Tag

#cannes

Moviecomarte

Programação de Fevereiro do Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 31 de janeiro de 2020 0 Comentários

Fevereiro é o mês do Carnaval e do Oscar. O Moviecom Arte preparou uma programação especial para quem adora um tapete vermelho e também para quem vai se jogar na folia, afinal nada melhor que um bom filme para relaxar antes de se jogar nos blocos.

PROGRAMAÇÃO MOVIECOMARTE – FEVEREIRO – 2020

DIAS 01, 02 e 04
FILHAS DO SOL


Trazendo a perscpectiva feminina para o tema da guerra, em Filhas do Sol a cineasta Eva Husson mostra uma visão muito peculiar sobre o conflito no Curdistão. No centro da trama estão duas personagens fortes. Uma delas é Mathilde (Emmanuelle Bercot), uma jornalista tarimbada, acostumada a transitar entre escombros e a se esquivar de projéteis e minas. Ela é a testemunha, aquela que, além da câmera, carrega as marcas do trabalho.
A outra é Bahar (Golshifteh Farahani), líder do batalhão de mulheres, combatente feroz que investiga locais em busca do filho sequestrado, toma à frente das iniciativas, expondo a importância da maternidade como vínculo essencial (motriz) à determinação de seguir em frente. Ambas são mães e a despeito dos mundos diferentes em que vivem, possuem suas similaridades.
O que Filhas do Sol tem de mais potente é a capacidade de esquadrinhar o feminino nesse contexto dominado por homens. Elas sofrem toda sorte de infortúnios, ainda mais numa circunstância como aquela em que a força bruta, supostamente um predicado deles, é determinante para que vitórias sejam conquistadas.
Filhas do Sol é o filme que abre a programação de fevereiro do Moviecom Arte e será exibido nos dias 01 e 02 de fevereiro às 11 horas e no dia 04 às 14 horas.

Trailer:

DIAS 08, 09 e 11
Judy: Muito Além do Arco-Íris

Focada nos últimos anos de vida de uma das mais icônicas estrelas de Hollywood, Judy: Muito Além do Arco-Íris é uma cinebiografia muito mais emocional do que factual.
Renée Zellweger interpreta Judy Garland e essa foi uma das grandes sacadas do diretor Rupert Goold. Assim como Judy, Renée também sabe o peso da pressão pública sobre a própria imagem de uma estrela.
Não deu outra, Renée foi agraciada recentemente com o Globo de Ouro de Melhor Atriz por seu trabalho em Judy: Muito Além do Arco-Íris e é a grande favorita para o Oscar 2020.
O roteiro assinado por Peter Quilter e Tom Edge nos mostra a turnê de Judy Garland pelo Reino Unido em 1968, quando ela já era uma estrela em decadência.
Considerada um investimento de risco pelos grandes estúdios, Garland tinha esperança de reerguer sua carreira nos palcos de Londres, deixando tudo para trás, inclusive seus filhos.
As canções do filme falam muito mais sobre a diva do que o próprio texto. E elas ganham uma versão cativante na interpretação de Renéé, principalmente em Somewhere Over the Rainbow.
Com baixo orçamento este filme é uma das gandes surpresas da temporada e você poderá conferir nas exibições do Moviecom Arte nos dias 08 e 09 de fevereiro às 11 horas e no dia 11 às 14 horas.

Trailer:

DIAS 14, 15 e 17
OS MISERÁVEIS


Do clássico de Victor Hugo, o estreante diretor Ladj Ly pegou o título, a ambientação nos suburbios de Paris, a desigualdade social, a miséria decorrente e o conflito na relação com o Estado, seja pela ação arbitrária da policia ou pela atitude dos revolucionários exigindo justiça.
Mas Os Miseráveis de Ly é um filme contemporâneo, mostrando os problemas sociais que a França enfrenta. O roteiro assinado por Ladj Ly, Alexis Manenti e Giordano Gederlini nos insere em uma caótica espiral, com uma história cheia de viravoltas e obstinada em apresentar temas variados.
Um dos grandes méritos do filme é modo como explora a complexidade étnica da França atual: negros, mestiços, árabes e brancos se combinam num registro que, pela própria seleção do elenco do filme, já denota uma urgência de pontos de vista conflitantes.
No centro da trama está um trio de policiais, um deles em seu primeiro dia de trabalho, transitando pelo suburbio e desencadeando uma série de acontecimentos que se transformam em uma iminente tragédia.
Dividindo com o brasileiro Bacurau o Prêmio do Juri no Festival de Cannes, Os Miseráveis traz a urgência da discução que a luta de classes ainda suscita em pleno século XXI e é um dos filmes que concorrem ao Oscar 2020 de Melhor Filme Estrangeiro.
Você não pode perder! Os Miseráveis de Ladj Ly será exibido no Moviecom Arte nos dias 14 e 15 às 11 horas e no dia 17 de fevereiro às 14 horas.

