Tag

#cinema

Moviecomarte

A Tabacaria no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 11 de outubro de 2019 0 Comentários

Um dos mais traumáticos períodos da história da humanidade, a Segunda Guerra Mundial e a ocupação nazista, continua rendendo muitas histórias e filmes. E “A Tabacaria”, do diretor Nikolaus Leytner, é um deles.


Baseado em um best seller de 2012 escrito por Robert Seethaler, “A Tabacaria” é um romance de formação que conta as transformações na vida de Franz (Simon Morzé), um garoto alemão de dezessete anos que é enviado para Viena pela sua mãe (Regina Fritsch) para trabalhar na tabacaria de Otto Trsnjek (Johannes Krisch), velho amigo da família.


Na Austria em vias de ocupação pelos nazistas, Franz se apaixona pela primeira vez e começa uma amizade singular com um frequentador constante da tabacaria: Sigmund Freud, interpretado por Bruno Ganz, brilhante em um dos seus últimos papéis para o cinema antes de seu falecimento.


O dilema entre sair do país ou ali permanecer é uma constante para os personagens e exerce grande influência sobre tudo em suas vidas. Com a ascensão de Hitler ao poder, a obra também retrata as tensões entre os austríacos que apoiavam o ditador e aqueles que não queriam se envolver com o regime nazista.


Apesar de não ser este o propósito do filme, ele demonstra de forma interessante como as relações foram afetadas com a chegada do exército de Hitler ao país.


“A Tabacaria” é um filme que você simplesmente tem que assistir. Ele será exibido no Moviecom Arte nos dias 12 e 13 às 11 horas e no dia 15 de outubro às 14 horas.

Ficha Técnica
Título no Brasil: A Tabacaria
Título original: Der Trafikant
Nacionalidades: Áustria, Alemanha
Gênero: Drama
Ano de produção: 2018
Estréia: 5 de setembro de 2019 (Brasil)
Duração: 1h 54min
Classificação: 16 anos
Direção: Nikolaus Leytner
Roteiro: Nikolaus Leytner, Klaus Richter
Elenco: Bruno Ganz, Simon Morzé, Murari Krishna
Trilha sonora: Matthias Weber
Direção de fotografia: Hermann Dunzendorfer
Edição: Bettina Mazakarini
Design de produção: Bertram Reiter
Direção de arte: Nicole Schmied
Decoração de set: Sarah Gerg
Distribuição: A2 Filmes

Moviecomarte

Quem Você Pensa Que Eu Sou, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 3 de outubro de 2019 0 Comentários

Um dos destaques no Festival Varilux, “Quem Você Pensa Que Eu Sou” é um forte drama psicológico dirigido pelo francês Safy Nebbou e estrelado por Juliette Binoche, mais uma vez em uma atuação impecável.


O roteiro escrito a 4 mãos por Nebbou e Julie Peyr, aborda com requintada precisão assuntos como o envelhecimento, o medo do abandono, a paixão amorosa, o domínio, a obsessão e o desejo de não cumprir as regras.
“Quem Você Pensa Que Eu Sou” conta a história de uma mulher de 50 anos que, ao ser abandonada pelo marido, decide criar um perfil falso em uma rede social. Lá, ela atende por Clara, uma bela jovem de 24 anos. O avatar interage com o jovem Alex, que acaba se apaixonando por ela enquanto Claire, por trás das telas, também começa a ama-lo e ficar viciada, sem saber como se desfazer da própria mentira.


O grande destaque do filme é a estrela Juliette Binoche. Sem maquiagem e joias, Juliette tem a idade e a fúria da personagem. Ao mesmo tempo forte e frágil, sua personagem é uma mulher que transita entre a realidade e a idealização em um labririnto percorrido durante sessões de terapia, que conduzem a o filme.


“Quem Você Pensa Que Eu Sou” abre a programação de outubro do Moviecom Arte, com sessões nos dias 05 e 06 às 11 horas e no dia 08 às 14 horas. Super recomendado!

