Tag

#drama

CinemaSala Cult

A Vida da Poetiza Emily Dickinson em Além das Palavras

Postado porTemperos de Cinema 22 de Abril de 2018 0 Comentários

“O êxito parece doce a quem não o alcança”. Esta frase de Emily Dickinson (1830-1886) diz muito sobre a própria autora, que ao lado de Walt Whitman, é considerada o mais importante nome da literatura americana do século XIX e uma das maiores poetizas de todos os tempos.


A vida de Emily Dickinson está no filme “Além das Palavras”, brilhante trabalho do diretor Terence Davies e trazendo Cynthia Nixon em uma atuação irretocável. Este é o filme da semana no Sala Cult.
Conhecida como “a grande reclusa”, Emily nunca se casou e passou a maior parte de sua vida na casa de seus pais, de onde saiu pouquíssimas vezes para alguma viagem. Começou a escrever aos 20 anos e produziu perto de 1.800 poemas, dos quais apenas 10 foram publicados em vida.


Terence Davies também assina o roteiro de “Além das Palavras”, fazendo um impressionante trabalho de reconstituição da vida da poetiza a partir de sua obra e de cartas escritas para parentes, para amigos e para pessoas por quem se apaixonou.
“Além das Palavras” desvenda o que apenas se supunha e mostra os conflitos internos que marcaram a vida de Emily Dickinson e se transformaram nos enigmas e singularidades de sua produção literária.


O título original, “A Quiet Passion”, também traduz perfeitamente a vida de Emily, uma mulher à frente de seu tempo mas condenada por ele a viver suas paixões em silêncio. .
Você não pode perder este magnifico filme que será exibido nos dias 22, 26, 27 e 28 de abril, na Sala Cult do Paineiras Shopping.

FICHA TÉCNICA
Título: Além das Palavras
Título Original: A Qiet Passion
Direção: Terence Davies
Roteiro: Terence Davies
Elenco: Cynthia Nixon, Keith Carradine, Jennifer Ehle, Joanna Bacon, Duncan Duff, Catherine Bailey, Emma Bell
Fotografia: Florian Hoffmeister
Gênero: Drama biografico
Fotografia: Florian Hoffmesister
Música: Merijn Sep
Trilha Sonora: Schubert/Beethoven/Chopin/Bellini
País: Estados Unidos
Duração: 125 min
Distribuição: CineArt Filmes 

CinemaFilmes da semanaMoviecomarte

O Feminismo Além do Feminismo em A Número Um

Postado porTemperos de Cinema 11 de Abril de 2018 0 Comentários

Emmanuelle Blachey é uma mulher como milhões de outras em todo o mundo, tendo que dar conta da casa, dos filhos, cuidar do pai idoso e ainda ser uma profissional dedicada em um ambiente de trabalho onde a mulher é menos valorizada que os homens.
Embora o tema central do filme “A Número Um” gire em torno do machismo que insistie e resiste nos meios corporativos, esta obra da diretora francesa Tonie Marshall não levanta a bandeira do feminismo e se limita a mostrar apenas a realidade de uma mulher e sua luta nos bastidores de uma disputa pelo poder.


Brilhantemente interpretada por Emmanuelle Devos a personagem Emmanuelle Blachey é uma executiva de uma empresa de energia que, incentivada por um clube feminista, resolve competir pela presidência de uma importante indústria francesa de água.


Sempre distante das discussões feministas a personagem no entanto vê na proposta uma ótima oportnidade de crescimento profissional e ao aceitar o desafio abre seus olhos para essa triste realidade. “A Número Um” mostra que o empoderamento maior da mulher é sua conscientização, muito antes de seu sucesso profissional.
Este é o filme da semana no Moviecom Arte com sessões nos dias 14 e 15 de Abril às 11 horas e dia 17 de abril às 14 horas.