Trailer:

DIAS 22, 23 e 25
VENTOS DA LIBERDADE

Um suspense sobre tempos sombrios que constantemente rondam os países democráticas na forma de movimentos autoritários.
A Alemanha vivenciou isso desde a ascenção de Hitler até a queda, em 1989, de seu último ditador Erick Honecker. O país passou décadas assombrado pelo medo e assombrado pelo fim da liberdade.
Em Ventos da Liberdade, o diretor Michael Herbig, mostra a tirania destilando seu ódio sobre o cidadão comum, recriando a atmosfera dos tempos do regime em eficiente reconstituição de um dos períodos mais terríveis da história da humanidade.
Baseada em uma história real, o roteiro assinado por Herbig, Kit Hopkins e Thilo Röscheisen reconstrói o verão de 1979, na cidade de Thüringer, na Alemanha Oriental, para contar a história de duas famílias, os Strelzyk e os Wetzel, desesperados para fugir cruzando a fronteira para a Alemanha Ocidental em um balão de ar quente feito por eles mesmos de modo improvisado.
A poucos metros de distância do lado ocidental, eles sabem que podem ser executados como traidores do regime se falharem. Homens são recrutados a todo momento e obrigados a trabalhar nas fronteiras. A ordem é impedir as fugas a qualquer custo e executar, na hora, homens, mulheres e crianças que tentarem escapar do lado Oriental.
Michael Herbig investe em uma dinâmica de suspense para mostrar os obstáculos que envolvem a empreitada. Em 1982, o fato foi adaptado para o cinema com o título ‘Dramática Travessia’, de Delbert Mann, estrelada por John Hurt e Jane Alexander, mas agora são os próprios alemães que contam sua história.
A música de Marvin Miller e Ralf Wengenmayr, e a montagem de Alexander Dittner contribuem de modo impressionante para a narrativa, além da ótima colaboração do elenco liderado por Friedrich Mücke, Karoline Schuch, David Kross e Alicia Von Rittberg.
“Ventos da Liberdade” é um exemplar do cinema que conserva os elementos do entretenimento com competência dramática para contar uma história que não pode ser esquecida.
Venha ver este grande filme no Moviecom Arte, dias 22 e 23 às 11 horas e dia 25 de fevereiro às 14 horas.

Trailer:

DIAS 29/02 e 01 e 03/03
DEUS É MULHER E SEU NOME É PETÚNIA


Em diversas cidades e pequenas comunidades da Macedônia, no dia 19 de janeiro é celebrado o feriado da Epifania (batismo de Cristo). É costume nesse dia jogar uma cruz nas águas de um rio, e quem for capaz de pegá-la terá boa sorte e prosperidade para todo o ano seguinte. Contudo, só os homens podem se jogar nas águas para alcançar essa benção. Segundo as tradições, só os homens merecem a oportunidade de ser feliz.
Este foi o ponto de partida da diretora e roteirista macedoniense Teona Struga Mitevska para tecer um olhar crítico e apurado sobre uma realidade que até hoje perturba e incomoda.
A trama gira em torno de Petúnia, uma mulher comum disposta a subverter todas essas regras e a pagar o preço disso tudo.
Desempregada e vivendo na casa dos pais (uma mãe autoritária e um pai submisso e ausente), Petúnia não tem mais nada a perder e resolve mergulhar no rio e pegar o crucifixo. nasce aí a determinação de dar um novo sentido à sua vida, desafiando a religião, a sociedade, o patriarcado e as tradições. Afinal de contas, Deus É Mulher E Seu Nome É Petúnia.
Você precisa Petúnia! Ela estará no Moviecom Arte nos dias 29 de Fevereiro e 01 de Março às 11 horas e no dia 03 de Março às 14 horas.

Trailer:

________________________________________

O Moviecom Arte é um projeto da publicitária e produtora Fátima Augusto em parceria com o Moviecom Jundiaí, que há 1o anos traz para a cidade filmes de arte e que não entram no circuito comercial.

Com um horário alternativo dentro da programação do cinema, o Moviecom Arte acontece todos os sábados e domingos às 11 horas e tem ingressos a R$ 10,50 e R$ 5,25.

O Moviecom Jundiaí fica no Maxi Shopping – Av. Antônio Frederico Ozanan, 6000 – Vila Rio Branco, Jundiaí – SP

Moviecomarte

Representando o Brasil no Oscar 2020

Postado porTemperos de Cinema 3 de janeiro de 2020 0 Comentários

Conhecido pelo cultuado e premiado filme “Madame Satã”, de 2002, o diretor e roteirista brasileiro Karim Aïnouz retoma a cena carioca da década de 1920 em “A Vida Invisível”, que fala de amor familiar, questões de gênero, opressão e resistência através do afeto.


Cotado para representar o Brasil no Oscar 2.020, “A Vida Invisível” é uma adaptação do livro A vida Invisível de Eurídice Gusmão, de Martha Batalha (Companhia das Letras).


Estrelado pelas atrizes Carol Duarte, Julia Stockler e Fernanda Montenegro, conta a trajetória e o amor de duas irmãs, Eurídice (vivida por Duarte, na juventude, e por Montenegro, na velhice) e Guida Gusmão (Stockler), filhas de uma família imigrante portuguesa patriarcal e conservadora que se separam depois que Guida foge para viver um amor (frustrado), retorna grávida para casa e é expulsa pelo pai.


