Autor

Temperos de Cinema

CinemaMoviecomarteMoviecomarte

A Amante, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 21 de julho de 2018 0 Comentários

O cinema da Tunísia é uma das boas novidade no circuito dos Festivais. Em “A Amante”, o estreante diretor e roteirista Mohamed Ben Attia é uma deliciosa surpresa, um drama romântico sobre desilusões e a imprevisibilidade que se sobrepõe a todos nossos planos.


Badalado em festivais de cinema pelo mundo em 2016, o filme chega ao Brasil com dois anos de atraso e com a pompa de ter vencido os prêmios de melhor ator e melhor filme no prestigiado Festival de Berlim.
Na trama, o introvertido Hedi (Majd Mastoura) parece ter sua vida sob controle. De casamento marcado e com um bom emprego em uma fábrica de automóveis arranjado pelo pai da noiva. À frente de todos os planos está a matriarca da família do protagonista, Baya (Sabah Bouzouita), sempre tomando as rédeas das situações em nome de “um bem maior”.


Tudo muda em uma viagem de trabalho, ele percebe que não é desta forma que ele pretende passar o resto de sua vida. Ele conhece uma jovem que vive de forma descomprometida e livre, que o leva a questionar tudo que o cerca e a redescobrir seus próprios sonhos e desejos.


Ganhador do Urso de Ouro do Festival de Berlim na categoria “Melhor Filme de Estreia” e do Urso de Prata de Melhor Ator (Majd Mastoura), “A Amante” é o filme da semana no Moviecom Arte, com exibição nos dias 21 e 22 de julho às 11 horas e no dia 24 de julho às 14 horas.

Ficha Tecnica
Título: A Amante
Título Original: Inhebek Hedi
Nacionalidades: Tunísia, Bélgica, França
Gêneros: Drama, Romance
Ano de produção: 2016
Estréia: 31 de maio de 2018 (Brasil)
Duração: 1h 33 minutos
Classificação: 14 anos
Direção: Mohamed Ben Attia
Roteiro: Mohamed Ben Attia
Elenco: Majd Mastoura, Ryam Ben Messaoud, Sabah Bouzouita
Trilha sonora: Omar Aloulou
Direção de fotografia: Frédéric Noirhomme
Edição: Azza Chaabouni, Ghalia Lacroix, Hafedh Laridhi
Design de produção: Mohamed Denguezli
Figurino: Nedra Gribaa
Distribuição: Pandora Filmes

 

CinemaMoviecomarte

Chega de Fiu Fiu, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 16 de julho de 2018 0 Comentários

As cidades foram feitas para as mulheres? A pergunta é motor fundamental do longa-metragem “Chega de Fiu Fiu”, com direção de Amanda Kamanchek Lemos e Fernanda Frazão.
Produzido em parceria com a Brodagem Filmes, o documentário será lançado em maio nasceu da campanha homônima criada em 2014 pela organização Think Olga, trazendo ao centro do debate questões como o assédio e o direito das mulheres ao espaço público.


O filme alcançou recorde de arrecadação na plataforma de financiamento coletivo Catarse, atingindo a meta em menos de 24 horas.
“Chega de Fiu Fiu” explicita como a participação das mulheres no espaço urbano é marcada por insegurança.
Segundo Amanda Kamanchek: “Entraves como a falta de iluminação, lugares ermos, a dificuldade de mobilidade, longas distâncias na locomoção de casa ao trabalho, ausência de creches e péssimo atendimento em serviços de saúde e segurança seguem como catracas visíveis e invisíveis do acesso das mulheres às cidades. Tais entraves revelam o quanto as cidades foram construídas sem a perspectiva de gênero e agravam ainda mais as violências sofridas pelas mulheres, como o assédio”.


O filme é um retrato dessa violência de gênero em um contexto ainda pouquíssimo explorado: o espaço público, lançando a pergunta: “Qual é o lugar das mulheres nas cidades?”.
A narrativa é composta de três momentos: A utilização de óculos com uma microcâmera escondida, usado por mulheres em seu dia a dia; a vida de três personagens de diferentes cidades (Brasília, São Paulo e Salvador) e o diálogo com especialistas sobre assédio, identidades, sexualidade, participação e mobilização social e masculinidades.


