Tag

#cultmovies

CinemaMoviecomarteSala Cult

Lumière, A Aventura Começa na Sala Cult

Postado porTemperos de Cinema 20 de Fevereiro de 2018 0 Comentários

“Lumière, A Aventura Começa” – filme documentário que é um tributo do diretor Thierry Frémaux a Louis e Auguste Lumière, que em 1895 captaram as primeiras imagens em movimento.
A escolha desse filme para a estreia do Sala Cult não poderia ser mais significativa. “Lumière, A Aventura Começa” é o cinema em seu início. Os primeiros planos, as primeiras concepções visuais, as primeiras fotografias encadeadas e exibidas uma após a outra em uma velocidade que cria essa ilusão de movimento que chamamos de cinema.


Thierry Frémaux, que é também diretor do Instituto Lumière e do Festival de Cannes, reúne 108 filmes restaurados em 4K feitos por aqueles que são os criadores do cinematógrafo e a arte do cinema em si. E eles foram os inventores de quase tudo: Da técnica de como registrar movimentos em filme, da arte cinematográfica e da sala de cinema (a sala escura com ingresso de 1 franco).
Eles foram primeiros cineastas. Em seu primeiro filme os Irmãos Lumière mostram uma multidão de operários saindo da fábrica da família em 1895. Ficava claro desde o início que a função do cinema é mostrar quem somos e contar a nossa história.


Os pequenos filmes dos irmãos Lumière são ainda um importante registro, em imagens inesquecíveis, da França e do mundo que faziam sua entrada na Era Moderna.
Com uma trilha musical refinada assianada por Camille Saint-Saëns, narrado pelo próprio Frémaux e com a participação especial de Martin Scorsese, “Lumière, A Aventura Começa” será exibido nos dias 22, 23, as 19horas  e 24 de fevereiro, às 16 e as 19horas.

A Sala Cult fica no Shopping Paineiras –  Avenida Nove de Julho, 1155 – Chácara Urbana, Jundiaí .

Ficha Técnica
Título: Lumière, A Aventura Começa
Título original: Lumière!
Nacionalidade: França
Gênero: Documentário
Ano de produção: 2017
Duração: 1h30 minutos
Classificação: Livre
Direção: Thierry Frémaux
Roteiro: Thierry Frémaux
Produção: Maelle Arnaud, Thierry Frémaux, Bertrand Tavernier
Editor: Thierry Frémaux, Thomas Valette
Música: Camille Saint-Saëns
Distribuição: Imovision

CinemaSala Cult

Programação de Estreia do Sala Cult

Postado porTemperos de Cinema 20 de Fevereiro de 2018 1 Comentário

É com grande orgulho que apresentamos a programação de estreia do Sala Cult, mais um importante espaço para o cinema independente em Jundiaí.
O projeto voltado para os amantes do cinema, tem a proposta de exibir apenas grandes filmes, ignorados ou pouco valorizados pelo circuito comercial. E são justamente esses os favoritos dos verdadeiros cinéfilos.
Nesta programação inaugural do Sala Cult, selecionamos 4 filmes que representam de formas diferentes a essência da sétima arte, a paixão. Essa paixão que move grandes diretores, atores, roteiristas e tantos outros artistas envolvidos no fazer cinematográfico, com o único objetivo de chegar aos verdadeiros apreciadores de cinema, como você.

Disse Fellini que “o cinema é um modo divino de contar a vida” e não dá para falar de cinema sem lembrar seus primórdios, por isso o filme que abre oficialmente o Sala Cult é “Lumière, A Aventura Começa” – filme que é um tributo do diretor Thierry Frémaux aos irmãos Louis e Auguste Lumière, que em 1895 captaram as primeiras imagens em movimento.
A escolha desse filme para a estreia do Sala Cult não poderia ser mais significativa. “Lumière, A Aventura Começa” é o cinema em seu início. Os primeiros planos, as primeiras concepções visuais, as primeiras fotografias encadeadas e exibidas uma após a outra em uma velocidade que cria essa ilusão de movimento que chamamos de cinema.
Thierry Frémaux, que é também diretor do Instituto Lumière e do Festival de Cannes, reúne 108 filmes feitos por aqueles que são os criadores do cinematógrafo, restaurados em 4K.
Narrado pelo próprio Frémaux e com a participação especial de Martin Scorsese, será exibido nos dias 22, 23,`as 19 horas  e 24 de fevereiro, às 16 e as 19 horas.