Ficha Técnica
Título: A Número Um
Título original: Numéro Une
Nacionalidade: França
Gênero: Comédia dramática
Ano de produção: 2017
Duração: 1h 50 minutos
Direção: Tonie Marshall
Roteiro: Tonie Marshall, Raphaëlle Bacqué, Marion Doussot
Elenco: Emmanuelle Devos, Richard Berry, Sami Frey Suzanne Clément, Anne Azoulay, Benjamin Biolay, Carole Bouquet e Francine Bergé
Trilha sonora: Fabien Kourtzer, Mike Kourtzer
Direção de fotografia: Julien Roux
Edição: Marie-Pierre Frappier
Design de produção: Anna Falguères
Decoração de set: Matthieu Guy
Figurino: Anne Autran, Elisabeth Tavernier
Distribuição: Imovision

CinemaFilmes da semana

Mulheres Divinas Vão à Luta

Postado porTemperos de Cinema 17 de Janeiro de 2018 0 Comentários

O comecinho dos anos 70 foi tudo, menos calmo. No mundo inteiro bombas metafóricas e também as reais explodiam, milhões marchavam em manifestações, muitos enfrentavam violentamente a polícia, gritos nas ruas e no rock’n’roll, gritos nas artes em geral, a contracultura derrubava conceitos, o amor livre decretava a revolução sexual, Stonewall reverberava dando voz e visibilidade à causa gay, a pílula anticoncepcional destruia o mito do sexo com fins reprodutivos… e as mulheres decidiram sair definitivamente das sombras e queimaram sutiãs em praças públicas.

Trogen, Appenzell, Schweiz, 30. Maerz 2016 - Die goettliche Ordnung, Standbild Film Szene 66, 78 und 105.
Longe dos grandes centros urbanos essa agitação perdia em intensidade mas não em força. É o que nos mostra a diretora Petra Biondina Volpe em “Mulheres Divinas” que mostra um pequeno e feroz grupo de donas de casa lutando pelo direito ao voto em uma pequena aldeia no interior da Suíça.

aaaa
Lideradas pela jovem Nora (Marie Leuenberger), que até então vivia tranquilamente com seu marido e dois filhos, o pitoresco grupo literalmente causa todas em sua campanha pela igualdade de direitos.

The-Divine-Order-2
“Mulheres Divinas” fala sobre o tema com coerência e sem se tornar um chato e cansativo filme sobre ideologias.
Representante da Suíça para o Oscar 2018 na categoria Filme Estrangeiro, “Mulheres Divinas” é o filme da semana no Moviecom Arte e você poderá assistir nos dias 20 e 21 de janeiro no Moviecom Cinemas do Maxi Shopping Jundiaí, sempre às 11 horas.


Ficha Técnica
Título: Mulheres Divinas
Título Oiginal: Die Gttliche Odnung
Direção: Petra Biondina Volpe
Elenco: Marie Leuenberger, Maximilian Simonischek e Rachel Braunschweig
País: Suíça
Gênero: Dama
Ano de produção: 2017
Distribuição: Mares Filmes

filme 0590045.jpg-r_1200_1764-f_jpg-q_x-xxyxx (1)

sobrenatural---destino-de-uma-nação728x90

CinemaFilmes da semana

Uma Mulher Fantática no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 10 de Janeiro de 2018 0 Comentários

Triângulos amorosos estão presente na literatura, cinema e na música desde sempre e esse é o ponto de partida do roteiro do filme “Uma Mulher Fantástica”, premiado com o Urso de Prata no Festival de Berlim.

aaaa-805580x433
Dirigido pelo argentino Sebastián Lelio, este filme vai muito além do drama passional e aborda de maneira muito contundente o preconceito. A mulher fantástica do filme é Marina, uma garçonete e cantora de boate, que é a outra nesse triângulo amoroso e também uma transexual.

0dcefef429509f57d1dbc8f2032811dd77ad9d43
De amante à oficial, ela vive por um curto tempo o que talvez fosse seu ideal de vida perfeita, até que após uma noite de amor, seu companheiro morre. E começa então o calvário da personagem, que se torna suspeita de crime e passa por todo tipo de humilhação junto à polícia e a família do falecido.

005949.jpg-r_1280_720-f_jpg-q_x-xxyxx
Sempre sóbria e discreta, dona de uma força sobrenatural expressa em seu olhar, Marina não se vitimiza diante da intolerância, ignorância e hipocrisia. Interpretada por Daniela Vega uma atriz e cantora lírica que também é trans, o que confere à personagem uma dimensão que supera a ficção.

uma-mulher-fantastica
Este é o filme da semana no Moviecom Arte e será exibido nos dias 13 e 14 de janeiro, às 11 horas, no Moivecom Cinemas do Maxi Shopping Jundiaí.


