Tag

#comédia

Moviecomarte

Boas Intenções no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 29 de agosto de 2019 0 Comentários

“Boas Intenções” gira em torno de Isabelle, uma professora de francês que trabalha em um centro de serviços humanitários e, assim, acaba interagindo com diversos imigrantes que vieram refugiados de seus países. Ao ser convocada para alfabetizá-los, Isabelle se depara com várias dificuldades e aos poucos vai conhecendo as personas por trás das nacionalidades que representam, percebendo que todos aqueles estereótipos criados ao redor das mais diversas culturas do mundo não passam de visões preconceituosas e quebrando gradualmente a maneira xenófoba com que enxergava aquelas pessoas.


O objetivo de “Boas Intenções” é mostrar como uma mulher (europeia, diga-se de passagem) pode aprender a desconstruir seus preconceitos através da convivência com pessoas pertencentes a culturas diferentes – tudo isso através do bom humor; o que é apropriado, já que a comédia costuma ser uma forma eficaz de discutir temas sérios.


Gilles Legrand, além de dirigir, assina o roteiro em parceria com Léonore Confino. Ambos fazem de “Boas Intenções” uma obra quase politicamente incorreta mas quando analisarmos profundamente o significado do filme entenderemos o quão quebrado como sociedade nós estamos nos tornando.


Este filme será exibido nos dias 31 de agosto e 1 de setembro às 11 horas e no dia 3 de setembro às 14 horas, no Moviecom Arte.

Ficha Técnica
Título original: Les Bonnes intentions
Nacionalidade: França
Gênero: Comédia dramática
Ano de produção: 2018
Estréia: 4 de julho de 2019 (Brasil)
Duração: 1h 43min
Direção: Gilles Legrand
Elenco: Agnès Jaoui, Claire Sermonne, Tim Seyfi
Roteiro: Gilles Legrand, Léonore Confino
Trilha sonora: Armand Amar
Direção de fotografia: Pierre Cottereau
Edição: Andrea Sedlácková
Design de produção: Riton Dupire-Clément
Decoração de set: Jeanne Bizard, Fanny Dromigny, Mohamed Jabbad
Distribuição: Pandora Filmes

Moviecomarte

Gloria Bell no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 16 de maio de 2019 0 Comentários

Sebastián Lelio é um diretor chileno que ganhou os holofotes em 2013 pelas nomeações e prêmios recebidos pelo filme “Gloria” e chegou ao Oscar em 2018 com o filme “Uma Mulher Fantástica”, que conta com uma protagonista transexual e que você assistiu aqui no Moviecom Arte.


Agora, em 2019, ele traz a versão americana de seu longa-metragem de 2013 com um novo título “Gloria Bell”.
Protagonizado por Julianne Moore em mais uma atuação magnífica, o longa conta a história de Gloria, uma mulher acima dos 50 anos, com um espírito jovial que se envolve com um ex-oficial da Marinha que ela conhece em uma danceteria de Los Angeles.


Além da atuação de Julianne Moore, a trilha sonora é excepcional, repleta de sucessos da era “disco” que cumprem um papel essencial na consolidação dessa mulher mais velha e de espírito livre que passa os dias trabalhando em um escritório tradicional e conservador e que, à noite, se solta, dançando nas discotecas.


“Gloria Bell” é uma sofisticada comédia romântica que mostra que o amor pode surgir a qualquer momento, que os relacionamentos nunca são simples e que nada pode deixar você para baixo enquanto você continuar dançando.


Este é o filme da semana no Moviecom Arte do Moviecom Cinemas no Maxi Shopping Jundiaí. Você poderá assisti-lo nos dias 18 e 19 às 11 horas e no dia 21 às horas.