Na sequência teremos “Em Busca de Fellini”, filme de estreia do sul-africano Taron Lexton. Trata-se de uma assumida homenagem a Federico Fellini, construída a partir do fascínio que a personagem Lucy (Ksenia Solo) passa a alimentar após assistir a um filme do cineasta italiano.
A garota americana, tímida e com uma mãe super protetora, parte para a Itália com o objetivo de conhecer o icônico diretor. Uma viagem que se transforma em uma jornada de autoconhecimento e amadurecimento, vivendo situações alinhavadas por referências a personagens e cenas dos filmes.
“Em Busca de Fellini” será exibido no dia 25 de fevereiro às 16 e às 19 horas e nos dias 01,02 e 03 de março, às 19 horas.

O cineasta francês Thomas Lilti assina o terceiro filme da programação do Sala Cult. “Insubstituível”, um delicado drama sobre a última idade, o profissionalismo e a importância do carinho em nossas vidas.
Estrelado pelo francês François Cluzet, em uma brilhante atuação, o filme conta a história de um médico que enfrenta uma grave doença e precisa se reinventar no seu lado profissional para continuar a cuidar de seus pacientes em uma cidadezinha no interior da França.
Buscando um pouco de descanso em sua meticulosidade que beira ao perfeccionismo, Jean-Pierre precisa de um substituto para tantas funções que exerce e assim chega ao lugar a ex-enfermeira e agora quase doutora Nathalie (Marianne Denicourt) que precisará enfrentar a rabugentice detalhista do experiente doutor para provar seu valor.
Envolvente e emocionante, “Insubstituível” será exibido dia 04 de março às 16 e às 19 horas, dias 08 e 09 às 19 horas e 10 de março às 16 e 19 horas, no Sala Cult.

A vida da filósofa e psicanalista Lou Andreas-Salomé (1861-1937) foi fascinante, para dizer o mínimo. Seu pioneirismo na psicanálise e no estudo da sexualidade feminina, sua vida amorosa com os filósofos Friedrich Nietzsche e Paul Rée (com quem viveiu um triângulo amoroso) e com o poeta Rainer Maria Rilke, e sua convivência com Sigmund Freud, revelam uma mulher brilhantemente transgressora e muito à frente de seu tempo.
Filme de estreia da diretora Cordula Kablitz-Post, “Lou” começa mostrando uma fogueira com livros sendo queimados, enquanto o áudio reproduz um discurso de Hitler condenando a psicanálise e outras expressões intelectuais às chamas.
Renegada às sombras da eternidade, como é muito comum a várias mulheres na história da humanidade, Lou Andreas-Salomé vem sendo redescoberta como um dos grandes nomes do feminismo.
Ela é personagem central da trama e à sua volta gravitam alguns dos homens mais brilhantes de todos os tempos. Uma das cenas mais simbólicas do filme mostra Lou sobre uma carroça “puxada” por Rée e Nietzsche, reprodução de uma imagem que ficou famosa e correu o mundo na época.
O imperdível “Lou” será exibido no Sala Cult dia 11 de março às 16 e às 19 hora, dias 15 e 16  de março às 19 horas e dia 17 de março às 16 e 19 horas.

CinemaMoviecomarteMoviecomarte

Os Filmes de Fevereiro no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 2 de Fevereiro de 2018 0 Comentários

.A vida é feita do cotidiano. De sonhos, lembranças, alegrias, de desafios, de superações, tristezas… Daquilo que pensamos, construímos ou simplesmente vivemos. A vida, sobretudo, é feita da vida. E às vezes esquecemos disso.
O cinema tem esse dom de nos chamar à reflexão, nos levando às vezes para lugares, situações e histórias que nunca pensamos vivenciar. isso nos permite entender melhor o outro e muitas vezes descobrimos que, de alguma forma, também vivemos um pouco daquila história.
O Moviecom Arte de fevereiro traz 4 belíssimos filmes sobre a vida de personagens tão próximos de nós, mesmo que pareçam distantes do nosso cotidiano.

MV5BYWM1MmFjYjktZjcwZi00OGQyLTk0NTYtZTJhZGM0MjUzOWYwXkEyXkFqcGdeQXVyMTA2ODMzMDU___V1_SY1000_CR02C02C14602C1000_AL_

