Tag

filme da semana

CinemaMoviecomarte

Oh Lucy!, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 27 de julho de 2018 0 Comentários

A vida dura, fria e solitária das grandes metrópoles, cria personagens banais inseridos em contextos complexos. E vice-versa.
Tóquio é a cidade onde a diretora Atsuko Hiranayagi coloca a personagem central de seu novo filme. Mas poderia ser Nova York ou São Paulo.


Envolvida por uma realidade caótica, que se reflete em sua vida pessoal e profissional, Setsuko é uma mulher comum, com sentimentos reprimidos, sonhos apagados, com pouca ou nenhuma autoestima e uma rotina monótona e absolutamente sem graça.


Mas tudo muda quando ela, convencida por sua sobrinha, vai fazer uma aula de inglês gratuita. Ao quebrar sua rotina, Setsuko se permite viver uma grande transformação.
O agente transformador é John, um professor de inglês com métodos pouco convencionais. Ele obriga Setsuko a usar uma peruca loura e adotar um nome americano. Ela então se transforma em Lucy e a experiência de ser uma outra pessoa abre uma porta para um mundo de possibilidades que ela simplesmente ignorava.


Ela se apaixona por seu professor de inglês e, após o repentino sumiço dele, embarca para os Estados Unidos à sua procura, vivenciando uma série de aventuras e se desvencilhando de sua vida ordinária.
Essa é engraçada, delicada e comovente história de “Oh Lucy!”, que o Moviecom Arte exibe nos dias 28 e 29 às 11 horas e no dia 31 de julho às 14 horas. Venha rir, se emocionar e se apaixonar por essa comédia japonesa, ganhadora dos prêmios Independent Spirit de Melhor Atriz e de Melhor Filme de Estreia.

Ficha Técnica

Título original: Oh Lucy!
Nacionalidades: Japão, EUA
Gênero: Comédia dramática
Ano de produção: 2017
Estréia: 28 de junho de 2018 (Brasil)
Duração: 1h 35min
Classificação: 16 anos
Direção: Atsuko Hirayanagi
Roteiro: Atsuko Hirayanagi, Boris Frumin, Atsuko Hirayanagi
Produção: Will Ferrell, Hiroyuki Akune, Meileen Choo, Jessie Creel, Jessica Elbaum, Anderson M. Hinsch, Atsuko Hirayanagi, Seiya Horio, Razmig Hovaghimian, Yukie Kito, Adam McKay, Katsuhiro Tsuchiya, Han West
Trilha sonora: Erik Friedlander
Direção de fotografia: Paula Huidobro
Edição: Kate Hickey
Produção de design: Norifumi Ataka, Jason Hougaard
Decoração de set: Jenna Craig, Yoshito Endo
Figurino: Masae Miyamoto
Estúdios: Matchgirl Pictures, Gloria Sanchez Productions, Meridian Content, Nippon Hôsô Kyôkai (NHK)
Distribuição: Imovision

CinemaMoviecomarteMoviecomarte

Uma Cinderela Moderna no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 31 de maio de 2018 0 Comentários

A espanhola Rossy de Palma é uma das grandes divas do cinema contemporâneo. Musa de Almodóvar (com quem trabalhou em 7 filmes), Rossy esbanja talento e versatilidade, indo da comédia à tragédia em personagens que se tornaram históricos.
E é em uma rasgada comédia romântica que ela está de volta, desta vez sob a direção da francesa Amanda Sthers, em “Madame”, um conto de fadas moderno que faz uma divertida releitura do arquétipo de Cinderela.


A história gira em torno de Maria (Rossy de Palma), a empregada espanhola de um casal de milionários americanos que vai morar em Paris. Durante um jantar oferecido a um seleto grupo de amigos europeus, a supersticiosa anfitriã se dá conta de que tem 13 convidados à mesa e obriga Maria a passar por uma aristocrata espanhola.


Atrapalhada, a pobre Maria esforça-se para interpretar sua personagem o mais discretamente possível mas acaba conquistando as atenções de um influente comerciante de arte inglês que fica totalmente seduzido por ela.
O namoro entre eles vai além daquela noite e, apavorados, os patrões americanos fazem o possível e o impossível para terminar com a relação antes que o inglês perceba o papel deles naquela terrível mentira.