Ficha Técnica
Título: Gloria Bell
Título Original: Gloria Bell
Gênero: Comédia, Drama
Direção: Sebastián Lelio
Roteiro: Alice Johnson Boher e Sebastián Lelio
Elenco: Julianne Moore, Alanna Ubach, Michael Cera, Sean Astin, John Turturro & Jeanne Tripplehorn
Fotografia: Natasha Braier
Trilha Sonora: Matthew Herbert
Montagem: Soledad Salfate
Design de Produção: Shannon WalshEstreia no Brasil: 28 de Março de 2019
País de Origem: EUA
Idioma: Inglês
Ano de produção: 2018
Duração: 102 min
Classificação: 14 anos
Distribuição: Sony

Moviecomarte

Vidas Duplas, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 10 de maio de 2019 0 Comentários

Com um conjunto de ótimos atores (entre eles a diva Juliette Binche) e diálogos afiadíssimos, o diretor francês Olivier Assayas apresenta em Vidas Duplas (Double Vies) uma discussão sobre a revolução tecnológica dos hábitos de leitura como porta de entrada para outros dilemas, tais como profissão, relacionamento e, principalmente, a hipocrisia humana.


Se não fosse a língua francesa, poderíamos dizer que se trata de uma obra de Woody Allen.
Em um encontro social, enquanto bebem vinho, os convidados discutem sobre a contradição entre a escassa leitura de jornais e os grande acessos dos blogs como principal fonte de informação.


Em outro momento, questiona-se a facilidade dos leitores digitais em detrimento dos livros físicos. A acalorada discussão inicial é um pontapé para as questões individuais de cada personagem.
O filme segue relacionamentos entrelaçados e os viés de cada um sobre as suas questões pessoais. Os protagonistas deste embate de perspectivas são o bem-sucedido editor Alain (Guillaume Canet) e Léonard (Vincent Macaigne), escritor de suas próprias experiências.


No caso, Alain rejeita a última obra de Léonard por achá-lo repetitivo e desejar novas vozes no mercado. Ao mesmo tempo, ele lida com a nova postura da editora em publicar mais e-book a livros físicos.
As discussões sobre popularização da leitura e menor custo de produção permeiam todo o longa.
“Vidas Duplas”, de Olivier Assayas, é o filme da semana no Moviecom Arte nos dias 11 e 12, às 11 horas, e dia 14 às 14 horas.

Ficha Técnica
Título original: Doubles Vies
Nacionalidade: França
Gêneros: Comédia, Romance
Ano de produção: 2018
Estréia: 18 de abril de 2019 (Brasil)
Duração: 1h 47min
Classificação: 14 anos
Direção: Olivier Assayas
Elenco: Juliette Binoche, Guillaume Canet, Vincent Macaigne
Roteiro: Olivier Assayas
Direção de fotografia: Yorick Le Saux
Edição: Simon Jacquet
Design de produção: François-Renaud Labarthe
Figurino: Jürgen Doering
Distribuição: California Filmes

Moviecomarte

Um Banho de Vida, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 3 de maio de 2019 0 Comentários

O diretor francês Gilles Lellouche assina “Um Banho de Vida” (Le Grand Bain), uma deliciosa e delicada comédia sobre um grupo de homens de meia idade que começa a praticar natação sincronizada, uma modalidade esportiva praticada mais habitualmente por mulheres.


O protagonista é Bertrand (Mathieu Amalric), um pai de família desempregado e depressivo, que um dia resolve, ao ver um anúncio no jornal, participar de uma equipe de nado sincronizado.
Quem o recebe no grupo é Thierry (Philippe Katerine), e logo ele se vê entre novos amigos, todos falando sobre suas frustrações no vestiário, na sauna e no bar. Bertrand percebe que mais do que horas na piscina o grupo de natação é um encontro terapêutico.


Os personagens e seus dilemas são expostos pouco a pouco, enquanto a trama se desenvolve dentro das paredes do ginásio esportivo.
O ponto alto da trama acontece quando o grupo de amadores se inscreve para uma competição mundial de nada sincronizado masculino na Dinamarca.
A partir desse momento, os homens começam a treinar duro sob a tutela de Amanda (Leïla Bekhti), uma treinadora paraplégica e linha dura que bate nos homens e os intimida verbalmente e aos berros.