Ficha Técnica
Título: Quem Você Pensa Que Eu Sou
Título Original: Celle Que Vous Croyez
País de Origem: França
Ano: 2019
Gênero: Drama
Direção: SAFY NEBBOU
Roteiro: Nebbou/Julie Peyr, do livro de Camille Larens
Elenco: Juliette Binoche, François Civil, Nicole Garcia e Marie-Ange Casta
Fotografia: Gilles Porte
Montagem: Stéphane Pereiraz
Música: Ibrahim Maalouf
Distribuição: California Filmes

Moviecomarte

Simonal nos 12 anos do Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 13 de setembro de 2019 0 Comentários

Wilson Simonal, conheceu a fama e ostracismo quase que simultaneamente. Seu sucesso como cantor foi totalmente apagado após ser apontado como delator no período da ditadura militar.
O documentário Simonal – Ninguém Sabe o Duro que Dei iniciou em 2009 um movimento de revisionismo histórico que fez suas músicas tornarem-se acessíveis às novas gerações. Agora este filme de Leonardo Domingues tenta sepultar de vez a fama de dedo duro que acompanha o músico mesmo depois de sua morte.


Milionário, idolatrado, inconfundível, talentoso em diferentes gêneros, estrela da TV, empresário e cheio de sucessos, Simonal foi um caso único, tanto por ter atingido patamar que nenhum artista negro havia alcançado até então no Brasil, quanto pela derrocada incomparável que veio na sequência.


O filme vai no embalo de sucessos recentes de cinebiografias de cantores como Elis e Tim Maia, usando uma trilha sonora poderosa para delinear o roteiro que aborda temas como o preconceito, a polarização esquerda-direita que o atacou duplamente, a própria ditadura militar e um dos primeiros casos de fake news, muito antes das redes sociais.
Você não pode perder “Simonal” no Moviecom Arte dos dias 14 e 15 às 11 horas e dia 17 às 14 horas.


Lembrando que no sábado, dia 14 de setembro, o Moviecom Arte completa 12 anos e teremos um pocket show com a cantora Telma Costa, interpretando os maiores sucessos de Simonal, para comemorar esta data.

Ficha Técnica
Titulo original: Simonal
Nacionalidade: Brasil
Gêneros: Drama, Biografia, Musical
Ano de produção: 2019
Estréia: 8 de agosto de 2019 (Brasil)
Duração: 1h 45min
Classificação: 14 anos
Direção: Leonardo Domingues
Elenco: Fabricio Boliveira, Isis Valverde, Caco Ciocler, Leandro Hassum
Roteiro: Victor Atherino
Produção: Nathalie Felippe, Adriana König
Direção de fotografia: Pablo Baião
Edição: Vicente Kubrusly
Direção de arte: Yurika Yamasaki
Figurino: Kika Lopes
Estúdios: Globo Filmes, Pontos de Fuga
Distribuição: Downtown Filmes

Moviecomarte

Não Mexa Com Ela no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 6 de setembro de 2019 0 Comentários

“Não Mexe com Ela” acompanha a jornada de mulher israelense no mercado de trabalho. Ela possui filhos, um marido compreensivo e uma mãe idosa, mas eles são deixados em segundo plano para que a narrativa investigue as perversas pressões exercidas sobre as mulheres em um mundo dominado pelos homens.


A diretora Michal Aviad não faz rodeios para introduzir na trama a questão do assédio sexual no local de trabalho. A conduta inapropriada do chefe Benny (Menashe Noy) ocorre desde os primeiros encontros com a nova funcionária, Orna (Liron Ben-Shlush) uma mulher que precisa do trabalho para melhorar a renda da família.


O roteiro esmiúça a pressão psicológica envolvida numa relação de poder. O patrão é colocado como um empresário poderoso que julga o cortejo “natural” e incontrolável, colocando a beleza dela como culpada por seu comportamento inadequado. Após cada comportamento abusivo, ele pede desculpas, busca formas de recompensar e faz mil elogios. No entanto, o desenvolvimento da trama é uma tragédia anunciada.


“Não Mexa Com Ela” é filme que abre a programação de setembro do Moviecom Arte e você poderá assisti-lo nos dias 07 e 08, às 11 horas e no dia 10, às 14 horas.