A partir desse trauma, ambas passarão a vida se buscando, sempre tão longe e tão perto. Enquanto Guida se reconstrói como mãe solo e pobre, operária, que encontra apoio e afeto na amiga Filomena (vivida por Bárbara Santos), Eurídice tenta conciliar o sonho de ser uma grande pianista com a vida de uma mulher casada dos anos 1950.


Em “A Vida Invisível”, o lugar social e tradicional da família é posto em xeque a todo momento. Se, por um lado, está o amor incondicional entre duas irmãs, por outro está a rejeição paterna, as relações de poder e força física e a imposição de vontades. Isso fica claro, por exemplo, nas cenas de sexo da obra, que são sempre incômodas, por vezes cômicas, mas que também denunciam abusos.


Estruturalmente denso e cromaticamente arrojado, este filme já rendeu ao diretor o importante prêmio Um Certo Olhar, no Festival de Cannes 2019. E você poderá vê-lo nos dias 04 e 05 de Janeiro, às 11 horas, no Moviecom Arte.

Ficha Técnica
Título Original: A Vida Invisível
Ano de Produção: 2019
Gênero: Drama Romance
Duração: 139 min
Estreia no Brasil: 31 de Outubro de 2019
Classificação indicativa
País de Origem: Brasil
Direção: Karim Aïnouz
Roteirp: Murilo HauserInés Bortagaray e Karim Aïnouz
Elenco: Fernanda MontenegroCarol DuarteJulia StocklerGregório DuvivierMaria ManoellaCristina PereiraFlavio BauraquiAntónio FonsecaMarcio VitoGillray Coutinho
Distribuição: Sony, Pola Pandora, Vitrine, RT Features

Moviecomarte

PROGRAMAÇÃO DE JANEIRO NO MOVIECOM ARTE

Postado porTemperos de Cinema 3 de janeiro de 2020 0 Comentários

A programação 2.020 do Moviecom Arte começa quente como o verão, com sessões aos sábados e domingos, sempre às 11 horas. Lembrando que no mês de Janeiro, não teremos sessões às terças-feiras. Venha aproveitar os melhores filmes da temporada no Moviecom Arte. O ar condicionado é por nossa conta!

DIAS 04 e 05
A VIDA INVISÍVEL
de Karim Aïnouz

Conhecido pelo cultuado e premiado filme “Madame Satã”, de 2002, o diretor e roteirista brasileiro Karim Aïnouz retoma a cena carioca da década de 1920 em “A Vida Invisível”, que fala de amor familiar, questões de gênero, opressão e resistência através do afeto.
Cotado para representar o Brasil no Oscar 2.020, “A Vida Invisível” é uma adaptação do livro A vida Invisível de Eurídice Gusmão, de Martha Batalha (Companhia das Letras).
Estrelado pelas atrizes Carol Duarte, Julia Stockler e Fernanda Montenegro, conta a trajetória e o amor de duas irmãs, Eurídice (vivida por Duarte, na juventude, e por Montenegro, na velhice) e Guida Gusmão (Stockler), filhas de uma família imigrante portuguesa patriarcal e conservadora que se separam depois que Guida foge para viver um amor (frustrado), retorna grávida para casa e é expulsa pelo pai.
A partir desse trauma, ambas passarão a vida se buscando, sempre tão longe e tão perto. Enquanto Guida se reconstrói como mãe solo e pobre, operária, que encontra apoio e afeto na amiga Filomena (vivida por Bárbara Santos), Eurídice tenta conciliar o sonho de ser uma grande pianista com a vida de uma mulher casada dos anos 1950.
Em “A Vida Invisível”, o lugar social e tradicional da família é posto em xeque a todo momento. Se, por um lado, está o amor incondicional entre duas irmãs, por outro está a rejeição paterna, as relações de poder e força física e a imposição de vontades. Isso fica claro, por exemplo, nas cenas de sexo da obra, que são sempre incômodas, por vezes cômicas, mas que também denunciam abusos.
Estruturalmente denso e cromaticamente arrojado, este filme já rendeu ao diretor o importante prêmio Um Certo Olhar, no Festival de Cannes 2019. E você poderá vê-lo nos dias 04 e 05 de Janeiro, às 11 horas, no Moviecom Arte.