O enredo não é dos mais originais mas Amanda Sthers abusa e faz bom uso de todos os clichês, contando ainda com o talento de um elenco de estrelas como Toni Collette, Harvey Keitel e Tom Hughes, além de mais uma atuação impagável de Rossy de Palma.
Tudo isso resulta em uma deliciosa e sofisticada comédia que vai além de divertir o público. Nas entrelinhas do texto estão algumas das facetas mais perversas da nossa sociedade como as diferenças de classes e a abusiva relação patronal para com empregados de classes sociais inferiores.


“Madame” é o filme da semana no Moviecom Arte e será exibido nos dias 02 e 03 de junho às 11 horas e no dia 05 de junho às 14 horas, no Moviecom Cinemas do Maxi Shopping Jundiaí.

Ficha Técnica
Título original: Madame
Nacionalidade: França
Gêneros: Drama, Comédia, Romance
Ano de produção: 2017
Estréia: 29 de março de 2018 (Brasil)
Duração: 1h 30 minutos
Direção: Amanda Sthers
Roteiro: Amanda Sthers, Matthew Robbins, Amanda Sthers
Elenco: Rossy de Palma, Toni Collette, Harvey Keitel, Michael Smiley, Tom Hughes, Violaine Gillibert, Stanislas Merhar, Sue Cann, Ariane Séguillon, Amélie Grace Zhurkin, James Foley, Brendan Patricks, Tim Fellingham, Joséphine de La Baume e Sonia Rolland.
Produção: Cyril Colbeau-Justin, Matthew Gledhill, Didier Lupfer, Alain Pancrazi
Trilha sonora: Matthieu Gonet
Direção de fotografia: Régis Blondeau
Edição: Nicolas Chaudeurge
Design de produção: Herald Najar
Decoração de set: Julyan Giraux
Distribuição: California Filmes

 

CinemaMoviecomarteMoviecomartePrograçãoDe Maio

Submersão no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 3 de maio de 2018 0 Comentários

Religião e ciência, o amor e a solidão, o conhecimento e a ignorância, o fundo do mar e o deserto, esses extremos são os temas centrais desta nova obra do cultuado diretor alemão, Wim Wenders, e que abre a programação de Maio do Moviecom Arte.


Baseado no livro homônio do autor britânico J.M. Ledgard, “Submersão” parte do tórrido e rápido encontro de um casal pouco provável, uma pesquisadora científica e um espião, em um hotel da costa francesa.
As lembranças desse encontro arrebatador acompanharão os dois personagens em momentos em que ambos estarão a um passo da morte, perseguindo seus ideais.


“Submersão”, mais que uma história de amor e de desencontros, é um profundo mergulho na alma humana e o poder de acreditar.
A interpretação de Alicia Vikander e James McAvoy (com uma sintonia e química perfeita); a belíssima fotografia de Benoît Debie; e a capacidade de Wim Wnders de sempre nos surpreender, são alguns dos pontos altos deste filme que você assistirá no Moviecom Arte nos dias 05 e 06 às 11 horas e dia 08 às 14 horas.

Ficha Técnica
Título: Submersão
Título original: Submergence
Nacionalidade: EUA
Gêneros: Suspense, Romance
Ano de produção: 2017
Duração: 1h 52 minutos
Classificação: 14 anos
Direção: Wim Wenders
Roteiro: Erin Dignam, J.M. Ledgard
Trilha sonora: Fernando Velázquez
Direção de fotografia: Benoît Debie
Edição: Toni Froschhammer
Design de produção: Thierry Flamand
Direção de arte: Virginie Hernvann, Florian Müller, Andreas Olshausen
Decoração de set: Deborah Chambers
Figurino: Bina Daigeler
Distribuição: California Filmes

CinemaMoviecomarte

Maio Para Cinéfilos no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 3 de maio de 2018 0 Comentários

Maio é o mês do amor. Regido pelo planeta Vênus, deusa da beleza e do amor, é o mês das mães e das noivas. E quando o cinema fala de amor, ninguém resiste. Ainda mais quando o tema vem pela ótica de cineastas icônicos como o alemão Wim Wenders ou o francês Roman Polanski, ou interpretado por divas como Helen Mirren ou Juliette Binoche.