Ficha Técnica:

Título: Não Mexa Com Ela
Título Original: Isha Ovedet
País: Israel
Ano de produção: 2019
Gênero: Drama
Duração: 93 min
Classificação: 16 anos
Direção: Michal Aviad
Elenco: Liron Ben Shlush, Menashe Noy, Oshri Cohen

 

 

Moviecomarte

Programação de Setembro do Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 6 de setembro de 2019 0 Comentários

A Arte é uma linguagem universal. E isso fica totalmente em evidência na programação de setembro do Moviecom Arte. São quatro filmes de países diferentes, que refletem culturas particulares, mas que se conversam enquanto obras de arte.
Veja os trailers e os comentários:

Dias 07, 08 E 10 de setembro
NÃO MEXA COM ELA
Gênero: Drama
Direção: Michel Aviad

“Não Mexe com Ela” acompanha a jornada de mulher israelense no mercado de trabalho. Ela possui filhos, um marido compreensivo e uma mãe idosa, mas eles são deixados em segundo plano para que a narrativa investigue as perversas pressões exercidas sobre as mulheres em um mundo dominado pelos homens.
A diretora Michal Aviad não faz rodeios para introduzir na trama a questão do assédio sexual no local de trabalho. A conduta inapropriada do chefe Benny (Menashe Noy) ocorre desde os primeiros encontros com a nova funcionária, Orna (Liron Ben-Shlush) uma mulher que precisa do trabalho para melhorar a renda da família.
O roteiro esmiúça a pressão psicológica envolvida numa relação de poder. O patrão é colocado como um empresário poderoso que julga o cortejo “natural” e incontrolável, colocando a beleza dela como culpada por seu comportamento inadequado. Após cada comportamento abusivo, ele pede desculpas, busca formas de recompensar e faz mil elogios. No entanto, o desenvolvimento da trama é uma tragédia anunciada.
“Não Mexa Com Ela” é filme que abre a programação de setembro do Moviecom Arte e você poderá assisti-lo nos dias 07 e 08, às 11 horas e no dia 10, às 14 horas.

 


DIAS 14, 15 e 17
SIMONAL
Gênero: Drama – Biografia
Direção: Leonardo Domingues

Wilson Simonal, conheceu a fama e ostracismo quase que simultaneamente. Seu sucesso como cantor foi totalmente apagado após ser apontado como delator no período da ditadura militar.
O documentário Simonal – Ninguém Sabe o Duro que Dei iniciou em 2009 um movimento de revisionismo histórico que fez suas músicas tornarem-se acessíveis às novas gerações. Agora este filme de Leonardo Domingues tenta sepultar de vez a fama de dedo duro que acompanha o músico mesmo depois de sua morte.
Milionário, idolatrado, inconfundível, talentoso em diferentes gêneros, estrela da TV, empresário e cheio de sucessos, Simonal foi um caso único, tanto por ter atingido patamar que nenhum artista negro havia alcançado até então no Brasil, quanto pela derrocada incomparável que veio na sequência.
O filme vai no embalo de sucessos recentes de cinebiografias de cantores como Elis e Tim Maia, usando uma trilha sonora poderosa para delinear o roteiro que aborda temas como o preconceito, a polarização esquerda-direita que o atacou duplamente, a própria ditadura militar e um dos primeiros casos de fake news, muito antes das redes sociais.
Você não pode perder “Simonal” no Moviecom Arte dos dias 14 e 15 às 11 horas e dia 17 às 14 horas.

