie e Julia”, de Nora Ephron, lançado em 2009.

filme-julie-e-julia-review-prato-pra-um-960x768
Este filme é uma comédia que mistura drama, romance e um cardápio de banquete. Meryl Streep e Amy Adams interpretam as duas personagens título, separadas na trama por um espaço 50 anos no tempo, mas unidas pela paixão e o talento para cozinhar.
Meryl Streep é Julia Child, é uma senhora que em 1948 vai morar em Paris por conta do trabalho do marido Paul (Stanley Tucci). Entediada por não ter o que fazer, ela passa a frequentar um curso de culinária e toma gosto pela coisa. Ela acaba escrevendo um livro e apresentando um programa de televisão. Cinquenta anos depois, encontramos Julie Powell (Amy Adams), uma moça com uma vidinha bem medíocre e que acidentalmente encontra o livro de Julia. Ela se encanta com as receitas e resolve prepará-las como passatempo. Com a ajuda do marido Eric Powell (Chris Messina), ela cria um blog para descrever sua experiência e se torna um sucesso.

sem-titulo-1
A chef Sandra Romansini recebeu a Dra. Lilian de Angelis, dentista e cozinheira de mão cheia, para comentar o filme e saborear uma das receitas de Julia Child, o Bouef Bourguignon. Veja o vídeo com o passo a passo do preparo e logo abaixo a receita detalhada.

RECEITA DE BOUEF BOURGUIGNON

INGREDIENTES
250gr de Bacon Defumado em tiras de 1 cm
1 kg de carne bovina em pedaços
1 colher (DE SOPA) de farinha de trigo
3 colheres (chá) de óleo
1 cenoura em palito
1 cebola bem picadinha
2 dentes de alho ralados
300ml de caldo de carne
1 colher (sopa) de extrato de tomate
300ml de vinho tinto seco
350g de champignons
6 cebolas echalotes sem casca, cortadas ao meio
1 folha de louro
1 ramo de tomilho fresco, salsa e pimenta do reino a gosto

PREPARO

Preaqueça o forno a 180º.
Aqueça uma frigideira grande e acrescente o bacon. Deixe esfriar , mexendo de vez em quando , até que fiquem crocante e solte bem a gordura. Nesse ponto transfira o bacon para uma caçarola grande e larga e reserve a gordura na frigideira.
Seque os pedaços de carne em papel absorvente. Corte-os em cubos de 2cm.
Polvilhe a carne com a farinha de trigo, virando os pedaços para que fiquem bem cobertos. Leve a frigideira de volta ao fogo e frite os cubinhos de carne, poucos de cada vez, adicionando 1 colher (chá) de óleo se necessário. Não coloque muitos pedaços de uma vez, senão a carne ficará cozida, em vez de dourada.
Transfira os cubinhos de carne dourados para a caçarola e reserve.
Acrescente as 2 colheres (chá) de óleo restantes na frigideira e refogue a cenoura , a cebola e o alho até que amaciem.
Transfira os legumes refogados para a caçarola. Escorra o excesso de gordura da frigideira e leve-a de volta ao fogo.
Adicione o caldo de carne e deixe que aqueça, raspando o fundo com uma colher de pau até soltar todo o tempero que ficou grudado.
Despeje na caçarola o caldo de carne morno e o extrato de tomate.
Em seguida, acrescente vinho até cobrir os ingredientes. Adicione o louro, o tomilho e mexa bem. Leve ao fogo até ferver. Cubra a caçarola, leve-a ao forno e deixe assar por 2 horas, mexendo a cada 30 minutos. Se o molho secar ou engrossar em excesso, coloque um pouco maios de vinho ou água.
Acrescente os champignon e as echalotes, e misture bem. Torne a cobrir e deixe assar por mais de 1 hora, ou até que a carne fique macia a ponto de desfiar ao simples toque de uma colher.

Cinema

Em Setembro, 4 Mulheres Fantásticas No Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 29 de agosto de 2016 0 Comentários

No mês que marca a entrada da primavera e antecede o outubro rosa, a força feminina é o destaque da programação do Moviecom Arte. São 4 histórias de mulheres completamente diferentes, vivendo em épocas, lugares e situações completamente opostas. No entanto, todas elas são personagens carregadas de força e paixão.

São elas:

NAHID – AMOR E LIBERDADE

00nahid

 

Lançado em julho deste ano, este filme dirigido por Ida Panahandeh se passa na cidade de Teerã dos dias atuais e conta a história de Nahid (Sareh Bayat), uma mulher que consegue ficar com a guarda do filho de 10 anos após obter o divórcio do marido, contrariando as leis iranianas. Para isso Nahid faz um acordo que envolve dinheiro e a condição de que nunca mais se case. Um dia, porém, Nahid se apaixona e teme quebrar as regras do acordo.

DIAS 03 E 04 DE SETEMBRO – 11HORAS

nahid

Não recomendado para menores de 12 anos

__________________________

 

AMOR & AMIZADE

ENTER_LOVE-FRIENDSHIP-MOVIE-REVIEW_2_MCT

 

O norte-americano Whit Stillman assina a direção deste filme ambientado no Século XVIII e estrelado pela bela Kate Beckinsale no papel de Lady Susan Vernon, uma jovem viúva que foge das fofocas sobre seus casos amorosos, buscando refúgio em uma fazenda. Lá reflete sobre a vida e decide arranjar um novo marido e também um bom pretendente para a filha, Frederica (Morfydd Clark). O filme conta ainda com a participação da diva Chloë Sevigny.

 

DIAS 10 E 11 DE SETEMBRO – 11HORAS

296360_pt

Não recomendado para menores de 10 anos

__________________________

 

ESPERANDO ACORDADA

esperando acordada 04 (2)

Uma comédia dramática francesa com direção de Marie Belhomme, Esperando Acordada conta a história de Perrine (Isabelle Carré), uma violinista amadora que ganha a vida tocando em festas de aniversário de crianças e asilos. Um dia, a caminho de um evento para o qual foi contratada, ela se envolve em um acidente de trânsito e foge. No entanto, movida por um forte sentimento de culpa, ela decide tentar ajudar o homem que atropelou quando descobre que ele está em estado coma em um hospital. O filme traz ainda a estrela do cinema espanhol, Carmen Maura.

DIAS 17 E 18 DE SETEMBRO

Esperando-Acordada

Não recomendado para menores de 10 anos

__________________________

 

FLORENCE – QUEM É ESSA MULHER

florence_6

 

Em mais uma atuação espetacular, Meryl Streep vive Florence Foster Jenkins, uma milionária excêntrica que persegue obsessivamente uma carreira para a qual não tem nenhum talento, a de cantora de ópera. Aos seus ouvidos, sua voz é linda, mas para todos os outros é absurdamente horrível. Seu companheiro e amigos fazem de tudo para protegê-la da verdade mas a farsa em risco quando Florence decide fazer uma apresentação no Carnegie Hall.

Florence Foster Jenkins existiu de verdade. Essa figura tão peculiar viveu em Nova York entre 1868-1944. Sua biografia inspirou também o belíssimo Marguerite, do francês Xavier Giannoli, que nós vimos aqui no Festival Varilux de Cinema Francês 2016.

Nesta versão dirigida por Stephen Frears, um dos mais brilhantes diretores britânicos da atualidade, Florence ganha uma versão mais cômica, embora ainda dramática. O filme marca também o retorno de Hugh Grant, mais maduro e mais charmoso do que nunca.

DIAS 24 E 25 DE SETEMBRO

415958

Não recomendado para menores de 10 anos