Essa é a proposta da Programação de Maio do Moviecom Arte: O amor em suas formas mais infinitas.

SUBMERSÃO de Win Wenders

Religião e ciência, o amor e a solidão, o conhecimento e a ignorância, o fundo do mar e o deserto, esses extremos são os temas centrais desta nova obra do cultuado diretor alemão, Wim Wenders, e que abre a programação de Maio do Moviecom Arte.
Baseado no livro homônio do autor britânico J.M. Ledgard, “Submersão” parte do tórrido e rápido encontro de um casal pouco provável, uma pesquisadora científica e um espião, em um hotel da costa francesa.
As lembranças desse encontro arrebatador acompanharão os dois personagens em momentos em que ambos estarão a um passo da morte, perseguindo seus ideais.
“Submersão”, mais que uma história de amor e de desencontros, é um profundo mergulho na alma humana e o poder de acreditar.
A interpretação de Alicia Vikander e James McAvoy (com uma sintonia e química perfeita); a belíssima fotografia de Benoît Debie; e a capacidade de Wim Wnders de sempre nos surpreender, são alguns dos pontos altos deste filme que você assistirá no Moviecom Arte nos dias 05 e 06 às 11 horas e dia 08 às 14 horas.

BASEADO EM FATOS REAIS de Roman Polanski

Pertubador. Essa definição é quase unânime para o novo filme do diretor francês Roman Polanski, que você poderá assistir nos dias 12 e 13 de maio às 11 horas e no dia 15 de maio às 14 horas.
“Baseado em Fatos Reais” é um drama psicológico bem ao estilo de Polanski, onde a loucura e a realidade norteiam e desnorteiam personagens complexos e, ao mesmo tempo, absolutamente comuns.
A história acontece a partir da relação de amorosa entre uma escritora e sua maior fã, que se desenvolve com uma violência crescente, física e psicológica, passando inclusive pela crise de identidade e do antropofagismo em uma relação doentia.
Com roteiro adaptado do livro de mesmo nome escrito pela romancista francesa Delphine de Vigan, “Baseado em Fatos Reais” é estrelado por Emmanuelle Seigner e Eva Green, duas estrelas em atuações irretocáveis.

ELLA E JOHN de Paolo Virzi

O diretor italiano Paolo Virzi é considerado um dos grandes entre os novos talentos do cinema. E neste filme ele reúne um grande elenco de veteranos como Helen Mirren e Donald Sutherland, protagonistas de “Ella e John”, um dos melhores filmes da temporada.
A história gira em torno de um casal de idosos que foge de casa em um trailer, buscando uma última grande aventura. Ele sofre de Alzheimer e ela de um câncer devastador, o que alterna momentos de grande leveza a outros mais densos e tensos.
O roteiro baseado no livro escrito por Michael Zadoorian é envolvente, engenhoso e guarda para o final uma surpresa que muda completamente o desfecho da trama.
“Ella e John” será exibido nos dias 19 e 20 às 11 horas e dia 22 de maio às 14 horas, no Moviecom Arte.

DEIXE A LUZ DO SOL ENTRAR de Claire Denis

A francesa Claire Dennis trabalhou como assistente de grandes cineastas como Jacques Rivette, Costa-Gavras, Jim Jarmusch e Wim Wenders. Essa escola com os maiores mestres contemporâneos influenciaram e formaram um estilo autentico dessa diretora famosa por seus trabalhos vigorosos.
Estrelado pela diva Juliette Binoche e com a participação do sempre maravilhoso Gérard Depardieu , “Deixe a Luz do Sol Entrar” é uma comédia romântica que conta a história de uma artista divorciada, que cria sozinha seu filho e está em busca de um novo grande amor.
Com roteiro de Denis e Christine Angot, o filme é uma sucessão de conversas que vão da trivialidade ao existencialismo quem muito além do romance ou da comédia, é uma jornada de autoconhecimento de uma mulher dos nossos tempos.
“Deixe a Luz do Sol Entrar” fecha a programação do mês de Maio no Moviecom Arte e será exibido nos dias 26 e 27 às 11 horas e dia 29 de maio às 14 horas.