 

DIAS 21, 22 e 24
Título –RETRATO DE AMOR
Gênero: Drama
Direção: Ritesh Batra

Em 2013 que o indiano Ritesh Batra se apresentou ao mundo com o delicioso The Lunchbox, filme em que dois indianos se correspondem amorosamente por meio de marmitas. Agora, 6 anos e 2 filmes depois, Batra volta novamente à sua origem com o belo “Retrato do Amor”, filme que bebe desses encontros fortuitos da Índia.
A trama acompanha a jornada de Rafi (Nawazuddin Siddiqui), um homem que trabalha como fotógrafo em pontos turísticos da Índia e que não tem tempo para relacionamentos. Determinado a pagar uma dívida antiga de seu falecido pai para que a avó não perca sua casa, ao mesmo tempo ele é pressionado pela matriarca para achar uma boa esposa. É aí, no desespero, que ele decide mentir, pegar a foto de uma moça qualquer e dizer para sua avó que está prestes a se casar com ela.
“Retrato de Amor” é uma pequena obra prima que você poderá ver nos dias 21 e 22 às 11 horas e no dia 24 às 14 horas

 

DIAS 28, 29 /09 e 01/10
A Última Loucura de Claire Darling
Gênero: Drama
Direção: Julie Bertuccelli

A diretora Julie Bertuccelli sempre encanta e surpreende com seus documentários e longas, e volta com toda vitalidade e humor em “A Última Loucura de Claire Darling”, estrelado por Catherine Deneuve e Chiara Mastroianni. Mãe e filha na vida real, interpretam respectivamente, Claire Darling e Mary.
Claire decide vender tudo que tem em sua casa após acreditar que este seria seu último dia de vida. A certeza da senhora é tanta que ela decide vender preciosas peças de colecionador e até mesmo obras de arte renomadas. A sessão de desapego sugere que ela tenta se livrar também das recordações e dores do passado.
O enredo se desenvolve através de flashbacks que revelam o drama da família. Essa brincadeira de passado e presente dá a impressão de que tudo é uma grande alucinação, ou como se o filme todo fosse feito dentro da cabeça de Claire.
A filha é alertada da peripécia de sua mãe e vai a seu encontro, porém nada pode detê-la. Com o fracasso de parar a mãe, Mary continua na casa para acompanhar tudo e se certificar que a senhora está bem.
Claire vai deixando todos cada vez mais alarmados com sua condição mental. Porém, logo percebe-se que as atitudes vistas no presente são resultado de situações do passado, levando a um final, no mínimo, surpreendente.
“A Última Loucura de Claire Darling” fecha a programação de setembro do Moviecom Arte e será exibido nos dias 28 e 29 de setembro às 11 horas e no dia 01 de outubro às 14 horas.

 

Moviecomarte

A ARVORE DOS FRUTOS SELVAGENS, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 21 de agosto de 2019 0 Comentários

No cinema (como nas artes em geral), quase nada é somente o que parece. A “Árvore dos Frutos Selvagens”, do premiado diretor Nuri Bilge Ceylan, transcende facilmente o cinema para tratar da humanidade e os muitos modos de lidar com ela.
Dentro de um contexto de diferenças entre os costumes rurais e urbanos, o filme busca tocar em pontos delicados dialogando com a dificuldade de se manter honesto consigo e com os outros, com a responsabilidade da existência e o enfrentamento da própria insignificância.


A história gira em torno de Sinan (Dogu Demirkol), um jovem que retorna à terra natal, de onde saiu para estudar. Terminada a faculdade, o jovem se vê desempregado e tenta viabilizar a publicação de seu primeiro livro. As dívidas do pai, metido em apostas de corridas de cavalos, tornam tudo mais difícil para o aspirante a escritor.


As reflexões propostas pelo roteiro – assinado pelo próprio Ceylan em conjunto com sua esposa Ebru e o estreante Akin Aksu – mexem em vários vespeiros, das tradições à política, passando inclusive pelas discussões teológicas, pricipalmente sobre a necessidade de adaptação da religião à realidade.


Famoso por planos longos, de diálogos “em tempo real”, sem cortes bruscos, e pelo uso de fotografia naturalista, Ceylan volta suas lentes a um realismo de fundo literário para comentar a Turquia atual com todas suas instabilidades e suas crises, financeira e política.
A arrebatadora direção de fotografia é assinada por Gökhan Tiryaki, que explora com perfeição as nuances entre luz e sombra para cada frame, especialmente quando faz uso da luz natural.


Você precisa assistir “A Árvore dos Frutos Selvagens”, um dos melhores filmes da temporada e que será exibido no Moviecom Arte nos deias 24 e 25 de agosto às 11 horas e no dia 27 de agosto às 14 horas.

