Tag

cultura

Moviecomarte

A Guerra Pela Perpectiva Feminina

Postado porTemperos de Cinema 31 de janeiro de 2020 0 Comentários

Trazendo a perscpectiva feminina para o tema da guerra, em Filhas do Sol a cineasta Eva Husson mostra uma visão muito peculiar sobre o conflito no Curdistão. No centro da trama estão duas personagens fortes. Uma delas é Mathilde (Emmanuelle Bercot), uma jornalista tarimbada, acostumada a transitar entre escombros e a se esquivar de projéteis e minas. Ela é a testemunha, aquela que, além da câmera, carrega as marcas do trabalho.


A outra é Bahar (Golshifteh Farahani), líder do batalhão de mulheres, combatente feroz que investiga locais em busca do filho sequestrado, toma à frente das iniciativas, expondo a importância da maternidade como vínculo essencial (motriz) à determinação de seguir em frente. Ambas são mães e a despeito dos mundos diferentes em que vivem, possuem suas similaridades.


O que Filhas do Sol tem de mais potente é a capacidade de esquadrinhar o feminino nesse contexto dominado por homens. Elas sofrem toda sorte de infortúnios, ainda mais numa circunstância como aquela em que a força bruta, supostamente um predicado deles, é determinante para que vitórias sejam conquistadas.


Filhas do Sol é o filme que abre a programação de fevereiro do Moviecom Arte e será exibido nos dias 01 e 02 de fevereiro às 11 horas e no dia 04 às 14 horas.

Trailer:

Ficha Técnica
Título original: Les Filles du soleil
Nacionalidade: França
Gênero: Drama
Ano de produção: 2018
Estréia: 26 de setembro de 2019 (Brasil)
Duração: 1h 51min
Classificação: 16 anos
Direção: Eva Husson
Roteiro: Eva Husson
Trilha sonora: Morgan Kibby
Direção de fotografia: Mattias Troelstrup
Edição: Emilie Orsini
Direção de elenco: El Amrani Bahijja
Direção de arte: David Bersanetti
Figurino: Marine Galliano, Simon Matchabeli
Distribuição: California Filmes

Moviecomarte

A Ópera de Paris no Sala Cult

Postado porTemperos de Cinema 1 de abril de 2018 0 Comentários

Por trás da beleza e grandiosidade dos espetáculos, A Ópera de Paris também tem o seu lado mundano, como o de qualquer grande empresa. É o que nos mostra o brilhante documentário, de Jean-Stéphane Bron, aclamado e premiado no Festival Internacional de Cinema de Moscou.


Criada em 1669 por Pierre Perrin, em 360 anos de história a Ópera de Paris consolidou-se não só como a instituição cultural mais bem sucedida e famosa da França, mas também como um dos pilares da formação da identidade cultural francesa.
Jean-Stéphane Bron literalmente viveu toda uma temporada da Ópera e nos leva a participar de forma privilegiada das reuniões executivas, das seleções de artistas, dos ensaios e das noites de gala… E também a testemunhar paixões, vaidades, a luta pelo estrelato, o serviço pesado dos operários e as ameaças de greve.


O documentário é conciso e flui de forma natural e envolvente, característica não muito comum ao filmes do gênero. E tem cenas memoráveis como a emoção das crianças na escola que a Ópera de Paris mantém para alunos carentes.
Essa estadia de quase duas horas suntuoso Palácio Garnier, inaugurado em 1875, que abriga a Ópera de Paris, é absolutamente fascinante e enriquecedora. E você poderá desfrutá-la no Sala Cult, o espaço para o cinema independente e de arte do Paineiras Shoppíng.

Ficha Técnica
Título: A Ópera de Paris
Título original: L’opéra de Paris
Direção: Jean-Stéphane Bron
Roteiro: Jean-Stéphane Bron
Produção: Les Films Pelléas, Bande à Part Films
Fotografia: Blaise Harrison
Edição: Julie Lena
Gênero: Documentário
País: França
Ano: 2017
Duração: 110min
Distribuição: Imovision

Datas e Horários de Exibição no Sala Cult:
– 01 de Abril (domingo) às 16 e 19 horas
– 05 e 06 de Abril (quinta e sexta-feira) às 19 horas
– 07 de Abril (sábado) às 16 e 19 horas