De acordo com pesquisa da ActionAid de 2016, 86% das brasileiras já sofreram violência sexual ou assédio em espaços públicos. Delas, 77% ouviram assobios, 57% ouviram comentários de cunho sexual, 39% xingamentos, 50% foram seguidas, 44% tiveram seus corpos tocados, 37% tiveram homens que se exibiram para elas e 8% foram estupradas.

“Chega de Fiu Fiu” será exibido nos dias 21 e 22 de julho, às 11 horas, paralelamente ao fime da semana no Moviecom Arte.

Siga a página Chega de Fiu Fiu no Facebook: @chegadefiufiu

ConfrariaConfraria

Trilogia O Poderoso Chefão inspira jantar.

Postado porTemperos de Cinema 14 de julho de 2018 0 Comentários

O último jantar da Confraria Temperos de Cinema foi um sucesso, a inspiração foi a Trilogia – O Poderoso Chefão – não faltaram personagens mafiosos, com suas belas mulheres.

 

E o cardápio foi um show à parte !

Entrada

Filão italiano
Sardela
Alichela
Manteiga
Azeite com pimenta e sal
Patê de gorgonzola
Bruschettas de tomates pelados

Entrada quente
Minestrone

1º Prato
Sorrentino de búfala e manjerona ao Pesto de Castanhas do Brasil

2º Prato 
Perna de Cabrito assada com batatas e alecrim

Sobremesa:
Canolli de pistache

Seguem alguns dos personagens dessa confraria.

Vem aí o próximo inspiração no filme Casablanca !

CinemaMoviecomarte

A Câmera de Claire, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 13 de julho de 2018 0 Comentários

Um dos diretores mais produtivos da atualidade, Hong Sang-soo já foi comparado a Jean-Luc Godard e é conhecido por seus roteiros criados a partir de sutilezas do dia-a-dia e em pessoas reais.
“A Câmera de Claire” se baseia em desacertos conjugais, um tema bastante recorrente na obra do diretor, e traz a diva Isabelle Huppert como Claire, uma professora, poeta e fotógrafa circulando pelas ruas de Cannes durante o famoso Festival de Cinema e travando amizade com alguns turistas sul coreanos.


Claire tira fotos de seus novos amigos mas não fica com elas. Entrega os registros aos próprios fotografados para que eles possam avaliar suas próprias transformações no decorrer da trama. “Porque a única forma de mudar as coisas é olhar para tudo novamente de forma bem devagar”, diz Claire.


Esses encontros funcionam como um fio condutor que revelará os demais personagens de um intrincado quebra-cabeças do qual fazem parte e que ao final mostrará as mudanças em cada um deles.

“A Câmera de Claire” será exibido no Moviecom Arte, do Moviecom Cinemas do Maxi shopping Jundiaí nos dias 14 e 15 de julho às 11 hs, e no dia 17 de julho às 14 hs.

Ficha Técnica
Título original: KEUL-LE-EO-UI KA-ME-LA
Título no Brasil: A Câmera de Claire
Gênero: Comédia Dramática
Duração: 68 min
Estreia no Brasil: 24 de Maio de 2018
País: França e Coréia do Sul
Idioma: Francês
Diretor: Hong Sang soo
Roteiro: Hong Sang soo
Elenco: Isabelle Huppert, Min hee Kim, Mi hee Chang, Jin young Jung, Yoon Heesun, Wanmin Lee, Taewoo Kang, Shahira Fahmy e Mark Peranson
Distribuição: Pandora Filmes

Receita da semanaTemperos

Cannoli, mais doce que a Vingança

Postado porTemperos de Cinema 9 de julho de 2018 0 Comentários

“Leave the gun, take the cannoli”, essa é uma das falas antológica de “O Poderoso Chefão”.
O cannoli é um doce tradicional da Sicília, com origem que remonta à 75 a.C. e típico dos festejos de carnaval. Essa delícia recheada com ricota tornou-se bastante popular também nos Estados Unidos, onde a culinária italiana ganhou bastante projeção com a imigração.


Na trilogia de Francis Ford Coppola o cannoli aparece como “o doce da vingança” em duas cenas marcantes. A primeira, no filme de 1972, os assassinos do o genro traidor de Vito Corleone compram cannolis e depois de executar o “serviço” dizem a célebre frase “largue a arma e pegue um cannoli”. A segunda, na sequência de 1990, a irmã de Michael Corleone serve cannolis envenenados a outro traidor, Don Altobello, seu padrinho.