Ficha Técnica
Título: Uma Mulher Fantástica
Título Original: Una Mujer Fantástica
Direção: Sebastián Lelio
Elenco: Daniela Vega, Francisco Reyes, Luis Gnecco e Aline Küppenheim
País de Origem: Chile
Gênero: Drama
Ano: 2017
Classificação: 14 anos
Distribuição: Imovision

1314

CinemaFilmes da semana

O Outro Lado da Esperança

Postado porTemperos de Cinema 3 de Janeiro de 2018 0 Comentários


O drama dos refugiados em todo o mundo é um tema que muitos diretores vem abordando nos últimos anos. Entre outros filmes, exibimos no mês passado o documentário “|Human Flow”, de Ai Weiwei, falando sobre esse assunto.
E não é para menos, segundo dados da ONU em 2015 já se contabilizava mais de 65 milhões de refugiados em todo mundo. Pessoas fugindo de guerras, da fome e da miséria, bem como de governos opressores.
Esse tema cai como uma luva para o diretor finlandês Aki Kaurismäki que tem sua filmografia quase sempre falando de uma Finlândia de onde todos desejam fugir. Dono de um estilo instigante, a beleza de seus filmes se deve em grande parte à extrema simplicidade estética, à precisão de seus enquadramentos e da narração sofisticada, com muitas referências aos anos 70.

out01-750x380
Abrindo a temporada 2018 o Moviecom Arte orgulhosamente apresenta “O Outro Lado da Esperança”, o 17º longa de Aki Kaurismäki, que conta história de Khaled (Sherwan Haji), um refugiado sírio que chega clandestinamente à Helsinque depois de percorrer vários países. Com seu visto de asilo negado ele é preso mas foge e passa a viver ilegalmente no país, sempre em busca de uma irmã desaparecida.

TThe-Other-Side-Of-Hope (1)
O que Kaurismäki mostra em “O Outro Lado da Esperança” vai além do drama dos refugiados. Ele expõe de forma bastante irônica e anarquista a instabilidade social nos países europeus, o medo do terrorismo e o avanço do conservadorismo e dos nacionalismos.

toivontuollapuolen_249876
Esse é o filme da semana no primeiro Moviecom Arte de 2018 e será exibido nos dias 06 e 07 de janeiro, Sábado e Domingo, às 11 horas da manhã no Moviecom Cinemas do Maxi Shopping Jundiaí.

Ficha Técnica:
Nome: O outro lado da esperança
Nome Original: Toivon tuolla puolen
País de Origem: Finlândia
Ano de produção: 2017
Gênero: Comédia dramática
Duração: 100 min
Classificação: 12 anos
Direção: Aki Kaurismäki
Elenco: Ville Virtanen, Kati Outinen, Tommi Korpela

Distribuição: Imovision

606566

touro-ferdinando-728x90

 

CinemaFilmes da semana

Histórias de Amor… no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 13 de dezembro de 2017 0 Comentários

A vida imita a arte. E vice-versa. O mundo do cinema, assim como o mundo real, é ainda comandado fortemente por homens e raras ainda são as mulheres que conseguem se impor e sobressair nesse meio onde há muito machismo.
Mas o empoderamento feminino, sobretudo nas últimas 5 décadas, fez as mulheres avançarem na luta por seus direitos e na igualdade em todos os segmentos da sociedade. E no cinema não poderia ser diferente.

430903.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx_0
“Histórias de Amor que não Pertencem a este Mundo” é um belo exemplo disso tudo. Escrito por 3 mulheres (Francesca Manieri, Laura Paolucci e Francesca Comencini) e dirigido por uma delas (Francesca Comencini), este filme é um drama romântico italiano sobre relações mas visto pela óptica feminina.

histórias-de-amor-que-não-pertencem-filme
Todas as frustrações, ansiedades e aspirações da mulher contemporânea são captadas através da personagem Claudia, uma professora e feminista interpretada por Lucia Mascino, que no confronto de um relacionamento fracassado expõe suas próprias deficiências e medos internos, frutos da falta de alegria que constitui sua existência.

histc3b3rias-de-amor-que-nc3a3o-pertencem-a-este-mundo
Esse é o filme da semana no Moviecom Arte, com exibições dias 16 e 17 de dezembro às 11 horas e dia 19 de dezembro às 14 horas, no Moviecom Cinemas do Maxi Shopping Jundiaí.