“Um Banho de Vida” é o filme que abre a programação de maio do Moviecom Arte e será exibido nos dias 04 e 05 às 11 horas e no dia 07 às 14 horas, no Moviecom Cinemas do Maxi Shopping Jundiaí.

Ficha Técnica
Título: Um Banho de Vida
Título original: Le Grand Bain
Nacionalidade: França
Gêneros: Drama, Comédia
Ano de produção: 2019
Estréia: 21 de março de 2019 (Brasil)
Duração: 1h 58min
Classificação: 14 anos
Direção: Gilles Lellouche
Roteiro: Gilles Lellouche, Ahmed Hamidi, Julien Lambroschini
Trilha sonora: Jon Brion
Direção de fotografia: Laurent Tangy
Edição: Simon Jacquet
Design de produção: Florian Sanson
Decoração de set: Camille Bougon-Pigneul
Figurino: Elise Bouquet, Reem Kuzayli
Distribuição: Pagu Pictures

Moviecomarte

Poderia Me Perdoar?, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 22 de março de 2019 0 Comentários

Melissa McCarthy não era a primeira escolha dos produtores de “Poderia Me Perdoar?” para viver nas telonas a história de Lee Israel, escritora que gerou controvérsia nos anos 90 ao vender cartas falsificadas de celebridades. O papel recusado por Julianne Moore, caiu como uma luva para Melissa McCarthy que teve a oportunidade de mostrar todo seu potencial em um filme introspectivo e cheio de nuances, que a levou a ser uma das indicadas para o Oscar 2.019 de Melhor Atriz.

Dirigido por Marielle Heller e com roteiro assinado por Nicole Holofcener e Jeff Whity, “Poderia Me Perdoar?” é um drama biográfico denso que conta a história real de uma jornalista e escritora que chega ao fundo do poço e como último recurso decide vender cartas de celebridades falsificadas por ela mesma. Quando as primeiras suspeitas começam, para não parar de lucrar, ela modifica o esquema e passa a roubar os textos originais de arquivos e bibliotecas.


O grande desafio do filme era conseguir que a personagem despertasse, de alguma forma, a empatia do público apesar de sua personalidade difícil. Sociofóbica e alcoólatra, desbocada e grosseira, o tratamento dado à Lee Israel pelo roteiro é o que permitiu a Melissa McCarthy desenvolver uma personagem que transcende essas primeiras camadas, mostrando-a como uma mulher que, no fundo, somente deseja ter seu trabalho reconhecido.
Este filme surpreendente chega ao Moviecom Arte nos dias 23 e 24 de março às 11 horas e 26 de março às 14 horas.

Ficha Técnica
Título: Poderia Me Perdoar?
Título Original: Can You Ever Forgive Me?
Gênero: Drama Comédia Biografia
Duração: 106 min
Estreia no Brasil: 07 de Fevereiro de 2019
Classificação indicativa: 16 anos
País: EUA
Idioma: Inglês
Direção: Marielle Heller
Roteiro: Nicole Holofcener e Jeff Whitty
Elenco; Melissa McCarthy Richard E. Grant Dolly Wells Ben Falcone Gregory Korostishevsky Jane Curtin Stephen Spinella Christian Navarro Pun Bandhu Erik LaRay Harvey
Distribuição: Fox Film do Brasil

 

Moviecomarte

A Favorita, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 13 de março de 2019 0 Comentários

“A Favorita”, é um filme cheio de méritos, incluindo a excelente campanha que fez desde seu lançamento, tornando-se o queridinho do público e dos críticos de cinema.
Sensual, hilário e repugnante, “A Favorita” colecionou uma longa lista de prêmios e indicações, culminando com o Oscar 2.019 de Melhor Atriz para a incrível Olivia Colman, que desbancou a super favorita do ano, Glenn Close.