A receita que encerra o cardápio inspirado no filme “O Poderoso Chefão” não poderia ser outra. A chef Sandra Romansini, ensina a preparar deliciosos cannolis que são a sobremesa perfeita para a sobremesa ou para acompanhar o chá da tarde.

Receita de Canolli

Ingredientes para a massa:
½kg de farinha de trigo
2 colheres (sopa) de manteiga sem sal em temperatura
½ xícara (chá) de açúcar
450ml de cachaça ou grappa ou vinho branco seco
1 colher (chá) de sal
1 colher (café) de canela
óleo para fritar

Ingredientes para o recheio:
½kg de ricota
1 xícara (chá) de açúcar
1 colher (sopa) de licor ou vinho licoroso de sua preferência
1 pitada de sal
4 colheres (sopa) de creme de leite fresco
2 colheres (sopa) de requeijão cremoso ou creem cheese
frutas cristalizados a gosto
cereja a gosto

Modo de preparo

Em uma tigela, misture os ingredientes secos, junte a manteiga misture bem formando uma farofa. Acrescente a cachaça e vá amassando até formar uma massa lisa e elástica. Cubra a massa com filme e deixe descansar por 20 minutos na geladeira.
Em seguida abra a massa com um rolo na espessura de ½ centímetro, corte círculos com um cortador de 8cm. Unte apenas a primeira vez, com óleo ou manteiga os cilindros de metal próprio para canudos envolva-os com o disco da massa para que as duas pontas se encontrem, unte uma das pontas com clara e aperte bem.
Em uma panela de pequena para média, coloque ½ litro de óleo, deixe aquecer, sem exagero, abaixe o fogo e vá colocando os cilindros, eles precisam ficar submersos.
Deixe os canudos de pé numa cesta aramada. Não escorra em papel absorvente porque fica encharcado.
Com cuidado para não se queimar, retire a massa e repita a operação até finalizar. Recheie os cannoli a seu gosto, polvilhe-os com açúcar de confeiteiro.

Sem categoria

Amores de chumbo, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 3 de julho de 2018 0 Comentários

O cinema brasileiro fora do eixo São Paulo-Rio, traz sempre grandes e agradáveis surpresas. É o caso de “Amores de Chumbo”, produção pernambucana que estreou no último Festival de Cinema do Rio de Janeiro e integrou a 41ª Mostra de Cinema de São Paulo.


Dirigido por Tuca Siqueira este filme parte das questões afetivas e amorosas de três amigos, o roteiro tem no período de repressão no Brasil um importante elemento narrativo. Os traumas e as vivências da ditadura são parte indissociável da vida dos protagonistas, todos com passado de resistência e militância política, durante o período de chumbo da ditadura militar.


Quarenta anos separam Maria Eugênia, escritora pernambucana radicada na França, do casal Miguel e Lúcia, que acabam de comemorar quatro décadas de união. O retorno de Maria Eugênia revela segredos do passado, dando margem a dúvidas e desconfianças há muito tempo guardadas.
Partindo do ponto de vista desses três personagens, se revive o momento político e social da época de chumbo da ditadura militar no Brasil — uma história que mudou o rumo de muitas vidas.

“Amores de Chumbo” será exibido nos dias 07 e 08 de julho às 11h00 e no dia 10 de julho às 14h00, no Moviecom Arte do Moviecom Cinemas do Maxi Shopping Jundiaí.

Ficha Técnica

Título: Amores de chumbo
Título Original: Amores de chumbo
País: Brasil
Ano de produção: 2017
Gênero: Drama
Duração: 97 min
Classificação: 14 anos
Direção: Tuca Siqueira
Elenco: Aderbal Freire Filho, Juliana Carneiro da Cunha, Augusta Ferraz

Distribuição: Elo Company

CinemaMoviecomarteMoviecomarte

Férias no Cinema!

Postado porTemperos de Cinema 3 de julho de 2018 0 Comentários

Julho é mês de férias e cinéfilo que é cinéfilo de verdade aproveita as férias para ver mais filmes. O Moviecom Arte vem com uma programação repleta de ótimos filmes para uma programação que não deixará suas férias passar em branco.