3f0dc5075701d5d5db787404ede5fb5f_XL

Ficha Técnica
Título Original: Amori Che Non Sanno Stare Ao Mondo.
Título no Brasil: Histórias de Amor Que Não Pertencem a Este Mundo
Direção: Francesca Manieri
Roteiro: Comencini/Francesca Manieri/Laura Paolucci
Elenco: Lucia Mascino, Thomas Trabacchi, Carlotta Natoli, Valentina Bellé e Francesca Manieri
Categoria: Drama romântico
País de Origem: Itália
Ano de Produção: 2017
Distribuição: Mares Filmes

star-wars-extraordinário728x90f

CinemaFilmes da semana

Rock’n’Roll, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 15 de novembro de 2017 0 Comentários

O real e a ficção se misturam na comédia romântica Rock’n’Roll – Por Trás da Fama, do diretor francês Guillaume Canet, que também interpreta o personagem principal ao lado de sua mulher, a diva Marion Cotillard.

282440
No filme eles interpretam um casal de atores que se conhece e se envolve durante a produção de um filme. A intimidade do casal se mistura a de seus personagens e também ao casal da vida real.
Segundo o diretor, que também assina o roteiro junto de Rodolphe Laupe e Philippe Lefebvre, “Rock’n roll — Por trás da fama” nasceu da constatação de que as pessoas têm uma percepção muito equivocada da verdadeira rotina dos artistas. Sua primeira intenção era fazer um documentário, que depois virou essa ficção.

mv5bmzuwzdfly2itndc5mc00nwe1lwfimwmtotm1njgxmwixn2zkl2ltywdll2ltywdlxkeyxkfqcgdeqxvyntu5ntk3mda._v1_sy1000_cr0014991000_al__1 085860
O filme não faz uma reflexão muito profunda sobre o assunto, mas cumpre com perfeição o papel de fazer rir e se emocionar com as particularidades e excentricidades que, afinal de contas, fazem parte da vida de todos os casais.
Este é o filme da semana no Moviecom Arte, dias 18 e 19 de novembro às 11 horas e dia 21 de novembro às 14 horas

Ficha Técnica
Título: Rock’n Roll – Por trás da fama
Título Original: Rock’n Roll
País de Origem: França
Ano de produção: 2016
Gênero: Drama, Comédia
Direção: Guillaume Canet
Elenco: Guillaume Canet, Marion Cotillard, Philippe Lefebvre

Distribuição: Mares filmes

0413298

 

Promoção-precinho-Liga-da-Justiça728x90

CinemaFilmes da semana

Uma Razão Para Recomeçar, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 8 de novembro de 2017 0 Comentários

Uma história de amor, superação e muitas lágrimas, “Uma Razão Para Recomeçar” de Drew Waters, é um drama romântico daqueles que marejam os olhos até dos mais durões.
Jonathan Patrick Moore e Erin Bethea, são os protagonistas da trama que conta a história de um casal que se conhece desde a infância e vivem um amor que sobreviveu a várias provas ao longo dos anos e que agora, quando estão casados e construindo uma família, são colocados novamente em teste depois de uma tragédia.

1591446.jpg-r_640_360-f_jpg-q_x-xxyxx
Se a fórmula não é exatamente nova e original, Drew Waters consegue trazer de volta para as telas, com roupagem atualizada, aqueles filmes onde as pessoas se enxergam em personagens comuns e em histórias possíveis de acontecer a qualquer pessoa.
Jonathan Patrick Moore e Erin Bethea não são atores estreantes mas também não são grandes estrelas de Hollywood. E talvez tenha sido esse um dos maiores acertos do diretor, trazendo dois rostos recém tirados do mundo real, o que confere ainda mais autenticidade ao drama. E a sintonia dos dois também é um dos pontos altos do filme.

39uir4u9a1wt6jk9s8prnwpag
“Uma Razão Para Recomeçar” é o filme da semana no Moviecom Arte com exibição nos dias 11 e 12 de novembro às 11 horas e dia 14 de novembro às 14 horas.

b61e92b5bd94477b5056917a080d4cab_XL
Ficha Técnica:
Título original: New Life
Título em Português: Uma Razão Para Recomeçar
País: Estados Unidos
Ano: 2016
Direção: Drew Waters
Roteiro: Erin Bethea, Candice Irion, Josh Spake, Drew Waters
Elenco: Jonathan Patrick Moore, Erin Bethea, Terry O’Quinn, Bill Cobbs , James Marsters
Distribuição: Cineart

Promoção-precinho-Liga-da-Justiça728x90

 

CinemaFilmes da semana

Os Meninos Que Enganavam Os Nazistas, No Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 18 de setembro de 2017 0 Comentários