 

__________________________________________

O Moviecom Arte é um projeto da publicitária e produtora Fátima Augusto em parceria com o Moviecom Jundiaí, que há 1o anos traz para a cidade filmes de arte e que não entram no circuito comercial.

Com um horário alternativo dentro da programação do cinema, o Moviecom Arte acontece todos os sábados e domingos às 11 horas e tem ingressos a R$ 10,50 e R$ 5,25.

Moviecom Jundiaí fica no Maxi Shopping – Av. Antônio Frederico Ozanan, 6000 – Vila Rio Branco, Jundiaí – SP

CinemaMoviecomarte

O Crepúsculo de Uma Lenda, na Sala Cult

Postado porTemperos de Cinema 28 de abril de 2018 0 Comentários

John Carroll Lynch tem uma carreira brilhante como ator. Aos 54 anos de idade ele tem um currículo invejável com personagens em filmes e séries como Fargo, The Drew Carey Show, American Horror Story, Gran Torino e mais recentemente em The Founder, onde interpreta o co-fundando da rede mundial McDonalds.
Ele faz sua estreia como diretor em “Lucky”, um cult movie que é um verdadeiro tributo a um dos grandes nomes do cinema independente, Harry Dean Stanton, o icônico ator de “Paris, Texas” de Win Wenders, “Repo Man” de Miguel Sapochnik , “O Poderoso Chefão II” de Francis Ford Coppola e no seriado “Twin Peaks” de David Lynch e Mark Frost.


“Lucky” foi o último filme de Harry Dean Stanton, falecido em setembro de 2017. Escrito especialmente para ele, o filme conta a história de um velho ateu, aos 90 anos, vivendo seus dias à espera da morte em uma inóspita e desinteressante cidadezinha no deserto.


A eminência da morte, o vazio à sua volta, os riscos nas mais ordinárias atividades do dia-a-dia, tudo isso faz de “Lucky” uma profunda reflexão sobre o fim da vida e a solidão implícita neste momento. Embora pareça, não há nada de baixo-astral nisso. “Lucky” é uma exaltação à consciência, ao prazer da independência na última idade.


Esta belíssima homenagem a Harry Dean Stanton, conta ainda com a participação de David Lynch e Ron Livingston. E você poderá vê-lo na Sala Cult do Paineiras Shopping nos dias 29 de abril, às 16 e 19 horas, nos dias 3 e 4 de maio às 19 horas, e no dia 5 de maio às 16 e 19 horas.

Ficha Técnica
Titulo original: Lucky
Nacionalidade: EUA
Gênero: Drama
Ano de produção: 2017
Classificação: 16 anos
Duração: 1h 28 minutos
Direção: John Carroll Lynch
Elenco: Harry Dean Stanton, Ron Livingstonm, Ed Begley Jr., Tom Skerritt, Beth Grant, James Darren, Barry Shabaka Henley, Yvonne Huff, Hugo Armstrong, Bertila Damas, Ana Mercedes, Sarah Cook,Amy Claire, Ulysses Olmedo e David Lynch
Roteiro: Logan Sparks, Drago Sumonja
Música: Elvis Kuehn
Fotografia: Tim Suhrstedt
Edição: Robert Gajic
Produção de Design: Almitra Corey
Figurino: Lisa Norcia
Distribuidora: Imovision

CinemaMoviecomarteMoviecomarte

Eu, Tonya, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 19 de abril de 2018 0 Comentários

“Eu, Tonya”, filme da semana no Moviecom Arte, conta a história da patinadora artística Tonya Harding que brilhou entre as décadas de 80 e 90 e também se tornou uma das figuras mais polêmicas do meio esportivo.


Dirigido por Craig Gillespie e com roteiro de Steven Rogers baseado na biografia e relatos da própria Tony Harding, esta cinebiografia conta a história da primeira patinadora norte-americana a fazer o dificílimo salto Axel triplo e que revolucionou o esporte ao usar rock, música pop e trilha de filmes em suas apresentações.

Apesar de todo o reconhecimento, sua determinação inabalável, seu perfil competitivo e seu temperamento difícil, levaram Tonya a se envolver em polêmicas que terminaram encerrando precocemente sua carreira.


Em uma excelente performance a atriz Margot Robbie, indicada ao Oscar de Melhor Atriz por este trabalho, interpreta Tonya Harding em diversos momentos de sua vida, do estrelato na adolescência ao esquecimento nos tempos atuais. A ex-atleta hoje tem 47 anos.