Amores de Chumbo, de Tuca Siqueira
Dias 07, 08 e 10
O cinema brasileiro, fora do eixo São Paulo-Rio, traz sempre grandes e agradáveis surpresas. É o caso de “Amores de Chumbo”, produção pernambucana que estreou no último Festival de Cinema do Rio de Janeiro e integrou a 41ª Mostra de Cinema de São Paulo.
Dirigido por Tuca Siqueira este filme parte das questões afetivas e amorosas de três amigos, o roteiro tem no período de repressão no Brasil um importante elemento narrativo. Os traumas e as vivências da ditadura são parte indissociável da vida dos protagonistas, todos com passado de resistência e militância política, durante o período de chumbo da ditadura militar.
Quarenta anos separam Maria Eugênia, escritora pernambucana radicada na França, do casal Miguel e Lúcia, que acabam de comemorar quatro décadas de união. O retorno de Maria Eugênia revela segredos do passado, dando margem a dúvidas e desconfianças há muito tempo guardadas.
Partindo do ponto de vista desses três personagens, se revive o momento político e social da época de chumbo da ditadura militar no Brasil — uma história que mudou o rumo de muitas vidas.

A Câmera de Claire, de Hong Sang-soo
Dias 14, 15 e 17 de julho
Um dos diretores mais produtivos da atualidade, Hong Sang-soo já foi comparado a Jean-Luc Godard e é conhecido por seus roteiros criados a partir de sutilezas do dia-a-dia e em pessoas reais.
“A Câmera de Claire” se baseia em desacertos conjugais, um tema bastante recorrente na obra do diretor, e traz a diva Isabelle Huppert como Claire, uma professora, poeta e fotógrafa circulando pelas ruas de Cannes durante o famoso Festival de Cinema e travando amizade com alguns turistas sul coreanos.
Claire tira fotos de seus novos amigos mas não fica com elas. Entrega os registros aos próprios fotografados para que eles possam avaliar suas próprias transformações no decorrer da trama.
Esses encontros funcionam como fio condutor da trama que revelará os demais personagens de um intrincado quebra-cabeças do qual fazem parte e, ao final dela, sairão transformados.

A Amante, de Mohamed Ben Attia
Dias 21, 22 e 24 de julho
O cinema da Tunísia é uma das boas novidade no circuito dos Festivais. Em “A Amante”, o estreante diretor e roteirista Mohamed Ben Attia é uma deliciosa surpresa, um drama romântico sobre desilusões e a imprevisibilidade que se sobrepõe a todos nossos planos.
Badalado em festivais de cinema pelo mundo em 2016, o filme chega ao Brasil com dois anos de atraso e com a pompa de ter vencido os prêmios de melhor ator e melhor filme no prestigiado Festival de Berlim.
Na trama, o introvertido Hedi (Majd Mastoura) parece ter sua vida sob controle. De casamento marcado e com um bom emprego em uma fábrica de automóveis arranjado pelo pai da noiva. À frente de todos os planos está a matriarca da família do protagonista, Baya (Sabah Bouzouita), sempre tomando as rédeas das situações em nome de “um bem maior”.
Tudo muda em uma viagem de trabalho, ele percebe que não é desta forma que ele pretende passar o resto de sua vida. Ele conhece uma jovem que vive de forma descomprometida e livre, que o leva a questionar tudo que o cerca e a redescobrir seus próprios sonhos e desejos.

Oh! Lucy, de Atsuko Hirayanagi
Dias 28, 29 e 31 de julho
A japonesa Atsuko Hiranayagi evoca aqueles personagens especiais em sua banalidade, vivendo situações tão absurdas que são absolutamente reais.
“Oh! Lucy” conta a história de uma mulher que mora sozinha em Tóquio e tem uma vida monótona. Sua sobrinha a convence a se matricular em um curso de inglês pouco convencional onde passa usar uma peruca loira e a representar uma norte-americana chamada Lucy.
A nova identidade surge como seu alter-ego e ela descobre sentimentos dos quais havia esquecido. Ela se apaixona por seu professor de inglês e, após o repentino sumiço dele, embarca para os Estados Unidos à sua procura, vivenciando uma série de aventuras e se desvencilhando de sua vida ordinária.