“Os Meninos Que Enganavam Os Nazistas”, do diretor canadense Christian Duguay é um filme super fiel ao best-seller “Un sac de billes” – drama autobiográfico de Joseph Joffo – que conta a história do autor e de seu irmão, quando tinham 10 e 12 anos, durante a ocupação da França pelos nazistas.

os-meninos-que-enganavam-nazistas-un-sac-de-billes
Trata-se de um remake, já que o mesmo livro foi adaptado para o cinema em 1975 pelo diretor francês Jacques Doillon. No entanto, a versão de Christian Duguay registra com mais ternura e humor a epopeia dos irmãos e de sua família por esse período conturbado e faz ainda uma bela reflexão sobre os horrores da guerra ao colocar a narrativa sob o olhar de uma criança.

110201.jpg-r_1280_720-f_jpg-q_x-xxyxx
Um dos pontos altos deste filme é o trabalho do diretor com os dois atores mirins que interpretam os irmãos Joseph e Maurice, em um desempenho tão realista que convence e insere o público no drama repleto de dissabores e desafios.
Ressaltando valores como a irmandade e humanidade em tempos de guerra e a importância da fé e da família são elementos que deixam a película inspiradora e esperançosa, apesar das tristezas. O desfecho amargo, agrada, emociona e nos faz refletir. Difícil é conter as lágrimas ao final.

UnSacDeBilles-2017
Este é o filme da semana no Moviecom Arte, nos dias 23 e 24 de setembro, sempre ás 11 horas.
Ficha Técnica
Título: Os Meninos Que Enganavam Os Nazistas
Título Original: Un Sac De Billes
Direção: Christian Duguay
Roteiro: Christian Duguay e Benoît Guichard (baseado no roteiro original de Jonathan Allouche e Alexandra Geismar e na obra de Joseph Joffo)
Elenco: Dorian Le Clech, Batyste Fleurial, Patrick Bruel, Elsa Zylberstein, Bernard Campan, Kev Adams, Christian Clavier, César Domboy, Ilian Bergala, Emile Berling, Jocelyne Desverchère, Coline Leclère, Holger Daemgen
País de Origem: França, Canadá e República Checa
Ano de Produção: 2017
Distribuição: Paris Filmes

468bf5f58391799e4cdbe1b20493193a_XL

Amityville-+-Feito-na-América728x90

CinemaFilmes da semana

A Vida De Uma Mulher, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 21 de agosto de 2017 0 Comentários

Baseado no romance de Guy de Maupassant “A Vida De Uma Mulher”, de Stéphane Brizé, conta a história de uma mulher burguesa do século XIX, que vive oprimida e sufocada por uma sociedade extremamente conservadora e machista.

1719166
Após completar os estudos, Jeanne retorna à casa dos pais e passa a ajudá-los nas tarefas do campo. Ela é uma moça talentosa e cheia de vida, mas condenada a viver conforme os padrões da época. O casamento com um visconde infiel e avarento vai aos poucos destruindo a alegria de viver de Jeanne.

slide_avida1-800x555
A Vida de Uma Mulher possui narrativa lenta e cheia de lacunas pra serem preenchidas com vivência de cada um e isso torna o filme ainda mais interessante. Todos nós conhecemos muitas mulheres iguais a ela. Mesmo depois de tantos séculos, a opressão vivida pelas mulheres ainda persiste, com maior ou menor intensidade.

slide_avida4-800x555
Em seu filme anterior, “O Valor De Um Homem”, considerado um dos melhores de 2016, Brizé mostrava os dilemas pessoais de um homem me meia idade na sociedade contemporânea. Em “A Vida De Uma Mulher”, o diretor volta 2 séculos na história para fazer um esmagador e triste manifesto sobre a situação da mulher na sociedade através dos tempos.
Esse é o filme desta semana no Moviecom Arte, com sessões dias 26 e 27 de agosto, às 11 horas, no Moviecom Cinema do Maxi Shopping Jundiaí. Você não pode perder.

230276

Ficha Técnica
Título: A Vida De Uma Mulher
Título Original: Une Vie
País de Origem: França
Ano: 2017
Direção: Stéphane Brizé
Roteiro: Brizé/Florence Vignon, baseado no romance Une Vie, de Guy de Mausássant
Elenco: Judith Chemla, Jean-Pierre Darroussin e Yolande Moreau
Gênero: Drama
Distribuição: Mares Filmes

728x90 (5)