Dirigido pelo grego Yorgos Lanthimos, o filme é uma comédia dramática que se destaca pelo cinismo cortante. Ambientado na Inglaterra do século XVIII, Sarah Churchill, a Duquesa de Marlborough exerce sua influência na corte como confidente, conselheira e amante secreta da Rainha Ana. Seu posto privilegiado, no entanto, é ameaçado pela chegada de Abigail, nova criada que logo se torna a queridinha da majestade e agarra com unhas e dentes à oportunidade única.


O triângulo amoroso e de intrigas é formado por estrelas de primeira grandeza. Além de Olivia Colman, temos Rachel Weisz e Emma Stone, todas em performances impecáveis.


Escrito por Tony McNamara e Deborah Davis, o roteiro mescla com muita propriedade o humor ácido e uma insanidade fluente a uma trama sóbria de história e política.


O filme é extremamente ousado em seu visual. A fotografia arrisca com trechos nos quais são utilizadas lentes grande angular, dando aquele aspecto arredondado no qual conseguimos ver além do olho humano, numa conjectura de 180 graus. E os figurinos e direção de arte são de uma extravagância tão impressionante quanto indispensável.


O Moviecom Arte apresenta “A Favorita” nos dias 16 e 17 de março às 11 horas e no dia 19 de março às 14 horas. Coloque em sua agenda e venha ao Moviecom Cinemas do Maxi Shopping Jundiaí para ver mais este grande filme.

Ficha Técnica

Título: A Favorita
Título original: The Favourite
Nacionalidades: EUA, Grécia
Gêneros: Histórico, Comédia dramática
Duração: 2h
Classificação: 14 anos
Direção: Yorgos Lanthimos
Roteiro: Deborah Davis, Tony McNamara
Elenco: Olivia Colman, Rachel Weisz, Emma Delves, Faye Daveney, Emma Stone, Paul Swaine, Jennifer White, LillyRose Stevens, Denise Mack, James Smith, Mark Gatiss, Horatio, Willem Dalby, Edward Aczel, Carolyn Saint-Pé, John Locke, Nicholas Hoult, Everal Walsh, Basil Eidenbenz, Declan Wyer
Direção de fotografia: Robbie Ryan
Edição: Yorgos Mavropsaridis
Design de produção: Fiona Crombie
Direção de arte: Caroline Barclay, Sarah Bick, Lynne Huitson, Dominic Roberts
Decoração de set: Alice Felton
Figurino: Sandy Powell
Distribuição: Fox Pictures

Moviecomarte

Infiltrado na Klan, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 7 de dezembro de 2018 0 Comentários

“Infiltrado na Klan” marca o retorno do cultuado diretor norte-americano Spike Lee aos grandes filmes que marcaram sua trajetória no cinema.
Com roteiro desenvolvido pelo próprio Lee junto com Charlie Wachtel, David Rabinowitz e Kevin Willmott, a partir do livro escrito por Ron Stallworth, este filme é uma homenagem a Blacksploitation – um movimento cinematográfico dos EUA que surgiu na década de 70, quando diretores e atores negros começaram a produzir uma série de filmes..


A trama se passa em 1978 e conta a real história de Ron Stallworth (John David Washington), um policial negro do Colorado que conseguiu se infiltrar na Ku Klux Klan, organização extremista e reacionária que defende temas como a supremacia branca, o nacionalismo branco, a anti-imigração, historicamente expressos através do terrorismo voltado contra negros, judeus e católicos.


Por ser negro obviamente Ron não participava das reuniões do grupo pessoalmente. Quem se apresentava em seu lugar nessas reuniões era seu parceiro e também policial Flip Zimmerman (Adam Driver). Os dois chegam aos níveis mais altos da organização.


A obra está recheada de cenas onde o preconceito é representado de uma maneira caricata, mas o que parece loucura é um retrato cada vez mais próximo e fiel da nossa realidade atual e isso faz de “Infiltrado na Klan” um dos filmes mais importantes do ano e foi o vencedor do Grande Prêmio do Juri no Festival de Cannes.
Não recomendado para menores de 14 anos.