____________________________________

O Moviecom Arte é um projeto da publicitária e produtora Fátima Augusto em parceria com o Moviecom Jundiaí, que há 1o anos traz para a cidade filmes de arte e que não entram no circuito comercial.

Com um horário alternativo dentro da programação do cinema, o Moviecom Arte acontece todos os sábados e domingos às 11 horas e tem ingressos a R$ 10,50 e R$ 5,25.

Moviecom Jundiaí fica no Maxi Shopping – Av. Antônio Frederico Ozanan, 6000 – Vila Rio Branco, Jundiaí – SP

Receita da semanaTemperos

Stinco de Carneiro com Polenta

Postado porTemperos de Cinema 30 de junho de 2018 0 Comentários

Mais uma receita incrível inspirada na trilogia “O Poderoso Chefão”, de Francis Ford Coppola. Este Stinco de Carneiro é um prato tradicional da gastronomia italiana e sua origem remonta ao Império Romano.
Stinco significa canela e para alguns chefs, é a melhor no carneiro. Os franceses também têm sua versão do prato e chamam de Jarret. Há versões do prato também com javali e vitela. Este prato acompanha super bem uma massa ou uma bela polenta.
Aqui, a chef Sandra Romansini nos ensina a preparar a receita italiana, acrescentando como sempre seu toque pessoal à receita. E nós, que já provamos, podemos garantir que é maravilhoso.

Receita de Stinco de Cordeiro

Para a Marinada

1 colher de chá de Sal
5 dentes de alho amassado
1 cebola média
Manjericão seco a gosto
Salsinha a gosto
4 folhas de louro
Tomilho a gosto
1 Cenoura pequena picada
1 talo de salsão picadinho
1 alho Poró picado
Folhas de sálvia a gosto
500 ml de vinho branco
1 litro de água
4 stinco de cordeiro

Preparo:

Misture todos os ingredientes e deixe marinando por 24 horas:

Preparo do stinco:
Retire o stinco da marinada. (Coe e Reserve o caldo)
Em uma panela coloque um fio de azeite e deixe aquecer bem, doure o stinco até ficar bem dourado de todos os lados.
Deglaceie a frigideira com uma taça de vinho e em seguida coloque o líquido da marinada. Cozinhe por 45 minutos a 1 hora em fogo baixo até que esteja bem macio e não saia do osso.
Retire o caldo do cozimento e leve o fogo para reduzir.

Obs: Se acaso o líquido do cozimento for secando e o stinco ainda não esteja cozido vá adicionando caldo de carne até que cozinhe.

Sirva o stinco com Polenta e a redução do cozimento.

CinemaMoviecomarteMoviecomarte

Esplendor, no Moviecom Arte

Postado porTemperos de Cinema 28 de junho de 2018 0 Comentários

É possível descrever uma imagem para alguém que não pode vê-la mas é muito difícil colocar em palavras a experiência emocional que uma imagem pode oferecer. “Esplendor”, da cineasta japonesa Naomi Kawase, aborda essa questão do ponto de vista filosófico e também sentimental.


Os dois personagens centrais da trama refletem essa dupla abordagem. Uma jovem dubladora que trabalha com adaptações de filmes para deficientes visuais e um fotógrafo que está perdendo a visão em consequência de uma doença degenerativa.
O encontro dos dois resulta em uma cumplicidade emocionante, levando-os a descobrir novas formas de olhar suas próprias vidas e nos fazendo refletir sobre a delicadeza dos sentidos e as muitas interpretações da palavra “ver”.
A direção de Naomi Kawase, que também assina o roteiro, é de uma sensibilidade ímpar. O hiperclose, imagens desfocadas e cenas do pôr do sol são alguns recursos visuais que reforçam as questões abordadas.


Indicado para a Palma de Ouro no Festival de Cinema de Cannes, onde recebeu o Prémio Ecuménico, e exibido na 41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, “Esplendor” encerra a programação do mês do Moviecom Arte e será exibido nos dias 30 de junho e 01 de julho às 11 horas, e no dia 03 de julho às 14 horas.