O filme teve mais duas indicações ao Oscar: Melhor Montagem e Melhor Atriz Coadjuvante. Acabou levando este último pelo também impecável desempenho da atriz Allison Janney.
Mas esqueça as fórmulas tradicionais das cinebiografias. “Eu, Tonya” surpreende também pela narrativa super original. E você poderá conferir tudo isso no Moviecom Arte nos dias 21 e 22 de abril às 11 horas e dia 24 de abril às 14 horas.

Ficha Técnica
Título: Eu, Tonia
Titulo original: I, Tonya
Nacionalidade: EUA
Gêneros: Biografia, Drama
Ano da produção: 2017
Duração: 2 horas
Direção: Craig Gillespie
Roteiro: Steven Rogers
Produção: Tom Ackerley, Len Blavatnik, Margot Robbie, Steven Rogers
Música: Peter Nashel
Fotografia: Nicolas Karakatsanis
Edição: Tatiana S. Riegel
Design de produção: Jade Healy
Direção de arte: Andi Crumbley
Figurino: Jennifer Johnson
Estúdios: Clubhouse Pictures (II), LuckyChap Entertainment
Distribuição: California Filmes

CinemaMoviecomarte

A Livraria, na Sala Cult

Postado porTemperos de Cinema 7 de abril de 2018 0 Comentários

Livros são os sonhos de muitos e o pesadelo de outros tantos. “A Livraria”, um belíssimo filme da diretora espanhola Isabel Coixet, mostra a batalha entre o bem e o mal, personificados nos personagens da sonhadora dona de uma livraria e uma vilã tão poderosa quanto perversa.


O roteiro adaptado pela própria Coixet a partir do best seller “The Bookshop”, da escritora inglesa Penélope Fitzgerald, vai muito além do maniqueísmo, para mostrar que a vida só faz sentido quando se tem uma motivação, seja ela para o bem ou para o mal.

Ninguém pode se sentir sozinho entre livros.

A trama gira em torno de Florence Green (Emily Mortimer), uma viúva sem filhos, apaixonada por livros e que decide realizar seu sonho de ter uma livraria, buscando dar sentido à sua vida. Ela compra uma casa abandonada, a “Old House”, onde monta sua residência e a livraria.


Talvez buscando também algo para dar sentido à sua vida, Violet Gamard (Patricia Clarkson), poderosa socialite esposa de um militar, começa uma cruzada contra o sonho de Florence, disposta a fazer qualquer coisa para fechar a livraria.
Dois outros personagens mercem destaque na trama: a pequena ajudante da livraria e o primeiro cliente. A menina representa a inocência que busca abrigo no universo de sonhos criados pelos livros. Já o primeiro cliente é um homem velho, que representa a desilusão, que igualmente busca abrigo nos livros.


Ganhador dos Prêmios Goya de Melhor Filme, Melhor Diretor e Melhor Roteiro Adaptado, “A Livraria” é um filme delicado, sensível e envolvente, que você poderá assistir esta semana no Sala Cult no Paineiras Shopping, nas sessões:
– Domingo, dia 08 de abril às 16 e 19 horas
– Quinta e Sexta, dias 12 e 13 de abril, às 19 horas
– Sábado, dia 14 de abril, às 16 e 19 horas

Ficha Tecnica
Título: A Livraria
Título original: The Bookshop
Nacionalidades: Espanha, Reino Unido, Alemanha
Gênero: Drama
Ano de produção: 2017
Estréia: 22 de março de 2018 (Brasil)
Duração: 1h 53 minutos
Classificação: 10 anos
Direção: Isabel Coixet
Roteiro: Isabel Coixet. Baseado no livro escrito por Penelope Fitzgerald
Elenco: Emily Mortimer, Patricia Clarkson, Bill Nighy
Produção: Jaume Banacolocha, Joan Bas, Jordi Berenguer, Adolfo Blanco, Sol Bondy, Alex Boyd, Ricardo Marco Budé, Chris Curling, Manuel Monzón, Paz Recolons, Fernando Riera, Albert Sagalés, Ignacio Salazar-Simpson, Thierry Wase-Bailey, Jamila Wenske, Henriette Wollmann
Trilha sonora: Alfonso de Vilallonga
Direção de fotografia: Jean-Claude Larrieu
Edição: Bernat Aragonés
Direção de arte: Marc Pou
Figurino: Mercè Paloma
Distribuição: Cineart Filmes

CinemaMoviecomarteMoviecomarte

Em Pedaços, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 6 de abril de 2018 0 Comentários

Escrito e dirigido por Faith Akin, “Em Pedaços” foi selecionado para representar a Alemanha no Oscar 2018 mas ficou fora da lista final de indicados ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.