Ficha Técnica
Título original: Ahlat Agaci
Nacionalidades: França, Turquia, Alemanha, Bulgária
Gênero: Drama
Ano de produção: 2019
Estréia: 6 de junho de 2019 (Brasil)
Duração: 3h 08min
Direção: Nuri Bilge Ceylan
Roteiro: Nuri Bilge Ceylan, Akin Aksu, Ebru Ceylan
Elenco: Aydin Dogu Demirkol, Murat Cemcir, Bennu Yildirimlar
Direção de fotografia: Gökhan Tiryaki
Edição: Nuri Bilge Ceylan
Design de produção: Meral Aktan
Figurino: Demet Kadizade
Distribuição: Fênix Filmes

Moviecomarte

Jornada da Vida, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 8 de agosto de 2019 0 Comentários

Uma fábula simples mas carregada de densidade, “Jornada da Vida” é o novo longa de Phillippe Godeau que conta a jornada de Yao, um garoto (vivido pelo estreante Lionel Louis Basse) para encontrar seu escritor favorito, Seydou Tall (Omar Sy).


Yao mora numa comunidade no interior do Senegal e, ao descobrir que seu escritor favorito vem ao país participar da Bienal, desloca-se quase 400 quilômetros por um autográfo do ídolo. Comovido pelo empenho do garoto, Seydou se dispõe a levá-lo de volta à sua casa. A partir daí, vemos uma espécie de road movie que faz Seydou, um francês de família senegalesa, como muitos na França, reencontrar-se com suas origens africanas.


A direção de Phillipe Godeau traz uma poesia visual para compor a ambientação senegalesa. Planos inspirados fazem dessa história profunda também um prazer visual pelo que aquele país tem de belo e também de feio.
A presença da religião e o tema da colonização marcam fortemente o roteiro, fazendo com que essa produção seja também uma obra decolonial, ou seja, através da qual se repensa algumas das consequências da dominação de países externos sobre outros – como se deu no Brasil por Portugal e no Senegal pela França.


“Jornada da Vida” conduz o espectador a uma viagem cheia de cor e força. Um deleite para quem busca outras narrativas e pontos de vista na tela grande.
Este é o filme que o Moviecom Arte apresenta nos dias 10 e 11 de agosto às 11 horas e no dia 13 de agosto às 14 horas.

Ficha Técnica
Título original: Yao
Nacionalidades: França, Senegal
Gêneros: Drama, Comédia
Ano de produção: 2018
Estréia: 18 de julho de 2019 (Brasil)
Duração: 1h 44min
Classificação: 10 anos
Direção: Philippe Godeau
Elenco: Omar Sy, Gwendolyn Gourvenec e Fatoumata Diawara
Roteiro: Philippe Godeau, Agnès de Sacy
Trilha sonora: Matthieu Chedid
Direção de fotografia: Jean-Marc Fabre
Edição: Hervé de Luze
Distribuição: California Filmes

Moviecomarte

Um Homem Fiel no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 1 de agosto de 2019 0 Comentários

Este é o segundo longa dirigido pelo galã francês Louis Garrel. Após Dois Amigos (20015), o filho de Philippe Garrel volta ao tema dos triângulos amorosos, indeciso entre as duas mulheres que estão ao seu redor.


Em “Um Homem Fiel” ele aparece novamente como Abel – o mesmo nome do seu personagem em Dois Amigos. Na primeira cena do filme, ele fica sabendo que sua namorada, Marianne (Laetitia Casta), está grávida de seu melhor amigo, Paul.


Ao invés de brigas, discussões, choros ou protestos, a reação dele é tipicamente francesa e com um “bom, preciso ir agora para não chegar atrasado”, os dois se separam, os anos se passam e o reencontro se dá quase uma década depois, após a morte inesperada de Paul.


Abel decide retomar o antigo relacionamento com Marianne e quando as coisas parecem se acertar, enfim, surge uma nova paixão na vida de Abel, Eva (Lily Rose), irmã de Paul.