Ficha Técnica
Título: Infiltrado na Klan
Título original: BlacKkKlansman
Nacionalidade: EUA
Gêneros: Biografia, Comédia, Policial
Ano de produção: 2018
Duração: 2h 15 min
Direção: Spike Lee
Elenco: John David Washington, Adam Driver, Laura Harrier
Roteiro: Spike Lee, David Rabinowitz, Charlie Wachtel, Kevin Willmott. Baseado no livro escrito por Ron Stallworth
Trilha sonora: Terence Blanchard
Direção de fotografia: Chayse Irvin
Design de produção: Curt Beech
Direção de arte: Marci Mudd
Decoração de set: Cathy T. Marshall
Figurino: Marci Rodgers
Distribuição: Universal Pictures

Moviecomarte

Museu, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 29 de novembro de 2018 0 Comentários

Na noite de natal de 1985, 140 peças de valor incalculável foram roubadas do Museu Nacional de Antropologia do Cidade do México. Considerado como o roubo do século, o crime foi atribuído inicialmente a uma quadrilha de experientes ladrões de arte, de tão audacioso e bem executado.
O que ninguém jamais poderia imaginar é que os ladrões eram na verdade dois garotos suburbanos de classe média, estudantes de veterinária.


Trazendo o galã mexicano Gael García Bernal em uma de suas melhores performances o longa “Museu”, do diretor Alonso Ruizpalacios, abre a programação de dezembro do Moviecom Arte reconstruindo essa história de forma bem humorada para levantar uma discussão sobre os valores (simbólicos e materiais) do que é histórico e cultural.


Gael interpreta Juan Núñes, um jovem frustrado e revoltado com seu contexto familiar. É dele a ideia e os planos para roubar o Museu. Para isso convida seu amigo, o atrapalhado Benjamin Wilson, personagem interpretado pelo também brilhante Leonardo Ortizgris.


As trapalhadas dos dois jovens os tornam tão engraçados e tão adoráveis que é impossível não torcer por eles no decorrer da trama. Em vários momentos é impossível não lebrar dos personagens Pink & Cérebro, da animação criada por Steven Spielberg e Tom Ruegger.


O roteiro foi premiado com o Urso de Prata no Festival de Berlim deste ano e aborda assuntos “polêmicos” como os males causados pelo colonialismo e pelo capitalismo aos bens culturais e questiona a função social dos museus.
“Museu” será exibido no Moviecom Arte nos dias 01 e 02 de dezembro às 11 horas, e no dia 04 de dezembro às 14 horas.
Não recomendado para menores de 16 anos.

Ficha Técnica
Título original: Museo
Nacionalidade: México
Gêneros: Comédia dramática, Crime
Ano de produção: 2018
Estréia: 8 de novembro de 2018 (Brasil)
Duração: 2h 06min
Direção: Alonso Ruizpalacios
Roteiro: Alonso Ruizpalacios, Manuel Alcalá
Elenco: Gael García Bernal, Leonardo Ortizgris, Alfredo Castro
Produção: Gael García Bernal, Manuel Alcalá, Patricio Braun, Moisés Cosío, Brian Cox, Maria Jose Cuevas, Gerardo Gatica, Robert Lantos, Alberto Muffelmann, Jose Nacif, Jacobo Nazar, Renato Ornelas,Mariana Rodriguez Cabarga, Ramiro Ruiz, Anant Singh
Trilha sonora: Tomás Barreiro
Direção de fotografia: Damián García
Edição: Yibran Asuad
Design de produção: Sandra Cabriada
Figurino: Malena De la Riva
Estúdios: Detalle Films, Distant Horizon, Panorama Global
Distribuição: Supo Mungam Films

Moviecomarte

Museu e Juliet Nua e Crua no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 24 de novembro de 2018 0 Comentários

Além da estreia de “Museu”, do diretor mexicano do diretor Alonso Ruizpalacios, que é o filme da semana no Moviecom Arte (clique aqui para ver o trailer e ler nosso comentário),  teremos a reapresentação de  “Juliet, Nua e Crua”, uma comédia romântica de Jesse Peretz,  estrelada por Rose Byrne, Chris O’Dowd e Ethan Hawke.