Com inspiração hollywodiana este drama cheio de reviravoltas começa com o casamento de um presidiário, o traficante Nuri (Numan Acar) e a jovem Katja (Diane Kruger). Um salto no tempo e encontramos o casal com um filho, vivendo como uma família comum, estabelecida e feliz..
Tudo muda quando Katja perde o marido e o filho em um atentado terrorista. Em uma atuação que lhe valeu o prêmio de melhor atriz no Festival de Cannes, Diane Kruger imprime tanta veracidade à sua interpretação que é impossível não sofrer junto com a personagem nesse momento de dor.


E quando tudo parece girar em torno do sofrimento e a necessidade de recomeçar da personagem, a discussão sobre o atentado assume o primeiro plano e o filme se volta para a bordagem de temas como a intolerância racial, questões políticas e sociais. Em mais uma reviravolta na trama, a personagem vai fazer justiça pelas próprias mãos.
Este é o filme da semana no Moviecom Arte, projeto exclusivo do Moviecom Cinemas do Maxi Shopping Jundiaí, que abre espaço para o cinema independente e de arte. Você poderá vê-lo nos dias 07 e 08 de abril às 11 horas e no dia 10 de abril às 14 horas.

Ficha Técnica
Título: Em Pedaços
Titulo Original: Aus dem Nichts
Nacionalidades: Alemanha, França
Gêneros: Drama, Suspense
Ano de produção: 2017
Duração: 1h 46 minutos
Direção: Fatih Akın
Roteiro: Fatih Akin, Hark Bohm
Elenco: Diane Kruger, Numan Acar, Ulrich Tukur
Produção: Fatih Akin, Mélita Toscan du Plantier, Ann-Kristin Hofmann, Nurhan Sekerci-Porst
Música: Josh Homme
Fotografia: Rainer Klausmann
Edição: Andrew Bird
Produção de Design: Tamo Kunz
Direção de arte: Seth Turner
Figurino: Katrin Aschendorf
Estúdio: Bombero International, Macassar Productions
Distribuição: Imovision 

 

oscar-melhor-filme-indicado
CinemaMoviecomarteMoviecomarte

Mudbound, Lágrimas sobre o Mississipi, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 21 de março de 2018 0 Comentários

Se tem uma coisa que ficou bem nítida na festa do Oscar 2018 foi a oposição de Hollywood ao governo Trump e seu discurso racista, xenófobo, machista, homofóbico, etc, etc e etc.
E tudo aquilo que parece incomodar muito o presidente dos Estados Unidos estava super bem representado tanto no discurso dos filmes indicados quanto no discurso das celebridades que subiram ao palco para apresentar ou receber o prêmio.


As questões raciais sempre renderam excelentes filmes em Hollywood. Muitos chegaram a receber indicações e vários foram devidamente premiados. Este ano o tema foi magnificamente abordado em “Mudbound – Lágrimas sobre o Mississipi”, uma das críticas mais ferozes à questão racial na América do Norte.


Escrito e dirigido por Dee Rees (que merecia pelo menos ser a primeira mulher negra indicada ao Oscar de melhor direção), este filme foge às narrativas de seus antecessores ao traçar um paralelo entre a Segunda Guerra Mundial e guerra racial que acontecia no interior dos Estados Unidos, com sua trama centralizada no conflito entre duas famílias (uma negra e outra branca) que trabalham em uma mesma propriedade rural nos cafundós do Mississipi.

“‘Mudbound – Lágrimas sobre o Mississipi” teve 4 indicações ao Oscar (Fotografia, Roteiro Adaptado, Atriz Coadjuvante, e Música Original) e não levou nenhum, embora merecesse muito cada um deles e até outros aos quais não foi indicado. Mas o filme deixou sua marca, aliás várias.