Os três protagonistas mesmo decepcionando-se quando percebem que a vida não correspondem às suas aspirações, demonstram suas fragilidades e anseios, e permitem que o público se identifique com eles em várias situações.
O roteiro escrito em parceria com o grande Jean-Claude Carrière, autor de clássicos como O Discreto Charme da Burguesia (1972) e Esse Obscuro Objeto do Desejo (1977) , é um drama romântico que discorre de maneira atraente sobre várias questões e com personagens cheos de carisma e sensibilidade.

Dica: Preste atenção no ciumento filho de Marianne, Joseph (Joseph Engel) com sua “inocência cruel”, como diria Cazuza, tentando separar o casal.

“Um Homem Fiel” integrou a Mostra Varilux de Cinema Francês 2019 e abre a nossa programação de agosto, com exibição nos dias 03 e 04 de agosto às 11 horas, e na terça dia 06 às 14 horas.

Ficha Técnica
Título: Um Homem Fiel
Título original: L’Homme Fidèle
Nacionalidade: França
Gêneros: Romance, Comédia
Ano de produção: 2018
Estréia: 4 de julho de 2019 (Brasil)
Duração: 1h 15min
Classificação: 12 Anos
Direção: Louis Garrel

Elenco: Arthur Igual, Bakary Sangaré, Dali Benssalah, Diane Courseille, Joseph Engel, Kiara Carrière, Laetitia Casta, Lily-Rose Depp, Louis Garrel, Vladislav Galard
Roteiro: Louis Garrel, Jean-Claude Carrière
Direção de fotografia: Irina Lubtchansky
Edição: Joëlle Hache
Design de produção: Jean Rabasse
Distribuição: Supo Mungam Films

 

Moviecomarte

Casal Improvável no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 23 de julho de 2019 0 Comentários

Uma comédia estrelada por Charlize Theron e Seth Rogen, que desafia os conceitos público do que seria um casal ideal. Esta fórmula exaustivamente usada com um viéz cômico, aqui se aplica em uma trama romântica utópica, que subverte expectativas e preconceitos políticos e de gênero, com uma sinceridade irresistível.


Dirigida por Jonathan Levine, essa comédia romântica tem como ponto forte o carisma do casal central. Seth Rogen é Fred Flarsky, um jornalista à moda antiga, que se demite quando seu jornal de tendências liberais e investigativas é comprado por uma grande corporação. Charlotte Field, interpretada por Charlize Theron, é uma mulher poderosa que deseja concorrer à presidência do país.


A vida de Charlotte é totalmente voltada para o trabalho e o sonho de ser presidenta domina tudo – até seus relacionamentos pessoais. Um encontro com o primeiro-ministro do Canadá (Alexander Skarsgård) bombou na internet. Por acaso, ela encontra Flarsky numa festa – ela foi babá dele na adolescência, e a última vez em que se viram aconteceu algo bem estranho. Ele acaba contratado para escrever os discursos dela, que ainda não lançou sua candidatura, mas está viajando pelo mundo assinando um acordo ecológico. E esse reencontro acaba virando um romance.


O filme, escrito por Dan Sterling e Liz Hannah, é uma espécie de fantasia que usa maquinações políticas de maneira ingênua, tocando de forma quase incisiva em assuntos caros aos liberais americanos, como racismo e machismo.
Esta deliciosa comédia é o filme que o Moviecom Arte apresenta nos dias 27 e 28 de julho, às 11 horas, no Moviecom Cinemas do Maxi Shopping Jundiaí.

Ficha Técnica
Título original: Long Shot
Nacionalidade: EUA
Gênero: Comédia
Ano de produção: 2019
Estréia: 20 de junho de 2019 (Brasil)
Classificação: 16 anos
Duração: 2h 00min
Direção: Jonathan Levine
Roteiro: Liz Hannah, Dan Sterling
Elenco: Charlize Theron, Seth Rogen, June Diane Raphael, O´Shea Jackson Jr., Ravi Patel, Bob Odenkirk, Andy Serkis, Randall Park, Tristan D. Lalla, Alexander Skarsgård, Aladeen Tawfeek, Nathan Morris
Produção: Charlize Theron, Seth Rogen, Evan Goldberg, Rodrigo Guerrero, Barbara A. Hall, Kelli Konop, Jonathan McCoy, James Weaver
Trilha sonora: Marco Beltrami, Miles Hankins
Direção de fotografia: Yves Bélanger
Design de produção: Kalina Ivanov
Direção de arte: Camila Arocha, Sharon Davis, Donna Noonan, Zoe Sakellaropoulo
Decoração de set: Melissa Villegas Solórzano
Figurino: Mary E. Vogt
Distribuição: Paris Filme