Dias 03 e 04 de fevereiro – 11horas – dia 06 – 14horas
120 BATIMENTOS POR MINUTO
O cinema ativista às vezes pode ser bem chato, principalmente quando se torna um discurso militante e esquece de ser um filme. Não é o caso de “120 Batimentos Por Minuto”, de Robin Campillo, que aborda diversas questões contemporâneas a partir do cotidiano dos membros de um grupo que, nos anos 90, lutava para que o governo francês e a indústria farmaceutica agissem de forma mais efetiva em relação à AIDS.
O diretor Robin Campillo fez parte deste grupo e usa sua própria experiência para abordar questões como a homossexualidade na França e no mundo, as questões políticas que envolvem a indústria farmaceutica, a militância e a cultura gay que inclui as festas de música eletrônica.
O título “120 BPM”, aliás, vem exatamente dos batimentos cardiacos nas pistas de dança mas é uma analogia também à adrenalina necessária para enfrentar as questões abordadas no filme.
Não recomendado para menores de 16 anos

harry-dean-stanton-lucky (1)
Dias 10 e 11 – 11horas – dia 13 – 14horas

LUCKY
Falecido recentemente, Harry Dean Stanton é uma verdadeira lenda do cinema independente. Com personagens memoráveis como no cult “Paris, Texas” e no icônico “Twin Peaks”, esta é a última oportunidade de vê-lo atuando e justamente em um filme que é uma poética homenagem a ele.
O personagem é um velho ateu, aos 90 anos, vivendo seus dias à espera da morte, em uma inóspita e desinteressante cidadezinha no deserto. Embora pareça, não há nada de baixo-astral nisso. “Lucky” é uma exaltação à consicência, ao prazer da independência na última idade.
Falta beleza e há vários momentos de tédio absoluto no filme. Tudo sugere que o estreante diretor John Carroll Lynch se deixou influenciar demais por outros cult movies feitos no deserto mas, como poderiamos imaginar que a vida para um homem de 90 anos em um lugar como esse pudesse ser diferente.
Não recomendado para menores de 16 anos

cor01
Dias 17 e 18 – 11horas – dia 20 – 14horas
CORPO E ALMA
O hungaro “Corpo e Alma”, de Ildikó Enyedi, figura entre os mais belos filmes de 2017. Escolhido como melhor filme no Festival de Berlim, trata-se de uma incrível jornada sobre o amor em uma maravilhosa história contruída através de sonhos.
O filme conta a história de Endre (Géza Morcsányi), um burocrara e portador de uma deficiência no braço, que durante uma sessão com uma psicóloga chamada para auxiliar a empresa que trabalha, descobre que seus sonhos se completam com os mesmos sonhos de uma nova funcionária da empresa chamada Mária (Alexandra Borbély). Assim, se encontrando quase sempre nos sonhos mas sem muita aproximação na vida real, resolvem embarcar nessa história onde buscam a todo instante entender melhor sobre o amor e sobre essa situação totalmente inusitada que é o fato de se ligarem por um sonho.
Impossível falar de “Corpo e Alma” sem citar a lentidão e os longos silêncios essenciais na construção da história, usando a realidade vazia e feia como uma moldura para os momentos de beleza e magia que se dão durante os sonhos.
Não recomendado para menores de 18 anos

photo
Dias 24 e 25 de fevereiro – 11horas – dia 27 – 14horas
LOLA PATER
A vida como ela é, sem retoques, sem caricaturas e sem hipervalorizar as decepções. Lola Pater, do francês Nadir Moknèche, fala sobre escolhas, do medo do inusitado e das descobertas em uma relação, salientando a importância do respeito e da tolerância.
“Lola Pater” conta a história de um encontro entre pai e e filho, após muitos anos de uma separação inexplicada. Zino, um motoqueiro de 27 anos que trabalha em uma Paris, após a morte de sua mãe, resolve sair em busca de seu desconhecido de seu pai Farid, que há anos teria abandonado a família para regressar a seu país de origem, a Argélia.
Nessa busca Zino descobre que Farid nunca voltou ao país natal, não se divorciou de sua mãe (que sempre soube de tudo) e se tornou uma mulher transexual, a professora de dança Lola, (maravilhosamente interpretada por Fanny Ardant).
A reconexão de pai e filho obedece a passagens obrigatórias (rejeição, negação e aceitação), mas é terna. Zino e Lola se reconhecem, com um pouco de dor, sem sobressaltos ou histrionismos, e se aceitam, sem a obrigação de entender o outro.
Não recomendado para menores de 14 anos

_____________________________________________________________________

Moviecom Arte é um projeto da publicitária e produtora Fátima Augusto em parceria com o Moviecom Jundiaí, que há 1o anos traz para a cidade filmes de arte e que não entram no circuito comercial.

Com um horário alternativo dentro da programação do cinema, o Moviecom Arte acontece todos os sábados e domingos às 11 horas e tem ingressos a R$ 10,50 e R$ 5,25.

O Moviecom Jundiaí fica no Maxi Shopping – Av. Antônio Frederico Ozanan, 6000 – Vila Rio Branco, Jundiaí – SP

sobrenatural---destino-de-uma-nação728x90