DIAS 11 e 12
UM DIA DE CHUVA EM NOVA YORK
de Woody Allen

Apesar das controvérsias que envolvem seu nome, Woody Allen é inegavelmente um dos grandes cineastas contemporâneos e, enquanto nada é provado juridicamente, ele segue fazendo seu trabalho de forma impecável, superando os obstáculos profissionais consequentes das denúncias em sua vida pessoal.
“Um Dia de Chuva em Nova York” deveria estrear em 2.018 mas o rompimento de contrato e uma disputa judicial com a Amazon Filmes, retardaram a exibição. Aqui no Brasil ele chegou apenas em 21 de novembro de 2019.
A trama gira em torno dos personagens de Timothée Chalamet (Gatsby) e de Elle Fanning (Ashleigh), um casal de namorados sem muita sintonia, ele parece não saber muito bem o que quer da vida, enquanto ela é uma dedicada estudante de jornalismo para quem surge a oportunidade de entrevistar em Nova York um importante diretor de cinema, Roland Pollard (Liev Schreiber).
O jovem casal planeja então um final de semana perfeito e romântico na Big Apple. Mas os planos não saem como combinado e cada um vai para um lado, abrindo possibilidades para que surjam diversos floreios narrativos típicos da obra de Allen, como a possibilidade do adultério e a sátira dos costumes cosmopolitas.
Em uma sucessão deliciosa de encontros e desencontros, Ashleigh e Gatsby vão descobrir novos sentidos para as suas vidas e reavaliar suas escolhas atuais para ter o futuro que buscam e merecem.
Bem ao estilo de Allen, há também em “Um Dia de Chuva Em Nova York” um quê de provocação ao atual clima na indústria cinematográfica pós #MeToo
Venha conferir o mais recente trabalho deste icônico diretor norte americano nos dia 11 e 12 de Janeiro, às 11 horas, no Moviecom Arte.

DIAS 18 e 19
Papicha
de Mounia Meddour

Chamado de “Bacurau argelino” pelo crítico João de Oliveira, o drama “Papicha” é o longa de estreia da cineasta Mounia Meddour e mostra a luta da arte contra o obscurantismo fundamentalista.
Ambientado nos anos 90, marcados como a década negra pelos conflitos acirrados entre o governo da Argélia e grupos islâmicos, o filme conta a trajetória de Nedjma (Lyna Khoudri), uma estudante de moda que luta para reafirmar suas posições em um país transformado pela Guerra Cívil e atentados terroristas.
O obstinado exercício de sua arte é a maneira que Nedjma encontra de reafirmar seus valores e de empoderar suas amigas. A resistência de seu discurso bate de frente com o sofrimento que a cerca.
“Papicha” nos apresenta um lado pouco conhecido dos mulçumanos, mostrando pessoas comuns, opostas ao estereótipo ocidental que nos é passado. A diretora coloca em cena pessoas que sonham e que sofrem com a falta de liberdade e a tirania ignorantes extremistas.
“Papicha” é um drama intenso, cheio de reviravoltas de tirar o fôlego e uma simbologia desconcertante. Não perca este filme que será exibido no Moviecom Arte dos dias 21 e 22 de Janeiro, às 11 horas.

DIAS 25 e 26
O ÚLTIMO AMOR DE CASANOVA
de Benoît Jacquot

A vida aventureira e os incontáveis amores do lendário Giacomo Girolamo Casanova já inspiraram dezenas de filmes mas o diretor francês Benoît Jacquot, desenvolveu o roteiro de “O Ùltimo Amor de Casanova”, em parceria com Jérôme Beaujour e Chantal Thomas, focando no única mulher que ele amou e que foi também a única a resistir a seus flertes.
Ao se concentrar nesta história pouco conhecida, o cineasta mergulha em um mundo de desejos frustrados, de amor versus paixão, de conquista e possessão, além de uma interessante inversão de gêneros nas relações entre homem e mulher, num contexto particular da Europa do Século XVIII.
Neste filme, Casanova é apresentado já sexagenário, escrevendo e narrando uma de suas aventuras mais marcantes, vivida 30 anos antes, quando se refugiou em Londres depois de ter sido exilado.
Bernoit Jacquot nos mostra um outro Casanova nesta versão interpretada por Vincent Lindon. Trata-se de um homem triste, muito mais procurado pelas mulheres do que as procura, completamente apaixonado por uma jovem prostituta, Marianne de Charpillon, que o provoca e repele de forma sádica.
Invertendo a história, a interpretação de Bernoit Jacquot: traz o empoderamento feminino na personagem Marianne de Charpillon (Stacy Martin) que utiliza seu poder de sedução para aprisionar homens incapazes de controlar seus desejos.
“O Ùltimo Amor de Casanova” fecha a programação de Janeiro do Moviecom Arte, com exibição nos dias 25 e 26, às 11 horas. Um filme imperdível.

Moviecomarte

Programação de Maio no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 3 de maio de 2019 0 Comentários

Se você não vai até Cannes, o Moviecom Arte traz Cannes até você.  A nossa programação de maio traz alguns dos grandes filmes que receberam indicações para o cobiçado prêmio do cinema europeu e também uma nova versão do badalado diretor iraniano Asghar Farhadi para o seu filme de estreia “Gloria”.

DIAS 04, 05 E 07
UM BANHO DE VIDA
de Gilles Lellouche

Comédia francesa aborda masculinidade e depressão

Um Banho de Vida (Le Grand Bain) é uma comédia leve sobre a sublimação dos problemas por meio de um esporte artístico, a natação sincronizada masculina.
Grande parte das piadas do filme são relacionadas à emulação de um lado mais feminino de um grupo de homens de meia-idade por conta da modalidade notoriamente praticada por esportistas mulheres.
Com esse argumento, o filme apresenta cada personagem participante do grupo de nadadores amadores sob o comando de uma treinadora e ex-ginasta olímpica.
O protagonista é o depressivo Bertrand (Mathieu Amalric), um pai de família desempregado que passa os dias na cama ou jogando Candy Crush no sofá, enquanto sua esposa e filhos vivem ao redor da sua ausência emocional. Um dia ele vê o anúncio para participar de uma equipe de nado sincronizado e decide inscrever-se.
Recebido por Thierry (Philippe Katerine), Bertrand percebe que mais do que horas na piscina o grupo de natação é um encontro terapêutico. Isso porque eles compartilham suas frustrações no vestiário, na sauna e no bar entre cervejas para aliviar o peso da vida durante a outra parte do dia. Os personagens e seus dilemas são expostos pouco a pouco, enquanto a trama desenvolve-se também dentro das paredes do ginásio esportivo.