Moviecomarte

A Grande Dama do Cinema, No Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 5 de julho de 2019 0 Comentários

Com apenas 6 atores e 3 locações, “A Grande Dama do Cinema” é um longa surpreendente do oscarizado diretor argentino Juan José Campanella.


Mara Ordaz, personagem central da trama, remete à Nora Desmond, protagonista de “Crepúsculo dos Deuses” (o clássico de Billy Wilder, de 1950). Mara foi uma estrela na juventude, chegou a ganhar um grande prêmio internacional (o Oscar?), mas foi esquecida com o passar dos anos.
Afastada das telas há décadas, Mara vive em uma velha mansão decadente nas cercanias de Buenos Aires com o marido paraplégico, o também ator Pedro (Luis Brandoni), o cineasta Norberto (Oscar Maritnez) e o roteirista Martin (Marcos Mundstock), todos no ostracismo, assim como ela.


Baseado no romance El Cuento de las Comadrejas, “A Grande Dama do Cinema” brinca com as convenções do melodrama para construir uma saborosa farsa sobre o próprio cinema. É ao mesmo tempo muito engraçado e bastante cruel em sua visão sobre o envelhecer em uma indústria que endeusa a juventude.


O convívio entre Marta, Pedro, Norberto e Martin reproduz de certa forma a teia de relações que um dia tiveram, quando ainda estavam na ativa. Ela, nas posição de diva, ainda que na obscuridade, os tiraniza. O marido nunca teve uma carreira a sua altura, e os outros dois de certa forma tiveram suas carreiras atreladas à dela. A imensa casa onde vivem isolados do mundo real, é um mausoléu de lembranças, forrado de cartazes, fotos, troféus e lembranças. Dividem espaço com ratos e a falta de dinheiro.


Tudo muda quando entram cena dois jovens aparentemente deslumbrados com o passado glorioso de Mara. Eles prometem levá-la de volta à ribalta e tentam convencê-la a vender a casa, sem levar em consideração que ela não vive só, que sua vida está profundamente ligada a de seus companheiros. Carente de atenção e seduzida pela possibilidade de resgatar seus dias de estrela, ela sucumbe.


A trama, cheia de reviravoltas, é, no fundo, uma grande homenagem ao cinema, tanto aos seus gêneros e formatos narrativos quanto a sua mística, por vezes aterrorizante, assim como em Crepúsculo dos Deuses.
Campanella prova, mais uma vez, ser um hábil artesão, um ótimo contador de histórias. O elenco de grandes veteranos do cinema argentino dá um verdadeiro show de interpretação e são o ponto alto deste filme.
Estrelado por Graciela Borges, Luis Brandoni e Oscar Martinez, “A Grande Dama do Cinema” é o filme que o Moviecom Arte apresenta nos dias 06 e 07 de julho, às 11 horas.

Ficha Técnica
Título original: El cuento de las comadrejas
Nacionalidades: Argentina, Espanha
Gêneros: Comédia, Drama
Ano de produção: 2019
Estréia: 16 de maio de 2019 (Brasil)
Duração: 2h 03min
Direção: Juan José Campanella
Elenco; Graciela Borges, Oscar Martínez, Luis Brandoni, Marcos Mundstock, Clara Lago, Nicolás Francella e Maru Zapata
Roteiro: Juan José Campanella
Trilha sonora: Emilio Kauderer
Direção de fotografia: Félix Monti
Direção de arte: Nelson Noel Luty
Figurino: Cecilia Monti
Distribuição: Fênix Filmes