Entre elas a indicação de Rachel Morrison ao Oscar de Melhor Fotografia, se tornando a primeira mulher indicada ao prêmio. E com todo o mérito pois seu trabalho em “Mudbound” é belíssimo.
Este é o filme da semana no Moviecom Arte, na série de filmes que marcaram o Oscar 2018. “Mudbound – Lágrimas sobre o Mississipi” será exibido nos dias 24 e 25 de março às 11 horas e no dia 27 às 14 horas.

Ficha Tecnica
Título: Mudbound – Lágrimas sobre o Mississipi”
Título original: Mudbound
Nacionalidade: EUA
Gênero: Drama
Ano de produção: 2017
Duração: 2h 14 minutos
Classificação: 16 anos
Direção: Dee Rees
Roteiro: Virgil Williams, Dee Rees, Hillary Jordan
Produção: Dee Rees, Evan Arnold, Carl Effenson, Sally Jo Effenson, Cassian Elwes, David Gendron, Poppy Hanks, Ali Jazayeri, Charles D. King, Charles D. King, Paul A. Levin
Trilha sonora: Tamar-kali
Fotografia: Rachel Morrison
Edição: Mako Kamitsuna
Design de produção: David J. Bomba
Direção de arte: Arthur Jongewaard, Nóra Takács
Figurino: Michael T. Boyd
Estúdios: Armory Films, ArtImage Entertainment, Black Bear Pictures, Elevated Films, MACRO, MMC Joule Films, Zeal Media
Distribuição: Diamond Films

blog temperos de cinema sala cult filme lou
CinemaMoviecomarteSem categoria

Sala Cult Apresenta: Lou

Postado porTemperos de Cinema 15 de março de 2018 0 Comentários

O filme da semana no Sala Cult é “Lou”, que conta a vida daquela que foi a primeira mulher na psicanálise e no estudo da sexualidade feminina.

E a vida da filosofa e psicanalista Lou Andreas-Salomé (1861-1937) foi fascinante, para dizer o mínimo. Seu pioneirismo se estendeu em praticamente tudo. Seu triangulo amoroso com os filósofos Friedrich Nietzsche e Paul Rée, seu relacionamento com o poeta Rainer Maria Rilke e sua convivência com Sigmund Freud, revelam uma mulher brilhantemente transgressora e muito à frente de seu tempo.

blog temperos de cinema sala cult filme lou
Filme de estreia da diretora Cordula Kablitz-Post, “Lou” começa mostrando uma fogueira com livros sendo queimados, enquanto o áudio reproduz um discurso de Hitler condenando a psicanálise e outras expressões intelectuais às chamas.
Renegada às sombras da eternidade, como é muito comum a várias mulheres na história da humanidade, Lou Andreas-Salomé vem sendo redescoberta como um dos grandes nomes do feminismo.

blog temperos de cinema sala cult filme lou
Ela é personagem central da trama e à sua volta gravitam alguns dos homens mais brilhantes de todos os tempos. Uma das cenas mais simbólicas do filme mostra Lou sobre uma carroça “puxada” por Rée e Nietzsche, reprodução de uma imagem que ficou famosa e correu o mundo na época.

blog temperos de cinema sala cult filme lou
O imperdível “Lou” será exibido no Sala Cult , no Paineiras Shopping Jundiaí, dia 11 de março às 16 e às 19 horas, dias 15 e 16 de março às 19 horas e dia 17 de março às 16 e 19 horas.
.
Veja o trailer: 

Ficha Técnica:
Título: Lou
Título original: Lou Andreas-Salomé
Nacionalidades: Alemanha, Suiça
Gêneros: Drama, Histórico, Biografia
Ano de produção: 2016
Duração: 1h 53 minutos
Classificação: 16 anos
Direção: Cordula Kablitz-Post
Roteiro: Cordula Kablitz-Post, Susanne Hertel
Trilha sonora: Judit Varga
Fotografia: Matthias Schellenberg
Edição: Beatrice Babin
Design de produção: Nikolai Ritter
Figurino: Bettina Helmi
Distribuição: Cineart Filmes

blog temperos de cinema sala cult filme lou