DIAS 11, 12 E 14
VIDAS DUPLAS
de Olivier Assayas

Comédia Francesa com tom de Woody Allen

Com um conjunto de ótimos atores e diálogos afiadíssimos, o diretor francês Olivier Assayas apresenta em Vidas Duplas (Double Vies) uma discussão sobre a revolução tecnológica dos hábitos de leitura como porta de entrada para outros dilemas, tais como profissão, relacionamento e, principalmente, a hipocrisia humana.
Se não fosse a língua francesa, poderíamos dizer que se trata de uma obra de Woody Allen.
Em um encontro social, enquanto bebem vinho, os convidados discutem sobre a contradição entre a escassa leitura de jornais e os grande acessos dos blogs como principal fonte de informação.
Em outro momento, questiona-se a facilidade dos leitores digitais em detrimento dos livros físicos. A acalorada discussão inicial é um pontapé para as questões individuais de cada personagem.
O filme segue relacionamentos entrelaçados e os viés de cada um sobre as suas questões pessoais. Os protagonistas deste embate de perspectivas são o bem-sucedido editor Alain (Guillaume Canet) e Léonard (Vincent Macaigne), escritor de suas próprias experiências.
No caso, Alain rejeita a última obra de Léonard por achá-lo repetitivo e desejar novas vozes no mercado. Ao mesmo tempo, ele lida com a nova postura da editora em publicar mais e-book a livros físicos.
As discussões sobre popularização da leitura e menor custo de produção permeiam todo o longa.

DIAS 18, 19 E 21
GLORIA BELL
de Sebastián Lelio

Um “Lady Bird” da Melhor Idade

Sebastián Lelio é um diretor chileno que ganhou os holofotes em 2013 pelas nomeações e prêmios recebidos pelo filme “Gloria” e chegou ao Oscar em 2018 com o filme “Uma Mulher Fantástica”, que conta com uma protagonista transexual e que você assistiu aqui no Moviecom Arte.
Agora, em 2019, ele traz a versão americana de seu longa-metragem de 2013 com um novo título “Gloria Bell”. Protagonizado por Julianne Moore em mais uma atuação magnífica, o longa conta a história de Gloria, uma mulher acima dos 50 anos, com um espírito jovial que se envolve com um ex-oficial da Marinha que ela conhece em uma danceteria de Los Angeles.
Além da atuação de Julianne Moore, a trilha sonora é excepcional, repleta de sucessos da era “disco”.

 

DIAS 25, 26 E 28
TODOS JÁ SABEM
de Asghar Farhadi

Suspense e Segredos do Passado em Tom Novelesco

Com um elenco encabeçado por Penélope Cruz, Javier Bardem e Ricardo Darín, Todos Já Sabem (Todos lo Saben) se apresenta com um delírio cinéfilo ao reunir os melhores atores hispânicos da atualidade em um mesmo filme.
A obra é escrita e comandada pelo iraniano Asghar Farhadi (o ganhador do Oscar com “A Separação”). Esta é a sua primeira produção que não tem sua pátria como tema, ambientando este melodrama em um pequeno povoado da Espanha.
Nos primeiros minutos de tela, o elenco é apresentado com fluidez e habilidade. Após anos distante, Laura (Penélope Cruz) volta ao povoado da sua família com os dois filhos, a adolescente Irene (Carla Campra) e menino Diego (Iván Chavero), para o casamento da irmã mais nova Ana (Inma Cuesta). Toda a família prepara-se para a festividade que toma conta de tela por longos momentos, desde a cerimônia na igreja até a grande festa no quintal de casa.
Entre os convidadeos está Paco (Javier Bardem) e sua esposa Bea (Bárbara Lennie), amigos da família e uma equipe de filmagem, além dos vizinhos do povoado. No meio da bebedeira e danças, a luz apaga-se e Paco busca um transformador em sua fazenda para dar continuidade à celebração.
A partir deste momento, entretanto, Laura percebe que Irene não está no quarto, nem no banheiro, ou qualquer lugar da casa. Já aflita, ela recebe uma mensagem para que não chame a polícia, senão sua filha corre risco de morte. Desse modo começa o grande suspense de Todos Já Sabem e todos as possibilidades são postas à mesa.

 

Moviecomarte

Guerra Fria, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 28 de março de 2019 0 Comentários

O diretor polonês Pawel Pawlikowski é um dos grandes nomes do cinema contemporâneo e seu mais recente trabalho, “Guerra Fria”, lhe rendeu o prêmio de melhor direção em Cannes e concorreu ao Oscar 2.019 de Melhor Filme Estrangeiro.