Ficha Tecnica

Título: Esplendor
Título Original: Hikari
Nacionalidades: Japão e França
Gêneros: Drama, Romance
Ano de produção: 2017
Estréia: 10 de maio de 2018 (Brasil)
Duração: 1h 41 minutos
Classificação: 10 anos
Direção: Naomi Kawase
Elenco: Masatoshi Nagase, Ayame Misaki, Tatsuya Fuji
Roteiro: Naomi Kawase
Produção: Naoya Kinoshita, Masa Sawada, Yumiko Takebe
Música: Raphael Hamburger
Trilha sonora: Ibrahim Maalouf
Edição: Tina Baz
Estúdios: Comme des Cinémas, Kino Films, Kumie, MK2 Productions
Distribuição: Imovision

Receita da semanaTemperos

Minestrone ou Minestra Italiana

Postado porTemperos de Cinema 22 de junho de 2018 0 Comentários

A segunda receita inspirada na trilogia O Poderoso Chefão, de Francis Ford Coppola, é um Minestrone ou Minestra Italiana.
Perfeita para as noites de frio e também como entrada, essa tradicional sopa italiana é composta por uma grande variedade de legumes cortados e, quase sempre acompanhados de arroz ou macarrão.
Não existe uma receita fechada para este prato e normalmente ele é preparado com os legumes e hortaliças da estação. E também pode ou não levar carne.
Acredita-se que este prato foi criado por camponeses italianos durante o período da Grande Guerra. Com a escassez de comida e temperaturas baixíssimas, os camponeses utilizavam os alimentos disponíveis em suas terras, misturando-os ao feijão, ao arroz e alguns tipos de macarrão.


A chef Sandra Romansini nos dá a sua versão deste tradicionalíssimo prato, com uma combinação de sabores e temperos que o tornam ainda mais especial  e que, certamente, fariam até Don Vito Corleone lamber os beiços.

Receita de Minestrone ou Minestra Italiana

INGREDIENTES

½ xícara (chá) de feijão-branco
3 colheres (sopa) de azeite
1 colher (sopa) de manteiga
1 cebola picada
1 cenoura cortada em cubos
1 talo de salsão cortado em rodelinhas
1 batata cortada em cubos
½ xícara (chá) de vagem cortada em rodelinhas
1 abobrinha com casca cortada em cubos
½ xícara (chá) de repolho ralado
1 litro de caldo de carne
½ lata de tomate italiano sem pele
sal e pimenta-do-reino moída na hora a gosto
½ xícara (chá) de queijo parmesão ralado

MODO DE PREPARO

Numa tigela, coloque o feijão branco e cubra com o triplo de água. Deixe de molho por 12 horas.
Lave a cenoura, o salsão, a vagem e a abobrinha sob água corrente.
Numa tábua, pique os legumes e o tomate italiano. Reserve o suco da lata do tomate.
Numa panela grande, aqueça o azeite e a manteiga no fogo baixo. Quando esquentar, coloque a cebola picada e mexa até ficar dourada.
O segredo para preparar o minestrone é não colocar todos os ingredientes na panela ao mesmo tempo, pois cada legume tem o seu tempo de cozimento. Por isso, entre as adições dos legumes, deixe cada um cozinhar por 3 minutos, mexendo de vez em quando. Aumente o fogo para médio e acrescente os legumes na seguinte ordem: a cenoura picada, a batata em cubos, a vagem picada, a abobrinha em cubos e o repolho ralado.
Junte o caldo de carne, o tomate italiano picado e o suco da lata. Se estiver usando caldo em cubo, experimente antes de temperar com sal. Aumente o fogo e deixe ferver. Abaixe o fogo, tampe a panela e deixe cozinhar por 1 hora e 30 minutos.
Escorra a água do feijão branco e lave-o sob água corrente. Transfira para uma panela e cubra com água. Leve ao fogo alto e, quando ferver, abaixe o fogo. Tampe a panela e deixe cozinhar por 1 hora ou até que o feijão esteja cozido, porém os grãos não devem estar moles. Escorra a água e reserve o feijão.
Na panela com a sopa, acrescente o feijão e deixe cozinhar por mais 30 minutos. O Minestrone é uma sopa grossa, porém, se você desejar uma sopa mais fina, acrescente mais caldo de carne.
No momento de servir, polvilhe a sopa quente com o queijo ralado.