Relacionamentos que chegam ao fim, reflexão existencial e aprofundamento de personagens – tudo interligado por uma forte paixão musical, norteiam o roteiro adaptado a três mãos por Jim Taylor, Tamara Jenkins e Evgenia Peretz.
Rose Byrne interpreta uma mulher que está saindo de um relacionamento de 15 anos e busca um recomeço.

Curiosamente, começará um romance com o ídolo do seu ex-marido, o rockstar Tucker Crowe (interpretado por Ethan Hawke), que já não faz mais tanto sucesso. O papel do fã traído fica com Chris O’Dowd.


Ao contrário do que se pode esperar de uma comédia romântica, a trama foca na história de cada um dos 3 personagens e se mostra muito mais propensa a discutir os reveses da vida e as frustrações dos relacionamentos, do que contar uma história de amor.
Baseado no livro homônimo de Nick Hornby.  “Juliet Nua e Crua” é um filme singelo e agridoce e você poderá ver ou rever no Moviecom Arte dos dias 01 e 02 às 11:10 horas e no dia 04 às 14:10 horas.

Ficha Técnica:
Título: Juliet, Nua e Crua
Título original: Juliet, Naked
Nacionalidades: EUA, Reino Unido
Gêneros: Drama, Romance
Ano de produção: 2018
Estréia: 4 de outubro de 2018 (Brasil)
Duração: 1h 45min
Classificação: 12 anos
Direção: Jesse Peretz
Roteiro: Evgenia Peretz, Jim Taylor, Tamara Jenkins. Baseado no livro de Nick Hornby
Trilha sonora: Nathan Larson
Direção de fotografia: Remi Adefarasin
Edição: Sabine Hoffman, Robert Nassau
Design de produção: Sarah Finlay
Direção de arte: Caroline Barclay
Decoração de set: Ellie Pash
Figurino: Lindsay Pugh
Estúdios: Los Angeles Media, Rocket Science, Bona Fide Productions, Apatow Productions, Turnlet Films, Ingenious Media
Distribuição: Diamond Films

Moviecomarte

Os 50 São Os Novos 30, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 6 de setembro de 2018 0 Comentários

Em uma comédia de ficção cheia de realidade a diretora francesa Valérie Lemercier brinca com “tragédias” típicas do mundo das adultos como o fim de um casamento, perder o emprego e voltar a morar com os pais.


“Em Os 50 São Os Novos 30”, além de dirigir Valérie Lemercier interpreta a personagem principal da trama, Marie-Francine, uma mulher que aos 50 anos está muito velha para o seu emprego e também para o marido, que a troca por uma mulher mais nova.

Ela volta a morar na casa dos pais, que a tratam de forma infantilizada, e começa a trabalhar em uma pequena loja de cigarros eletrônicos, conhece Miguel (Patrick Timsit), que está na mesma situação que ela.
Com a paixão emergente, eles precisam abrigar o novo amor mas nenhum dos dois tenha uma casa própria.
Esta comédia hilária, romântica e bem realista é o filme da semana no Moviecom Arte. O filme será exibido nos dias 08 e 09 de setembro às 11 horas e no dia 11 de setembro às 14 horas.

Ficha Técnica
Título no Brasil: 50 São os Novos 30
Título original: Marie-Francine
Gênero: Comédia romantica
Duração: 95 min
Estreia no Brasil: 28 de Junho de 2018
País: França
Diretor: Valérie Lemercier
Roteirista: Valérie Lemercier Sabine Haudepin
Elenco: Valérie Lemercier, Patrick Timsit, Hélène Vincent, Philippe Laudenbach, Denis Podalydè,s Nadège Beausson, Diagne Marie Petiot, Anna Lemarchand, Simon Perlmutter, Géraldine Martineau, Loïc Legendre, Danièle Lebrun, Patrick Préjean, Pierre Vernier, Philippe Vieux, Clara Simpson, Marie Barraud e Salim Torki.
Distribuição: CineArt