“Guerra Fria” conta uma história de amor inspirada na vida dos pais do cineasta. Duas pessoas completamente diferentes uma da outra, em suas origens e personalidade, Zula e Wiktor se apaixonam e ambos terão que ceder em suas personalidades para viver uma história que se desenha de forma atropelada, durante o período da Guerra Fria iniciada na década de 50, em seu país de origem e em boa parte da Europa.


Pawell transforma suas recorrências estilísticas em signos palatáveis através das linhas evolutivas de seus protagonistas. O trabalho conjunto dele com seu casal de atores é de enorme responsabilidade para conseguir esse espaço empático.


Filmado em preto e branco, técnica que o diretor já utilizou em “Ida” (seu filme de estreia), “Guerra Fria” é conduzido pela música que o transforma em uma obra requintada e super lapidada.
Você não pode perder “Guerra Fria” no Moviecom Arte nos dias 30 e 31 de março às 11 horas e no dia 2 de abril às 14 horas.

Ficha Técnica
Título: Guerra Fria
Título original: Zimna Wojna
Nacionalidades: Polônia, Reino Unido, França
Gêneros: Drama, Romance
Ano de produção: 2018
Estréia: 7 de fevereiro de 2019 (Brasil)
Duração: 1h 28min
Classificação: 14 anos
Direção: Pawel Pawlikowski
Roteiro: Pawel Pawlikowski, Janusz Glowacki, Piotr Borkowski
Elenco: Joanna Kulig, Tomasz Kot, Jeanne Balibar
Direção de fotografia: Lukasz Zal
Edição: Jaroslaw Kaminski
Design de produção: Benoît Barouh, Marcel Slawinski, Katarzyna Sobanska-Strzalkowska
Decoração de set: Marcel Slawinski, Katarzyna Sobanska-Strzalkowska
Figurino: Ola Staszko
Distribuição: California Filmes

Moviecomarte

A Câmera de Claire, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 13 de julho de 2018 0 Comentários

Um dos diretores mais produtivos da atualidade, Hong Sang-soo já foi comparado a Jean-Luc Godard e é conhecido por seus roteiros criados a partir de sutilezas do dia-a-dia e em pessoas reais.
“A Câmera de Claire” se baseia em desacertos conjugais, um tema bastante recorrente na obra do diretor, e traz a diva Isabelle Huppert como Claire, uma professora, poeta e fotógrafa circulando pelas ruas de Cannes durante o famoso Festival de Cinema e travando amizade com alguns turistas sul coreanos.


Claire tira fotos de seus novos amigos mas não fica com elas. Entrega os registros aos próprios fotografados para que eles possam avaliar suas próprias transformações no decorrer da trama. “Porque a única forma de mudar as coisas é olhar para tudo novamente de forma bem devagar”, diz Claire.


Esses encontros funcionam como um fio condutor que revelará os demais personagens de um intrincado quebra-cabeças do qual fazem parte e que ao final mostrará as mudanças em cada um deles.

“A Câmera de Claire” será exibido no Moviecom Arte, do Moviecom Cinemas do Maxi shopping Jundiaí nos dias 14 e 15 de julho às 11 hs, e no dia 17 de julho às 14 hs.

Ficha Técnica
Título original: KEUL-LE-EO-UI KA-ME-LA
Título no Brasil: A Câmera de Claire
Gênero: Comédia Dramática
Duração: 68 min
Estreia no Brasil: 24 de Maio de 2018
País: França e Coréia do Sul
Idioma: Francês
Diretor: Hong Sang soo
Roteiro: Hong Sang soo
Elenco: Isabelle Huppert, Min hee Kim, Mi hee Chang, Jin young Jung, Yoon Heesun, Wanmin Lee, Taewoo Kang, Shahira Fahmy e Mark Peranson
Distribuição: Pandora Filmes

Moviecomarte

O Terceiro Assassinato, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 15 de junho de 2018 0 Comentários

Os filmes de tribunais já ganharam o status de categoria cinematográfica e é interessante ver como o público reage a eles. O talentoso diretor Hirokazu Kore-eda traz em “O Terceiro Assassinato” um formato completamente inovador para um filme de tribunal, questionando os procedimentos legais e relativizando o conceito de julgamento.

o-terceiro-assassinato-moviecom-arte-post1
Este filme estreou no Brasil em Abril mas já tinha sido exibido na 41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e foi super aclamado no Japan Academy Prize, levando os seis mais importantes prêmios.


A trama gira em torno de um advogado de sucesso que aceita um novo caso motivado por razões pessoais. Ele defende um homem que esteve preso por muitos anos, condenado por seu pai. Solto, ele confessa um novo assassinato, mas a muda a versão do crime a cada depoimento, transformando o julgamento em uma farsa.

Sem sustentação para a defesa do seu cliente, o advogado usa de todo tipo de artimanhas legais para evitar a condenação à morte.


Hirokazu Kore-eda é hoje um dos mais respeitados nomes do cinema contemporâneo. Profundo conhecedor de todo o processo do fazer cinematográfico, ele dirige, escreve e até monta seus proprios filmes.
Presença obrigatória na seleção do Festival de Cannes desde 1995 foi premiado 5 vezes, sendo que a mais recente premiação foi no mês passado, quando levou a Palma de Ouro por “Shoplifters”, seu mais recente trabalho.
Se você é fã de filmes de tribunais ou é fã da obra de Hirokazu Kore-eda , não pode perder “O Terceiro Assassinato” em exibição no Moviecom Arte nos dias 16 e 17 de junho às 11 horas e no dia 19 de junho às 14 horas.

Ficha Técnica
Título original: Sandome no Satsujin
Título em inglês: The Third Murder
Nacionalidade: Japão
Gêneros: Drama, Policial
Ano de produção: 2017
Estréia: 19 de abril de 2018 (Brasil)
Duração: 2h 05 minutos
Direção: Hirokazu Koreeda
Roteiro: Hirokazu Koreeda
Produção: Chiaki Harada, Kaoru Matsuzaki, Satomi Odake, Shinichi Ogawa, Megumi Osawa, Hijiri Taguchi, Tom Yoda
Elenco: Masaharu Fukuyama, Kôju Yakusho, Isao Hashizume, Suzu Hirose, Mikako Ichikawa
Trilha sonora: Ludovico Einaudi
Direção de fotografia: Mikiya Takimoto
Edição: Hirokazu Koreeda
Design de produção: Yohei Taneda
Distribuição: Imovision 

Sem categoria

Programação de Novembro do Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 31 de outubro de 2017 0 Comentários

A programação do Moviecom Arte para este mês está cheia de fortes emoções para os cinéfilos. Começamos o mês com o polêmico “Rodin”, de Jacques Doillon, que causou n Festival de Cannes. Na sequência “Uma Razão Para Recomeçar”, de Drew Waters, um drama romântico daqueles à moda antiga e com direito a caixa de lenço. Depois vem “Rock’n Roll – Por Trás da Fama”, de Guillaume Canet, uma comédia dramática com a diva Marion Cotillard. E fechamos o mês com outro filme polêmico: “Manifesto”, do diretor alemão Julian Rosefeldt, que traz outra grande diva do cinema contemporâneo, Cate Blanchett, interpretando 13 personagens.

E os amantes do artesanato popular japonês terão ainda uma sessão extra e gratuita do Moviecom Arte no dia 19, com a exibição do curta independente “Mingei, Em Busca do Artesanato Popular do Japão”, dirigido por de Rica Saito sobre o trabalho da pesquisadora Silvia Sasaoka.
Anote na sua agenda e convide os amigos.
Aliás, você já sabe que o Moviecom Arte agora tem uma sessão também às terças-feiras às 14 horas? Pois é! Essa é uma notícia pela qual muita gente esperava. Vamos comemorar brindando com baldes de pipocas!

C2YcHr9XcAAhpDN

dias 04 e 05 de novembro às 11 horas
dia 07 de novembro às 14 horas
Rodin

SINOPSE
Em 1880, o escultor Auguste Rodin (Vincent Lindon) já é bastante conhecido, mas nunca conseguiu nenhuma encomensa do Estado. Esta oportunidade chega aos 40 anos de idade, com a escultura “La Porte de l’Enfer”. Enquanto trabalha, ao lado da esposa Rose Beuret (Séverine Caneele), ele se apaixona por sua aprendiz mais talentosa, Camille Claudel (Izïa Higelin), que se torna sua amante. Quando este relacionamento escondido acaba, Rodin muda radicalmente a forma de seus trabalhos.
Não recomendado para menores de 12 anos

_____________________________________

4084151.jpg-r_620_260-f_jpg-q_x-xxyxx

dias 11 e 12 de novembro às 11 horas
dia 14 de novembro às 14 horas
Uma Razão Para Recomeçar

SINOPSE
Ben (Jonathan Patrick Moore) conheceu Ava (Erin Bethea) aos sete anos quando ela estava de pé na entrada de sua garagem. À medida que o tempo passa, os dois viajam juntos através das estações da vida, até que ocorre uma tragédia que deixa todo o seu futuro em perigo.
Não recomendado para menores de 10 anos

______________________________________

286972

dias 18 e 19 de novembro às 11 horas
dia 21 de novembro às 14 horas
Rock”n Roll – Por Trás da Fama

SINOPSE
O cineasta e ator Guillaume Canet, com 43 anos, é confrontado por uma repórter, sugerindo que ele está ultrapassado e não pode concorrer com os jovens de sua geração. Perturbado com esta ideia, o artista decide provar que continua tão criativo e descolado quanto antes. Para isso, conta com a ajuda da sua esposa Marion Cotillard e busca inspiração no rei do rock francês Johnny Hallyday
Não recomendado para menores de 14 anos

_____________________________________

Cartaz MINGEI
DIA 19 – 10:30 horas
SESSÃO GRATUITA
MINGEI – Em busca do artesanato popular do Japão

Um caderno de viagens em vídeo da pesquisadora Silvia Sasaoka em uma viagem pelo Japão pesquisando as expressões do artesanato popular com bolsa da Fundação Japão. Ela percorreu o país, do norte às ilhas do sul, entrevistando artesãos de tecelagem, estamparia, cerâmica e laca, entre outros. E também registrando o trabalho e criação. Este vídeo, com direção e edição de Rica Saito, é um tributo ao artesanato na sua forma mais elaborada e um testemunho da diversidade e inventividade de gerações.

_____________________________________

Cate Blanchett appears in Manifesto by Julian Rosefeldt, an official selection of the Premieres program at the 2017 Sundance Film Festival. © 2016 Sundance Institute | photo by Barbara Schmidt.
dias 25 e 26 de novembro às 11 horas
dia 28 de novembro às 14 horas
Manifesto

SINOPSE
Os históricos manifestos de arte podem ser aplicados à sociedade contemporânea? É isso o que Cate Blanchett tenta responder ao explorar os componentes performáticos e o significado político de declarações artísticas e inovadoras do século XX, que vão dos futuristas e dadaístas ao Pop Art, passando por Fluxus, Lars von Trier e Jim Jarmusch.
Não recomendado para menores de 12 anos

_____________________________________

O Moviecom Arte é um projeto da publicitária e produtora Fátima Augusto em parceria com o Moviecom Jundiaí, que há 1o anos traz para a cidade filmes de arte e que não entram no circuito comercial.

Com um horário alternativo dentro da programação do cinema, o Moviecom Arte acontece todos os sábados e domingos às 11 horas e tem ingressos a R$ 10,50 e R$ 5,25.

O Moviecom Jundiaí fica no Maxi Shopping – Av. Antônio Frederico Ozanan, 6000 – Vila Rio Branco, Jundiaí – SP

Sem categoria

EU, DANIEL BLAKE, No Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 4 de abril de 2017 0 Comentários

“EU, DANIEL BLAKE”, de Ken Loach, é o filme do próximo final de semana no Moviecom Arte.
Super premiado, este filme ganhou a Palma de Ouro no Festival de Cannes 2017, o Prêmio BAFTA de Melhor Filme Britânico e o César de Melhor Filme Estrangeiro, entre muitos outros prêmios. “Eu, Daniel Blake”, é considerado um dos melhores da temporada, pela crítica e pelo público.
E em tempos onde tanto se fala sobre a previdência social no Brasil, este filme é uma boa reflexão sobre o assunto.

blake
Trata-se de um drama que conta a história de um homem analfabeto que, após sofrer um ataque cardíaco, tenta receber o auxílio a que tem direito pelas leis trabalhistas, mas se vê obrigado a enfrentar um terrível esquema burocrático. No meio de todo esse processo ele conhece uma mulher solteira e mãe de duas crianças, também brigando com o sistema. Eles se aproximam e passam a se ajudar mutuamente.
“Eu, Daniel Blake” é considerado também um dos melhores filmes do veterano Ken Loach, famoso por seus filmes com dramas sociais repletos de romantismo e com um refinamento de imagens sem igual.
Venha conferir este grande filme nos dias 08 e 09 de abril, sempre às 11horas, no Moviecom Arte.

Ficha Técnica
Título: “Eu, Daniel Blake
Título Original: I, Daniel Blake
Direção: Ken Loach
Género: Drama
Com: Dave Johns, Hayley Squires e Sharon PercyPaíses de Origem: França, Reino Unido e Irlanda do Norte
Distribuição: Imovision

Ken Loach

Moviecomarte

Uma História de Amor Proibido no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 21 de março de 2017 0 Comentários

Inspirado em uma história real do final do século XVI, “Marguerite e Julien” é o segundo filme dirigido pela atriz Valérie Donzelli e conta uma história de amor proibido, nos moldes de Romeu e Julieta mas com um agravante, o incesto.

Trata-se de uma adaptação de um roteiro escrito originalmente para o mestre François Truffaut por Jean Gruault. Apensar do tema nãos er um assunto inédito no cinema, “Marguerite e Julien” despertou a ira de boa parte da crítica ao ser apresentado em Cannes.

381855
O sentimento entre o casal de irmãos, manifestado desde a infância, leva os pais a separá-los mandando o menino para estudar em um lugar distante. Quando os irmãos se reencontram anos mais tarde continuam a se amar intensamente e decidem correr o risco de viver esse amor proibido.
O destaque do filme são as interpretações de Anaïs Demoustier e Jérémie Elkaïm para o casal de irmãos, demonstrando uma química que arrebata a platéia a ponto de nos fazer esquecer que se trata de uma relação incestuosa.
“Marguerite e Julien” será exibido no Moviecom Arte dias 25 e 26 de março, às 11 horas.

Ficha Técnica
Título: Marguerite & Julien: Um Amor Proibido
Título Original: Marguerite et Julien
Gênero: Romance
País: França
Direção: Valérie Donzelli
Elenco: Jean Gruault, Anaïs Demoustier, Jérémie Elkaïm, Frédéric Pierrot, Aurélia Petit, Catherine Mouchet, Raoul Fernandez e Geraldine Chaplin
Distribuição: Marés Filmes

6ed7afe8a68e7e34cb5f2708c77d75f7_XL